sicnot

Perfil

Anselmo Crespo

O ridículo mata

Anselmo Crespo

Anselmo Crespo

Editor de Política SIC

Não ter a noção do ridículo é perder o respeito. A Europa está à beira de perder as duas coisas: a noção do ridículo e o respeito dos cidadãos. Vamos diretos ao assunto: pensar em aplicar sanções a Portugal por causa de duas décimas de défice é só estúpido. Se este assunto fosse assim tão simples, não seria grave. A questão é política, só. No essencial, a Comissão Europeia quer, à força, obrigar o Governo de António Costa a apresentar mais medidas, o tal plano B. E Costa, que já percebeu isso há muito tempo, decidiu aceitar o braço de ferro. Primeiro, porque não quer perder a face. E segundo, porque a sobrevivência política do Governo também depende disso. Se Portugal tiver que sofrer sanções, paciência. Culpa-se o governo anterior e segue-se em frente.

O caminho do governo é estreito. Toda a gente sabe isso. Reduzir o défice e cumprir os programas eleitorais de quatro partidos é o equivalente a querer juntar o céu e o inferno, sem se queimar. Mas há uma coisa que ainda ninguém pode tirar a António Costa, que é o benefício da dúvida. As contas fazem-se no final do ano e nessa altura se verá se as metas são mesmo cumpridas, sem necessidade de medidas adicionais.

Em segundo lugar, é preciso perceber o que são medidas adicionais. Um eufemismo, por norma, para aumento de impostos e cortes na despesa que, por sua vez, têm sido um eufemismo para cortar salários e pensões. O óbvio para a Comissão Europeia e para o FMI. O impensável para o Bloco de Esquerda, para o PCP, para os Verdes e, claro, para António Costa. Mas que não haja qualquer espécie de dúvida. O Governo tem um plano B e seria completamente irresponsável se não o tivesse. Todos tiveram e António Costa não é exceção. As cativações, já se sabe, são parte desse plano. Mas não é preciso puxar muito pela memória para chegarmos à conclusão de que nos últimos 20 anos não houve um único governo que não tenha recorrido a medidas temporárias para compor as contas. Manda a criatividade. Houve quem vendesse património, quem vendesse créditos fiscais, quem aumentasse impostos. No aperto, faz-se o que for preciso para não perder a face.

Mas então, qual é o problema da Comissão Europeia? Ressabio. Não gostou da ultrapassagem pela esquerda que António Costa fez a Passos Coelho, gosta ainda menos dos partidos que suportam o atual governo e odeia que Portugal esteja a reverter medidas que a iluminada troika impôs durante os três anos que esteve cá. Se o PSD e o CDS não podem fazer nada quanto a isso, porque estão em minoria, a Comissão Europeia pode. Ninguém os elegeu para nada mas eles podem tudo, mesmo que isso lhes custe a coerência, o respeito e a noção de ridículo. A coerência, porque nunca nenhum país foi sancionado por ter incumprido o défice, e houve tantos que o fizeram. Mas "a França é a França", não é Jean Claude Juncker? O respeito, porque no meio de um turbilhão de problemas que a Europa enfrenta, tão sérios e tão urgentes, a Comissão Europeia dedica-se a esta infantilidade das sanções, numa demonstração de poder própria dos líderes fracos. E noção do ridículo, isso, já não mora em Bruxelas há muito tempo.

Façam o que quiserem. Sanções, multas, peguem num chicote e comecem uma tortura daquelas à antiga. É-me indiferente. Mas depois disso, expliquem-nos qual é a vossa brilhante estratégia europeia que faz com a economia da zona euro esteja praticamente estagnada. Como é que se resolvem crises como a da Grécia? A França pode explicar-nos como é que se ultrapassam os limites do défice e não se é punido a seguir. A Alemanha pode, por obséquio, ensinar-nos a ter um sistema financeiro sólido e bancos à prova de crises. Assim como o Deutsche Bank, por exemplo. Génios líderes europeus, por favor digam lá qual é a solução, qual é o caminho, qual é a estratégia económica que vai tornar a Europa, finalmente, numa grande potência mundial?

  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, fez 100 dias este sábado. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52