sicnot

Perfil

António José Teixeira

Importam-se de esclarecer?

Bem, ou mal, os senhores que ouvimos na Assembleia da República a debater o estado da nossa Nação são os nossos representantes, aqueles que escolhemos, os que falam em nosso nome. Pouco importa denegri-los, mas importa estar atento ao que dizem e fazem. O país que nos devolveram esta semana revela uma profunda clivagem na sociedade portuguesa.

 É essa a clivagem central que vai a eleições no início do Outono. De um lado, os «pecados capitais» do PSD/CDS, do outro, as «pragas» socialistas. A divisão é simplista, binária. Mas o pêndulo de campanha oscila assim. Uns enchem a boca de «dever cumprido» entre a bancarrota e a vitória sobre o resgate. Outros centram todas as energias na demonstração do falhanço, na «bancarrota social». Vamos ouvir à exaustão que foi o PS que chamou a troika e o PSD e o CDS que resolveram o problema. Estamos agora melhor, vamos «desfazer as medidas de emergência», vem aí a «moderação fiscal» e a «guerra sem quartel às desigualdades».

Na resposta, vamos também cansar-nos de ouvir falar da «sangria fiscal», do desemprego como há 20 anos, da emigração como há 50 anos ou da pobreza como há 15 anos. Pragas e pecados, muitos, pouca substância, como é costume. Continua a longa marcha da campanha eleitoral. Todo e qualquer palco servem para comício, mesmo a Assembleia da República.

Receio que o País de que estamos a falar não esteja tão sólido nem tão frágil como o pintam. Digo que está suficientemente frágil para não haver razões para alguns levantarem tanto a voz. Ao contrário do que se diz, Portugal não se reformou nem houve sequer a intenção de o reformar. Tão só cortar e vender ao sabor da folha de excel a que nos obrigámos, a começar pelo PS. É verdade que era difícil fugir às agruras do resgate. Tão verdade como a convicção singular de irmos mais longe do que a obrigação.

Convinha que os partidos não nos cansassem demasiado com estes e outros chavões. Se nos explicassem bem o querem fazer com a segurança social, os impostos, a educação e a saúde, seria bom. Será que querem? Aguardamos

  • Michelle Obama partilhou momento de despedida da Casa Branca
    1:43
  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.