Última Edição

0
0:08

Última Edição

1
1:48

Nome de Vasco Pereira Coutinho nos documentos da Mossack Fonseca

2
0:45

Federação Portuguesa do Táxi satisfeita por governo ter criado grupo de trabalho para discutir soluções

3
0:40

Ministro do Ambiente diz que protesto dos taxistas não é justo

4
3:18

Protesto dos taxistas no Porto marcado por agressões a motoristas da Uber

5
3:04

As diferenças entre o táxi e o Uber

6
1:55

O que é necessário para exercer a atividade de taxista e de motorista da Uber

7
0:30

Marcelo diz que decisão de DBRS significa que não há razão para alarmismos

8
0:40

Passos considera inaceitável como a maioria insulta a direita

9
1:36

ONU considera situação de Aleppo catastrófica

10
1:38

Obama surpreende estudantes de jornalismo durante visita à Casa Branca

11
2:13

Rui Vitória diz que Benfica foi o justo vencedor

12
0:59

Zidane diz-se preocupado com lesões de Benzema e Ronaldo

13
1:20

Ban Ki Moon recebeu Tocha Olímpica na sede da ONU

14
1:46

"Aqui há gato" abre as portas em Lisboa

15
2:20

Exposição dedicada a Pinóquio em maio no Museu da Walt Disney

19:27 15.05.2013

Antigo segurança José Esteves diz que Amaro da Costa era o alvo no caso Camarate

Mais de 30 anos depois o caso Camarate, que investiga a morte de Francisco Sá Carneiro e Adelino Amaro da Costa, comtinua em aberto.

O antigo segurança José Esteves afirma, num depoimento enviado à X Comissão de inquérito sobre a tragédia de Camarate, ter sido previamente informado que o alvo do atentado seria o então ministro da Defesa Adelino Amaro da Costa.

"No final de novembro, talvez a 29 ou a 30, FFS (Fernando Farinha Simões) refere-me que o alvo desta operação é o engenheiro Amaro da Costa", escreveu José Esteves, no depoimento que enviou aos deputados da X comissão de inquérito e que hoje divulgou à comunicação social.  

José Esteves, que vai ser ouvido na comissão quinta-feira à porta fechada, afirma que "cerca do dia 1 de dezembro de 1980", acompanha Fernando Farinha Simões a uma reunião em que participam também Carlos Miranda e Sinan Lee Rodrigues.  

"Farinha Simões refere que a operação será para realizar dentro de poucos dias e que o alvo é Adelino Amaro da Costa. Afirmo então que o engenho que me pediram para preparar já está pronto", escreveu. 

Em setembro, Farinha Simões ter-lhe-á dito que "a operação era necessária pois havia pessoas na AD (Aliança Democrática) que estavam a criar problemas no transporte de armas". 

Numa entrevista à revista Focus, em 2006, José Esteves reclamara a autoria da bomba que disse ter provocado a queda do avião mas, quanto ao alvo, afirmou apenas que o plano era pregar "um susto" ao general Soares Carneiro, candidato presidencial pela Aliança Democrática, que encerrava a campanha nessa noite.

No depoimento, o antigo segurança do CDS revela ainda que se deslocou à sede do partido, em Lisboa, no dia "1 ou 2 de dezembro", e que disse ao então presidente democrata-cristão Francisco Lucas Pires que haveria "um  atentado nos próximos dias contra Adelino Amaro da Costa num dos transportes de avião que irá realizar".  

"Fico contudo com a impressão de que Lucas Pires não me presta atenção", disse.  

José Esteves afirmou que entregou um saco que continha o engenho que fabricou e um "explosivo à parte" que alegadamente lhe tinha sido "enviado por Canto e Castro". 

Na entrevista à revista Focus, ao jornalista Frederico Duarte Carvalho, José Esteves tinha dito no entanto que tinha entregue o engenho incendiário "na Rua Augusta, numa loja".  

José Esteves refere ainda a convicção de que não foi o engenho que fabricou que provocou a queda do avião: "Se o meu engenho tivesse deflagrado, os ocupantes do avião não teriam morrido, pois o incêndio teria sido pequeno e teria dado tempo às pessoas para saírem do avião". 

No seu depoimento, José Esteves afirma que foi o norte-americano que aponta como agente da CIA, Frank Sturgis, que acionou "o controlo remoto" que terá provocado o rebentamento do engenho explosivo e a queda do avião.

O mesmo Frank Sturgis que, refere, ter-lhe-á pago 200 mil dólares para fabricar a bomba.  

A explosão da aeronave Cessna, num bairro da freguesia de Camarate, a 4 de Dezembro de 1980, provocou a morte do então primeiro-ministro Francisco Sá Carneiro, de Snu Abecassis, do ministro da Defesa Adelino Amaro da Costa,  do chefe de gabinete do primeiro-ministro António Patrício Gouveia, assim como dos dois pilotos do aparelho. 

O caso nunca chegou a ser julgado, perdurando ainda duas teses na opinião  pública: Para uns foi um acidente, para outros um atentado.  

 Lusa

Comentários

ATENÇÃO:ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.
Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

Comentários

Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

País

Publicidade

Agora

Inquérito

Facebook

Mais Populares

CT: NEWS
11:26
Adjunto dos Warriors Luke Walton vai treinar os Lakers
11:26
Sismo de magnitude 6 no arquipélago de Vanuatu, no Pacífico
11:25
Moody's baixa notação de Angola e coloca em perspetiva negativa
11:25
Sete mortos na sequência de colapso de prédio residencial em Nairobi
11:24
Ministros do G7 acordam impulsionar uma internet livre e de maior alcance
11:24
Ricardo Ribeiro estreia-se hoje em nome próprio no Coliseu dos Recreios
11:24
Museu do Oriente celebra oito anos com balanço de 600 mil visitantes
11:22
Sporting joga 'clássico' no Dragão com a obrigação de vencer
11:22
Finalistas do Estoril Open conhecidos hoje
11:21
Roaming das chamadas baixa hoje para 1,14 cêntimos por minuto
X

Sabia que o seu Internet Explorer está desatualizado?

Para usufruir da melhor experiência de navegação na nossa página web recomendamos que atualize para uma nova versão. Por favor faça a atualização aqui .