sicnot

Perfil

António José Teixeira

A Grécia no abismo europeu

A decadência é provavelmente a única certeza para os próximos tempos da Grécia. Já muitos dias D se levantaram da agenda, mas a Europa dos últimos anos apenas se distingue pelo impasse. Já muitas culpas se distribuiram entre gregos e não gregos (uma estranha e sintomática identidade). Mais pelos gregos, chamem-se o que se chamem, sobretudo Varoufakis. Ao que parece a Europa está unida. A excepção grega apenas confirma a regra. 27 unidos pela Grécia. Ou contra a Grécia. Será mesmo a Grécia que move os 27? É difícil pensar que seja uma questão nacional. Não é crível. É berço da Europa e a sua cultura influenciou decisivamente o Ocidente. A batalha de Salamina, em que os gregos derrotaram os persas, marcou fronteiras antigas. Não será uma questão de regras. Quem não as violou ou não beneficiou das alterações? O grande problema é que ninguém está disponível a reconhecer o enorme fracasso da dieta imposta pelos credores à Grécia. É por isso que a Grécia tem o cutelo bem próximo do seu pescoço. O mais irónico é que não foi o desengravatado Syriza o responsável pelo fracasso. O Syriza é o herdeiro da desgraça e da revolta grega, o que é muito perturbador para quem não abdica de um modelo económico inquestionável que, mais tarde ou mais cedo, nos devolverá o progresso de outrora. A Grécia é apenas um dano colateral. Acontece. 

Visto de outro lado: a Grécia contra todos. Muitas provocações, pouco trabalho de casa, alguma inconsistência. Os dirigentes gregos falharam na batalha da opinião pública europeia. E não foi por falta de mediatismo, de holofotes, de curiosidade jornalística. Pelo contrário. O que faltou foi capacidade de demonstração do mérito das suas alternativas à política europeia. Como lembra Timothy Garton Ash, o doente grego fingiu seguir o tratamento prescrito pela Alemanha e pelo FMI, mas não o fez. Já não bastavam os oligarcas e as dívidas contraídas por governos clientelistas, o que se seguiu afundou ainda mais o país. A tragédia grega é brutal. Perdeu-se um quarto da riqueza produzida, a insustentabilidade da dívida é de uma evidência cruel, quase um em cada dois jovens está desempregado, a fuga de capitais é imparável, a taxa de suicídios aumentou 35% em quatro anos... Não admira que a revolta seja tão grande. A Grécia contra todos. Alguma simpatia não têm resultado em solidariedade. Regras são regras. Quando a Grécia procura alívio e dinheiro, propõem-lhe mais cortes para ter dinheiro e pagar. Quando se empresta dinheiro conta-se ser ressarcido nos prazos combinados. Só a vontade política pode dar sentido e flexibilidade à negociação implacável dos credores. A política hesita, pondera, espera, aguarda melhores dias, cede habitualmente ao peso da contabilidade e da finança. Política como finança por outros meios. Política sem memória, ignorante da História. Política pouco geopolítica. A China já domina o porto do Pireu, porta da Europa, a tal que os credores quiseram tanto vender. A Rússia espreita uma aliança tirando partido de proximidades culturais e religiosas… 


Jogo de teimosos, Europa e Grécia empenham-se pouco num compromisso. Gastam mais energias a fazer cenários de desintegração. Braço de ferro ou corda esticada, todas as metáforas mostram bem que para se esticar a corda ou se testar a força são precisos dois teimosos. Que é como quem diz, há duas partes a testar a resistência. Ninguém quer perder. Não há saída boa para a Grécia. Nem a saída da Grécia é boa para a União Europeia. Todos sabem isso. Salvar a Grécia, como diz Garton Ash, faz bem à Europa. Quererão os 27 salvar a Europa? Quererá a Grécia ser salva, salvar-se? É grande a tentação do abismo.

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57

    País

    Tondela foi um dos municípios mais atingidos pelo incêndio, deixando dezenas de animais feridos e perdidos no concelho. Várias clínicas veterinárias são agora um porto de abrigo e, em alguns casos, um ponto de encontro. Muitos dos animais chegaram recolhidos por voluntários e a maior parte dos casos são animais que, no momento de aflição, foram soltos pelos donos e salvos pelo instituto de sobrevivência.

  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31