sicnot

Perfil

António José Teixeira

A Grécia no abismo europeu

A decadência é provavelmente a única certeza para os próximos tempos da Grécia. Já muitos dias D se levantaram da agenda, mas a Europa dos últimos anos apenas se distingue pelo impasse. Já muitas culpas se distribuiram entre gregos e não gregos (uma estranha e sintomática identidade). Mais pelos gregos, chamem-se o que se chamem, sobretudo Varoufakis. Ao que parece a Europa está unida. A excepção grega apenas confirma a regra. 27 unidos pela Grécia. Ou contra a Grécia. Será mesmo a Grécia que move os 27? É difícil pensar que seja uma questão nacional. Não é crível. É berço da Europa e a sua cultura influenciou decisivamente o Ocidente. A batalha de Salamina, em que os gregos derrotaram os persas, marcou fronteiras antigas. Não será uma questão de regras. Quem não as violou ou não beneficiou das alterações? O grande problema é que ninguém está disponível a reconhecer o enorme fracasso da dieta imposta pelos credores à Grécia. É por isso que a Grécia tem o cutelo bem próximo do seu pescoço. O mais irónico é que não foi o desengravatado Syriza o responsável pelo fracasso. O Syriza é o herdeiro da desgraça e da revolta grega, o que é muito perturbador para quem não abdica de um modelo económico inquestionável que, mais tarde ou mais cedo, nos devolverá o progresso de outrora. A Grécia é apenas um dano colateral. Acontece. 

Visto de outro lado: a Grécia contra todos. Muitas provocações, pouco trabalho de casa, alguma inconsistência. Os dirigentes gregos falharam na batalha da opinião pública europeia. E não foi por falta de mediatismo, de holofotes, de curiosidade jornalística. Pelo contrário. O que faltou foi capacidade de demonstração do mérito das suas alternativas à política europeia. Como lembra Timothy Garton Ash, o doente grego fingiu seguir o tratamento prescrito pela Alemanha e pelo FMI, mas não o fez. Já não bastavam os oligarcas e as dívidas contraídas por governos clientelistas, o que se seguiu afundou ainda mais o país. A tragédia grega é brutal. Perdeu-se um quarto da riqueza produzida, a insustentabilidade da dívida é de uma evidência cruel, quase um em cada dois jovens está desempregado, a fuga de capitais é imparável, a taxa de suicídios aumentou 35% em quatro anos... Não admira que a revolta seja tão grande. A Grécia contra todos. Alguma simpatia não têm resultado em solidariedade. Regras são regras. Quando a Grécia procura alívio e dinheiro, propõem-lhe mais cortes para ter dinheiro e pagar. Quando se empresta dinheiro conta-se ser ressarcido nos prazos combinados. Só a vontade política pode dar sentido e flexibilidade à negociação implacável dos credores. A política hesita, pondera, espera, aguarda melhores dias, cede habitualmente ao peso da contabilidade e da finança. Política como finança por outros meios. Política sem memória, ignorante da História. Política pouco geopolítica. A China já domina o porto do Pireu, porta da Europa, a tal que os credores quiseram tanto vender. A Rússia espreita uma aliança tirando partido de proximidades culturais e religiosas… 


Jogo de teimosos, Europa e Grécia empenham-se pouco num compromisso. Gastam mais energias a fazer cenários de desintegração. Braço de ferro ou corda esticada, todas as metáforas mostram bem que para se esticar a corda ou se testar a força são precisos dois teimosos. Que é como quem diz, há duas partes a testar a resistência. Ninguém quer perder. Não há saída boa para a Grécia. Nem a saída da Grécia é boa para a União Europeia. Todos sabem isso. Salvar a Grécia, como diz Garton Ash, faz bem à Europa. Quererão os 27 salvar a Europa? Quererá a Grécia ser salva, salvar-se? É grande a tentação do abismo.

  • Primeiro-ministro agradece sacrifícios dos portugueses
    0:46

    Economia

    O primeiro-ministro diz que os números do INE em relação ao défice de 2016 são prova de que havia uma alternativa e deixou uma palavra de agradecimento aos portugueses. As declarações de António Costa foram feiras aos jornalistas em Roma, onde se encontra para assinalar no sábado os 60 anos da União Europeia.

  • Jerónimo diz que UE vai continuar a causar constrangimentos a Portugal
    0:35

    Economia

    Esta sexta-feira na inauguração de uma exposição em Almada que denuncia a precariedade dos postos de trabalho, Jerónimo de Sousa falou sobre o défice de 2016. Para o secretário-geral do PCP, apesar do Governo ter ido além do exigido por Bruxelas, a União Europeia vai continuar a impedir Portugal de crescer.

  • Enfermeiros desconvocam greve

    País

    O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) desconvocou esta sexta-feira a greve geral nacional marcada para quinta e sexta-feira da próxima semana, anunciou o presidente da estrutura, justificando com os compromissos assumidos pelo Ministério da Saúde.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Probido fumar na praia? Não-fumadores aplaudem ideia
    1:33

    País

    O Comissário Europeu da Saúde defende uma proibição total do consumo de tabaco no espaço público. Esta e outras medidas foram defendidas, ontem, na Conferência Tabaco e Saúde da Liga Portuguesa Contra o Cancro. 

  • Visitar o Titanic vai custar 97 mil euros por pessoa

    Mundo

    Uma viagem a bordo do Titanic em 1912 era considerada uma viagem de luxo. Mais de 100 anos depois, continua a ser um luxo visitar o Titanic. Em 2018, vai ser possível conhecer os restos daquele que em tempos foi o maior navio do mundo. Contudo, nem todos vão poder fazê-lo, pois a viagem irá custar cerca de 97 mil euros por pessoa.