sicnot

Perfil

Rodrigo Guedes de Carvalho

Visto de cima: Uma campanha é uma carta de amor

Ou seja, ridícula. Não tanto porque seja risível objecto, potencial de zombaria. Mas porque insignificante, de valor irrisório para o que se propõe ser.

Adormecidos há décadas pela letargia do hábito, já sabemos o que lá vem, assim que entra a quinzena que antecede a noite decisiva. Bandeiras ao vento, distribuição de panfletos que ninguém lê, contagem de cabeças na arruada (a minha é maior que a tua), contagem de cabeças no comício da noite, onde o líder, de mangas arregaçadas (porque é um de nós e anda na estrada) responde ao líder dos outros, que por sua vez tinha respondido a este.

Ainda há justiça à língua: assumem o cognome caravana, e que bem lhes fica. De terra em terra, saltimbancos da promessa, avisadores de perigos que os outros escondem na manga, nós é que é, os outros são mentirosos, sempre a olhar para o relógio, enjoados, coitados, de tanta carne assada, de tanto petisco da região que o potencial eleitor oferece (há que comer, há que comer, não vá o eleitor sentir-se ofendido), mais um copito de vinho, e outro, a perguntar ao assessor para onde vamos agora.

Afogueados, suados e cansados, querem os jornalistas mas não querem os jornalistas. Querem que filmemos esta impressiva multidão que os rodeia, mas não querem que desatemos a contar quantas camionetas encomendaram para ir buscar as almas e enfiar-lhes a bandeirinha na mão. Querem jornalistas mas não querem mesmo. Querem o nosso microfone para mandar mais um recado, responder ao outro e ao aqueloutro que tinha insinuado não sei o quê. Mas não querem a nossa pergunta, aquela que pede que explique lá melhor aquela conta que fez ontem que parece que não bate certo, aí o líder avança, não tem tempo para nós, o assessor faz-nos sinal de desagrado, que parvoíce esta de andar a pedir esclarecimentos sobre coisas que ficaram no ar, contas que pairam, suspensas pela levíssima, imperceptível brisa de uma promessa, mas não, promessas não fazemos, quando muito objectivos, compromissos, olhe, muita, muita vontade de trabalhar já não é nada mau.

E é isto. E não é de hoje. E assim será. A campanha, tão irmã da carta de amor. Onde fingimos sempre um bocadinho, mesmo que nos achemos um nadinha ridículos. Mas pode ser que pegue, e ela aceite votar em mim no domingo. Perdão, sair comigo no domingo.

Sobre Rodrigo Guedes de Carvalho

Rodrigo é uma das caras mais conhecidas da televisão portuguesa. Semana sim, semana não "entra" pela casa dos portugueses com o Jornal da Noite da SIC despedindo-se no final de cada emissão com a célebre frase " Todos os dias, às 20h, o país e o mundo".

Para além de apresentador ocupa o cargo de subdirector de Informação e tem uma crónica semanal na TV Mais.

Licenciado em Comunicação Social, pela Universidade Nova de Lisboa estreou-se como repórter na RTP, onde também apresentou o Domingo Desportivo e o 24 Horas. Em 1992, deu o salto para a SIC

Em 1997 recebeu o Prémio Especial do Júri do Festival FIGRA, em França, pela reportagem A Condição Humana, sobre urgências hospitalares.

Em 1993 estreou-se na escrita, com o romance Daqui a Nada, vencedor do Prémio Jovens Talentos da ONU, reeditado em 2005. Também em 2005 lançou o best-seller A Casa Quieta e assinou o argumento da longa-metragem Coisa Ruim, correalizada pelo seu irmão Tiago Guedes. Em 2006 foi coautor do filme Alta Fidelidade, exibido na SIC.

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • Equipa especial de três magistradas investiga crimes ligados ao futebol
    0:46

    Desporto

    A procuradora-Geral da República criou uma equipa com três magistradas para investigar os inquéritos relativos a crimes ligados ao futebol, que começou a trabalhar no início deste mês, no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP). Na edição do Tempo Extra desta quinta-feira, Rui Santos disse que a equipa promete reultados a curto prazo.

  • Hoje é notícia

    País

    Esta 5ª feira fica marcada pelo debate no Parlamento sobre a paridade, com duas propostas de lei do Governo para aumentar quotas de representação dos sexos de 33,3 para 40% no poder político e nos cargos dirigentes da administração pública. Termina ainda hoje prazo para lesados do BES aderirem a fundo de compensação de perdas. Ao nível internacional, destaque para a proclamação do novo Presidente de Cuba.

  • Mulher de português raptado em Moçambique faz apelo ao Governo
    0:24

    País

    Salomé Sebastião, a mulher do empresário português raptado em julho de 2016, em Moçambique, foi esta quarta-feira ouvida na Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, no âmbito da petição entregue na Assembleia da República. A petição, subscrita por mais de quatro mil pessoas, pede aos deputados portugueses que pressionem as autoridades moçambicanas a investigar o paradeiro do português Américo Sebastião.

  • Sismo de magnitude 5,5 no sul do Irão

    Mundo

    Um sismo de magnitude 5,5 atingiu esta quinta-feira o sul do Irão, perto de uma unidade nuclear, abalando o Bahrein e outras áreas ao redor do Golfo Pérsico, segundo o Serviço Geológico dos EUA.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.