sicnot

Perfil

António José Teixeira

As sondagens não erram

Há muito que nos queixamos das sondagens. Há muito que se diz que erram. Por não acertarem nos resultados, passe a redundância. Ou não. As sondagens não erram. As sondagens são por natureza limitadas, contingentes, circunstanciais. Empregue o rigor dos métodos estatísticos, bem calibrada a representatividade da amostra, não há razão para pensar em conspirações das empresas de sondagens. O grande problema que teimamos em desvalorizar é que os sondados eleitores estão cada vez mais insondáveis. A culpa não é das sondagens. São os eleitores que não se confessam.

Há sondagens com 20% de indecisos, outras com 30%. Há taxas de resposta às sondagens que não chegam aos 60%. A abstenção efetiva nas últimas legislativas ultrapassou os 40%. Tudo ponderado percebe-se bem que os resultados e as projeções das sondagens estão longe de ler o que vai na cabeça dos eleitores, mesmo admitindo que os que falam, falam verdade. E não falam. As muitas dúvidas e indecisões tornam os resultados mais imprevisíveis. Quem sabe se não haverá uma maioria absoluta? Não a excluiria. Sei que os responsáveis pelas sondagens e aqueles que as publicam não gostam de as desvalorizar. Mas talvez seja prudente que as relativizemos cada vez mais. Para que não voltemos a falar de falhanço e a mostrar vergonha quando olhamos para trás. A culpa não é das sondagens.

Há muito que nos queixamos também das campanhas eleitorais. Exigimos que nos digam ao que vêm. Esperamos informação, clareza, debate de ideias, balanços e perspetivas, melhoria das condições de vida, justiça, segurança, menos impostos, esperança, futuro. Exigimos e esperamos. Esperamos e exigimos. O de sempre. As campanhas são feitas de propaganda, de momentos de exposição para as câmaras verem. Muita dificuldade em lidar com a verdade, mais esperteza do que inteligência, mais habilidade do que responsabilidade. Muitos silêncios e omissões. Muita desfaçatez. O habitual. Talvez agora mais gente a intoxicar as redes… Nem por isso nos podemos queixar de que não informação suficiente para fazermos escolhas. Mesmo as omissões e as contradições nos ajudam a decidir. Além do sound bite do dia, se quisermos, há informação bastante para formar opinião. Outros fatores, além do verbo, influenciam as nossas atitudes: empatia, confiança, ou falta delas, ceticismo, convicção, coração tantas vezes maior do que a razão. E memória, pressupostamente. Por tudo isto, a campanha em que vivemos não é nem mais nem menos esclarecedora do que tantas outras.

Hoje, há uma escolha fundamental: continuar pelo caminho percorrido nos últimos anos ou mudar de rumo. Satisfação com os resultados ou nova atitude? Parece simples. Não será. Dizia ontem o embaixador Francisco Seixas da Costa que «parte do eleitorado pode estar indeciso entre o diabo que conhece e o voto no desconhecido». Mudar não é fácil, sobretudo quando houve tanto sobressalto e tanta frustrada promessa. A continuarmos pelo mesmo caminho já saberemos com o que contamos…

Os próximos dias tenderão a bipolarizar mais as escolhas. Vale a pena indagar quem merece o nosso voto. Perceber quem defende o nosso interesse individual e coletivo. Pese embora o esforço de dissimulação, sabemos o suficiente sobre o que foi e será o futuro da escola, da justiça, da saúde, das contas públicas ou da segurança social. Só falta não ter medo de decidir.

  • UGT reivindica que salário mínimo ultrapasse os 600€
    0:26

    Economia

    O secretário-geral da UGT reivindica que até 2019 o salário mínimo nacional ultrapasse os 600 euros. Este sábado, num congresso distrital na Guarda, Carlos Silva considerou que o Governo tem condições para ir mais além e voltou a defender que para o próximo ano o patamar mínimo para a negociação deve ser os 585 euros.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Franceses em protesto contra reformas de Macron
    1:04
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.

  • Tony Carreira em Paris com sala cheia
    2:36

    Cultura

    O cantor Tony Carreira actuou ontem em Paris e teve sala cheia a aplaudir os temas que o tornaram conhecido há quase 30 anos. As recentes acusações de plágio não parecem afectar a popularidade do artista, que vai continuar em tournée. A Sic acompanhou o artista neste concerto.