sicnot

Perfil

Joaquim Franco

O tempo de Bergoglio

No segundo aniversário do Pontificado de Francisco, salientam-se algumas evidências sobre o papel e a responsabilidade de um Papa. Embora sem grandes novidades - o papa Bergoglio mantém a agenda nas intervenções que faz, de forma recorrente fixa o papel das periferias e a prioridade da pessoa, antes da sua condição de ser... é um pastor na «sua» paróquia que tem agora o tamanho do mundo - a longa entrevista dada à televisão mexicana Televisa deve ficar registada para memória futura. 

O "bispo de Roma", como se apresentou há dois anos, que veio "quase do fim do mundo", confessa que teve dificuldade em vestir a pele de um Papa, mas já se afeiçoou - "não me desgosta ser Papa" -, usa o telefone e as facilidades informais da residência na Casa de Santa Marta para atenuar o isolamento.

Bergoglio acredita que vai ser Papa por pouco tempo. Já o tinha insinuado e fez questão de o reafirmar agora de uma forma - na forma, que pressupõe nele um conteúdo de experiência e de vida, está "segredo" da comunicação em Bergoglio - que surpreendeu mais uma vez o mundo mediático. 

É uma "sensação", diz: "(...) vai ser breve [pontificado], quatro ou cinco anos, não sei, ou dois ou três, dois já passaram, é uma sensação um pouco vaga que tenho, a de que o Senhor me escolheu para uma missão breve". Muitas vezes tem enaltecido a decisão de Bento XVI, que resignou. O predecessor abriu "uma porta institucional" com "muito mérito para os papas eméritos", acrescenta, e Francisco mantém essa "possibilidade em aberto". Não é a primeira vez que Francisco aborda a hipótese. Lembrando que ser Papa "é uma graça especial", o argentino fala numa "missão", que entende ser "breve". Talvez seja importante ler as entrelinhas... 

O tempo de Bergoglio não se mede pelo relógio - kronos -, mas pela oportunidade - kayros. "Se sentir que tenho de fazer alguma coisa, faço e corro o risco". Até por isso, confessa que não lhe agrada a ideia de fixar um limite de idade para o exercício do papado, como acontece com os cardeais que aos 80 anos deixam de ter acesso ao Conclave eleitoral, ou com os bispos que aos 75 são convidados a renunciar. Não seria de resto coerente para alguém que tem insistido na dignidade da geração da memória e acusado a sociedade ocidental de descartar os velhos.

Uma das maneiras de começar a contagem do tempo de Bergoglio é pela reflexão feita nas reuniões dos cardeais - Congregações Gerais - antes da sua eleição. A necessidade de transparência e unidade na Igreja - entre os "extremistas ultratradicionalistas" e os "ultraprogressistas" - é referida na ata dos trabalhos.

O programa de Francisco, já aqui analisado, é uma consequência. Tem o estilo, a forma e a alma do arcebispo de Buenos Aires, para ganhar criatividade e estar aberto à imprevisibilidade, mas é um difícil programa definido pelas circunstâncias de uma Igreja e de um mundo em crise, que exige um processo de liderança firme e corajoso, uma abertura inédita - um novo aggiornamento - que não fragilize os alicerces da fé cristã e leve o evangelho ao mundo, sem o escândalo do proselitismo, mas pela essência da vida. 

Não havendo surpresas pela inevitabilidade da nossa finitude, será possível converter o tempo da oportunidade de Bergoglio em tempo cronológico? A arrumação das finanças promovendo a transparência, o combate aos jogos palacianos de poder, a tolerância zero nos casos de pedofilia, a abertura ao mundo das periferias - sejam existenciais ou sociais, nos bairros pobres ou nas clausuras urbanas da modernidade -, a um construtivo pragmatismo diplomático - com o drama dos cristãos no Médio Oriente -, ao diálogo entre religiões, assim como o sínodo sobre a família - Francisco tem insistido na misericórdia, no que pode interpretar-se como um sinal para o drama dos «divorciados recasados» e no acolhimento a outras experiências de família - e a posterior exortação, a iniciativa de um simbólico ano jubilar da Misericórdia - de dezembro de 2015 a dezembro de 2016 -, o desejo já manifestado de visitar em 2017 os santuários marianos de Aparecida, no Brasil, e Fátima, em Portugal, ou a necessidade de assegurar, com nomeações cardinalícias, um colégio eleitoral que na escolha do sucessor prossiga a dinâmica de desclericalização, descentralização e diversidade, podem dar algumas pistas. 

Se o quando depende mais do quanto e do devo e menos do quero ou do posso, o papa Bergoglio está a admitir, em março de 2015, que tem uma perspetiva otimista quanto ao trabalho feito e por fazer. Mas a missão é maior que o missionário e há um tempo para tudo. Francisco preza o jesuítico princípio do discernimento, de uma espiritualidade metódica e consequente. Como disse o superior-geral dos jesuítas, padre Adolfo Nicolas, a poucos dias do segundo aniversário do pontificado, "ele [Papa Francisco] tem sido um bom jesuíta"*.


* Reportagem Especial SIC, 11 março 2015


Sugestões de Leitura: O meu Deus é um Deus ferido (Paulinas) de Tomás Halík; Os Ricos (Temas e Debates) de John Kampfner; Via-Sacra para crentes e não-crentes (Paulus), de José Luís Nunes Martins, Paulo Pereira da Silva e Francisco Gomes.


  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.