sicnot

Perfil

Ricardo Costa

"Bastava ter pedido desculpas ontem de manhã"

"Bastava ter pedido desculpas ontem de manhã"

Ricardo Costa

Ricardo Costa

Diretor de Informação

O pedido de demissão do ministro da Cultura era inevitável, considera Ricardo Costa, a menos que João Soares tivesse pedido de desculpa logo ontem de manhã, após a publicação do polémico post no Facebook. Contudo, diz o diretor de informação da SIC, Soares mostrou que "não tinha noção do disparate que tinha cometido". Quanto ao próximo ministro da Cultura, Ricardo Costa espera "que não seja alguém que escreva no Facebook às 7 da manhã".

  • João Soares pede demissão do cargo de ministro da Cultura

    País

    O ministro da Cultura apresentou hoje ao primeiro-ministro a demissão, invocando razões de solidariedade com o Governo. João Soares abandona o executivo na sequência do já chamado "caso das bofetadas", mas diz: "não aceito prescindir do direito à expressão da opinião e palavra".

  • As polémicas de João Soares
    2:29

    País

    O ministro da Cultura usou, esta manhã, as redes sociais para prometer bofetadas a dois conhecidos cronistas do jornal Público. As declarações de João Soares provocaram várias reações entre os partidos políticos. Esta não é a primeira vez que o agora governante se vê envolvido em vários episódios relacionados com a sua opinião. O apoio à UNITA contra o governo de Angola, as críticas a António Costa e mais recentemente o pré-anúncio da demissão do presidente do Centro Cultural de Belém são alguns dos casos.

  • António Costa pede desculpa aos cronistas do Público
    1:17

    País

    O primeiro-ministro reagiu, esta noite, à polémica que envolve o ministro da Cultura. João Soares usou uma rede social para prometer bofetadas a dois conhecidos cronistas do Público, que o criticaram em artigos de opinião. Questionado pelos jornalistas se mantém a confiança no ministro, António Costa não quis responder, limitou-se a pedir desculpa aos dois cronistas e disse ainda que já recordou os membros do Governo que devem ser contidos na maneira como expressam as emoções em público.

  • "Ministro de quê?", agências internacionais noticiam polémica de João Soares

    País

    As agência Reuters, France Presse e Associated Press (AP) dão hoje conta da polémica reação do ministro da Cultura aos artigos de opinião publicados no jornal Público. A Reuters refere que os críticos de João Soares exigem agora a demissão do governante e, perante inusitada reação de um responsável pela pasta Cultura, coloca a seguinte questão: "Ministro de quê?. A AP manifesta estranheza por João Soares continuar ainda no Governo.

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.