sicnot

Perfil

António José Teixeira

Entre a maioria negativa e a maioria política

Muitos não terão alcançado a importância das declarações de Jerónimo de Sousa, ontem após uma reunião entre o PS e o PCP. O líder do PCP foi claro e, desta vez, não colocou condições para viabilizar um governo socialista. Não foi pura retórica, como acontece tantas vezes, foi uma escolha. "O PS só não será governo se não quiser. Rejeitaremos qualquer moção de rejeição vinda do PSD ou do CDS." Isto é novo na atitude dos comunistas.

E tem explicação. O PCP não gostou do crescimento e ultrapassagem pela esquerda do Bloco. Percebeu que, além dos méritos de Catarina Martins e Mariana Mortágua, o BE ganhou votos pela abertura (mesmo que aparente) a um compromisso com o PS. A verdade é que a ideia era do Livre/Tempo de Avançar, mas foi o Bloco que a soube e pôde cavalgar. Acresce que o Presidente da República e o PSD/CDS estão empenhados em seduzir o PS para tornar possível a continuidade da coligação no poder. Cavaco Silva tem um único objectivo: impedir que a maioria aritmética de esquerda tenha qualquer viabilidade política, seja qual for a configuração que assuma.


A posição do PCP valoriza o papel do PS no espectro político. E teve já o condão de deixar a pensar o BE, que adiou o encontro com o PS para depois da reunião entre PS, PSD e CDS. É verdade que António Costa disse que não se reconhecia em maiorias negativas. Mas o que o PCP e porventura o BE lhe dizem é que poderão ser uma maioria política. Pode continuar a ser pouco crível ou pouco credível. Mas as tais "convergências possíveis", de que falava Costa, podem permitir um governo minoritário do PS de geometria política variável. É isto é relevante quando se olha para o futuro próximo. A ideia de que há uma espécie de direito divino a governar sem que exista sustentação parlamentar suficiente é delirante...


Há duas questões que importa esclarecer. A primeira é que não deve rejeitar-se à partida uma solução governativa encabeçada pelo PS. Não é porque tenham coerência os programas do PS, BE e PCP. Não têm. Não é porque se vislumbre um acordo parlamentar entre os 3 partidos. Mas por uma questão de realismo. Podemos ser confrontados com uma realidade que não deixa alternativa: um governo do PS pode ser o único que vingue na Assembleia da República, mesmo que seja de duração muito duvidosa. A verosimilhança deste cenário é o bastante para fazer pensar a coligação à direita. Ou se aproxima das posições do PSD ou pode ver gorar-se a possibilidade de continuar a ser governo. Costa não quer ir para o governo de Passos e Portas. Mas, para o viabilizar, quererá tornar visível que há uma viragem bastante na governação.

Em qualquer caso, dificilmente o Presidente recuará na intenção de dar posse a um governo da coligação. Se Passos/Portas forem rejeitados, só Costa pode ser chamado a idêntico exercício. E aí até pode haver governo. Porém, é pouco provável. O que é certo é que o PS, o grande derrotado nestas eleições, se pode tornar o centro de gravidade da política portuguesa. Ser partido charneira tem muitos riscos. Um deles deixou marcas nestas eleições: a ambivalência. Em que campo se quer colocar o PS? No programa liberal de Mário Centeno ou no discurso à esquerda de António Costa? Mas a charneira tem também oportunidades. É um terreno político central, se houver poder de iniciativa e capacidade de liderar a mudança.


Cavaco Silva convenceu-se de que tem poderes para colocar baias ao futuro governo. Ele que não é responsável politicamente pelo governo. Ele que tem poderes diminuídos e que precisará do PS para que os seus últimos meses no poder não sejam um sobressalto para si e para o país. Tenho dúvidas sobre se o PS se pode dar ao luxo de esticar muito a corda com a coligação. Tenho dúvidas sobre se a cumplicidade à esquerda não lhe trará mais prejuízos do que benefícios. A única certeza é que, de facto, apesar da derrota de domingo, o PS se tornou o centro de gravidade da política portuguesa.

  • "Estamos vivos"
    11:41

    Reportagem Especial

    Os incêndios de 15 de outubro provocaram sete milhões de euros de prejuízos em empresas da região Norte. Castelo de Paiva foi o concelho mais atingido, o fogo destruiu várias casas e empresas que davam trabalho a cerca de 200 pessoas. Um mês depois do incêndio, a Reportagem Especial da SIC foi ver o que está a ser feito para ajudar a população.

  • Administrador recebia 420 mil € por ano quando aldeamento passava dificuldades
    4:39

    Operação Marquês

    A Caixa Geral de Depósitos tentou cortar para metade o salário do presidente do Conselho de Administração de Vale do Lobo, mas não conseguiu. Diogo Gaspar Ferreira ganhava 420 mil euros por ano, quando o empreendimento estava enterrado em dívidas. A Autoridade Tributária estima também que o arguido da Operação Marquês não tenha declarado 400 mil euros pagos pelo aldeamento.

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Notas e moedas têm os dias contados?
    6:27
  • Político oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.

  • Paris inaugura primeiro restaurante naturista

    Mundo

    Para entrar, é preciso retirar a roupa e apenas as mulheres podem permanecer calçadas. O primeiro restaurante naturista de Paris abriu em novembro para responder a uma necessidade em França, principal destino do mundo para os praticantes de nudismo.

  • Peru faz aparição especial na Casa Branca
    1:10

    Mundo

    Os norte-americanos estão a preparar-se para o tradicional Dia de Ação de Graças, assinalado na próxima quinta-feira. O tradicional peru fez esta terça-feira uma aparição especial na sala de conferências de imprensa, na Casa Branca, em Washington. O peru é o prato tradicional no Dia de Ação de Graças, uma data de louvor a Deus, que remonta ao século XVII e que é celebrada na quarta quinta-feira de novembro, sobretudo nos Estados Unidos da América e no Canadá.

  • Sara Sampaio brilha em Xangai
    1:50