sicnot

Perfil

António José Teixeira

De big brother implacável a devasso devassado

Semanas a fio, já me confesso inibido de voltar ao que muitos classificarão como epifenómeno, que decerto se dissipará após a Quaresma. Talvez não. Por isso, reincido porque é grave, muito grave, o que se passa. Algumas notas:

1.     O relatório da Comissão Nacional de Proteção de Dados sobre o funcionamento da Autoridade Tributária aponta para mais de dois mil utilizadores externos ao Fisco a ter acesso indiscriminado aos dados dos contribuintes, entre eles centenas de funcionários de empresas privadas, além de muitos estagiários e tarefeiros. Informalidade de procedimentos, ausência de registos escritos na circulação de processos, apagamento de mensagens institucionais sobre assuntos relevantes… são algumas das conclusões. Dificilmente poderiam ser mais preocupantes. É verdade que o fisco tem batido recordes na cobrança e, por isso, é apontado como um exemplo de eficácia. É verdade que se agilizou, informatizou, digitalizou todos os processos (ou quase todos), ganhou capacidades de cruzamento de dados, de fazer buscas, penhoras, uma polícia temível. Colocou alegados contribuintes a ser contribuintes, o que é louvável. O que não é louvável é a absoluta devassa em que caiu a máquina fiscal. E quando falo de devassa não é apenas a dos VIP ou mais ou menos VIP. Falo de toda a espécie de violações motivadas pelos mais mesquinhos e criminosos processos: da vítima de uma multa de trânsito que se quer vingar de um GNR, de cônjuges em processo de divórcio, do marido que quer chantagear o patrão da mulher, toda a espécie de maldade e miséria de que a natureza humana é capaz. Violações que também se relacionam com a recolha de dados de que o próprio fisco se encarrega. É o caso já denunciado por dois ilustres fiscalistas e ex-secretários de Estado dos Assuntos Fiscais reportando os seus próprios casos pessoais: Vasco Valdez e Rogério Fernandes Ferreira têm identificados no seu cadastro os seus clientes profissionais.

2.     A Autoridade Tributária tinha, e terá ainda, um manual de normas de conduta e políticas de segurança da informação. Aparentemente, as normas de segurança já permitiam saber quem consultava o quê, haverá registos e obrigações de sigilo. Porque é que não eram e não são suficientes e eficazes? Porque é que há estranhos aos serviços, empresas comerciais, aposentados do fisco, milhares de bisbilhoteiros com acesso direto aos nossos dados? Que espera o Ministério Público para apurar responsabilidades? Boa parte desta situação já era conhecida antes do relatório da Comissão de Proteção de Dados Pessoais.

3.     A designada (pelo Fisco) «lista VIP» fez despertar o alarme sobre o comportamento da máquina tributária. Factos: foi acionada no dia em que foi publicada uma notícia com dados fiscais de Pedro Passos Coelho e quando se discutia o seu envolvimento no caso Tecnoforma; a auditoria interna concluiu que não houve violação do segredo fiscal neste caso; a lista viola a legalidade, ou seja, trata de forma diferente aquilo que devia ser igual, pressupõe que o direito à privacidade é só para alguns, algo impróprio de uma democracia ou mesmo de um estado de direito. Aliás, como já aqui escrevi, a haver uma lista VIP seria para obrigar a tornar públicos os rendimentos e o cumprimento das contribuições para o fisco e a segurança social, o que já acontece, em parte. Não é uma questão de transparência totalitária, mas de prestação de contas dos representantes aos representados. O que é totalitário é o inverso: contemporizar com a devassa da generalidade dos cidadãos e apenas nos preocuparmos com a devassa de três ou quatro dos nossos eleitos. A lista, de tantas vezes negada, desfocou as atenções dos desmandos agora divulgados pela Comissão Nacional de Proteção de Dados. Mas teve a vantagem de nos alertar para a impressionante permeabilidade dos dados dos contribuintes. Aliás, percebe-se agora melhor porque é que se criou uma «lista VIP». Se a garantia do sigilo fosse regra não eram precisas trancas à porta só para alguns. A «lista VIP» vale pouco por si. Mas é reveladora de um padrão de comportamento.

4.     A Autoridade Tributária é uma instituição fundamental do Estado. Deve ser protegida, credibilizada e prestigiada. Só pode ser respeitada se se der ao respeito. Privacidade é um direito de todos. As exceções devem estar justificadas na lei. E quando a lei é letra morta, a complacência dos poderes públicos é um contributo objetivo para a degradação da política e dos políticos. A imagem que tínhamos do Fisco era a de um big brother implacável, hoje é um devasso devassado.
  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.