sicnot

Perfil

Anselmo Crespo

O ridículo mata

Anselmo Crespo

Anselmo Crespo

Editor de Política SIC

Não ter a noção do ridículo é perder o respeito. A Europa está à beira de perder as duas coisas: a noção do ridículo e o respeito dos cidadãos. Vamos diretos ao assunto: pensar em aplicar sanções a Portugal por causa de duas décimas de défice é só estúpido. Se este assunto fosse assim tão simples, não seria grave. A questão é política, só. No essencial, a Comissão Europeia quer, à força, obrigar o Governo de António Costa a apresentar mais medidas, o tal plano B. E Costa, que já percebeu isso há muito tempo, decidiu aceitar o braço de ferro. Primeiro, porque não quer perder a face. E segundo, porque a sobrevivência política do Governo também depende disso. Se Portugal tiver que sofrer sanções, paciência. Culpa-se o governo anterior e segue-se em frente.

O caminho do governo é estreito. Toda a gente sabe isso. Reduzir o défice e cumprir os programas eleitorais de quatro partidos é o equivalente a querer juntar o céu e o inferno, sem se queimar. Mas há uma coisa que ainda ninguém pode tirar a António Costa, que é o benefício da dúvida. As contas fazem-se no final do ano e nessa altura se verá se as metas são mesmo cumpridas, sem necessidade de medidas adicionais.

Em segundo lugar, é preciso perceber o que são medidas adicionais. Um eufemismo, por norma, para aumento de impostos e cortes na despesa que, por sua vez, têm sido um eufemismo para cortar salários e pensões. O óbvio para a Comissão Europeia e para o FMI. O impensável para o Bloco de Esquerda, para o PCP, para os Verdes e, claro, para António Costa. Mas que não haja qualquer espécie de dúvida. O Governo tem um plano B e seria completamente irresponsável se não o tivesse. Todos tiveram e António Costa não é exceção. As cativações, já se sabe, são parte desse plano. Mas não é preciso puxar muito pela memória para chegarmos à conclusão de que nos últimos 20 anos não houve um único governo que não tenha recorrido a medidas temporárias para compor as contas. Manda a criatividade. Houve quem vendesse património, quem vendesse créditos fiscais, quem aumentasse impostos. No aperto, faz-se o que for preciso para não perder a face.

Mas então, qual é o problema da Comissão Europeia? Ressabio. Não gostou da ultrapassagem pela esquerda que António Costa fez a Passos Coelho, gosta ainda menos dos partidos que suportam o atual governo e odeia que Portugal esteja a reverter medidas que a iluminada troika impôs durante os três anos que esteve cá. Se o PSD e o CDS não podem fazer nada quanto a isso, porque estão em minoria, a Comissão Europeia pode. Ninguém os elegeu para nada mas eles podem tudo, mesmo que isso lhes custe a coerência, o respeito e a noção de ridículo. A coerência, porque nunca nenhum país foi sancionado por ter incumprido o défice, e houve tantos que o fizeram. Mas "a França é a França", não é Jean Claude Juncker? O respeito, porque no meio de um turbilhão de problemas que a Europa enfrenta, tão sérios e tão urgentes, a Comissão Europeia dedica-se a esta infantilidade das sanções, numa demonstração de poder própria dos líderes fracos. E noção do ridículo, isso, já não mora em Bruxelas há muito tempo.

Façam o que quiserem. Sanções, multas, peguem num chicote e comecem uma tortura daquelas à antiga. É-me indiferente. Mas depois disso, expliquem-nos qual é a vossa brilhante estratégia europeia que faz com a economia da zona euro esteja praticamente estagnada. Como é que se resolvem crises como a da Grécia? A França pode explicar-nos como é que se ultrapassam os limites do défice e não se é punido a seguir. A Alemanha pode, por obséquio, ensinar-nos a ter um sistema financeiro sólido e bancos à prova de crises. Assim como o Deutsche Bank, por exemplo. Génios líderes europeus, por favor digam lá qual é a solução, qual é o caminho, qual é a estratégia económica que vai tornar a Europa, finalmente, numa grande potência mundial?

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20