sicnot

Perfil

País

Homicida de ex-companheira em Sintra condenado a 20 anos de prisão

O Tribunal de Lisboa Oeste, em Sintra, condenou hoje um homem acusado do homicídio da ex-companheira à facada, em Monte Abraão, a uma pena de 20 anos de prisão efetiva e a indemnizar o filho da vítima.

SIC

Segundo o acórdão, o arguido, de 45 anos, foi condenado por ter assassinado a ex-companheira com uma facada e por afogamento na banheira da sua residência.

A juíza Margarida Pereira de Almeida considerou que o arguido "demonstrou desprezo" pela vida de Carla Santos, de 41 anos, quando a atingiu com uma facada na zona abdominal e posteriormente a deixou morrer afogada na banheira, onde a depositou.

O arguido, Moisés Fonseca, tradutor de profissão, foi condenado a 20 anos de prisão pelo crime de homicídio qualificado, pela morte da ex-companheira, encontrada morta, a 03 de março de 2014.

Segundo a magistrada, o arguido revelou "frieza, calculismo" e um sentimento de "uma grande violência" para com a vítima, quando sabia que os ferimentos que lhe provocou atingia órgãos vitais.

A "falta de arrependimento" e uma postura "imatura, egocêntrica e manipuladora", apesar da ausência de antecedentes criminais, justificou que, numa moldura penal entre 16 e 25 anos, o arguido tenha sido condenado a 20 anos de prisão, explicou a juíza.

Na primeira sessão de julgamento, em dezembro passado, o arguido contou que foi falar com a ex-companheira para reatar a relação, mas que durante uma discussão lhe espetou uma faca no abdómen, que antes tinha sido empunhada pela mulher para o mandar sair de casa.

O corpo da vítima foi descoberto na manhã seguinte pela empregada doméstica, dentro da banheira com água.

O tribunal deu como provado que o arguido partiu um vidro da residência para tentar dissimular o homicídio e que se desfez das roupas e objetos que poderiam levar à sua incriminação, alegando às autoridades que no momento do crime estava com o filho de ambos.

O arguido foi ainda condenado ao pagamento de uma indemnização total de 120.000 euros ao filho, atualmente com 6 anos.

O arguido é ainda suspeito da morte e ocultação do corpo do irmão da vítima, que desapareceu três meses antes, caso que está em investigação num processo autónomo.

A advogada que representa o menor, Maria Paula Andrade, admitiu que esperava uma pena maior, mas reservou uma decisão sobre um eventual recurso para depois de analisar o acórdão.

"Naturalmente prefiro uma pena de 20 [anos], mas que é segura e inatacável", notou a advogada, que esclareceu que o arguido é ainda alvo de outros processos pelo desaparecimento do irmão da vítima e posse de ficheiros pornográficos no seu computador.

Para a mãe da vítima, Amélia Santos, 65 anos, "foi uma pena injusta, porque esperava 23 a 25 anos", por ter sido "um crime bárbaro".

"O meu sofrimento vai continuar cada vez mais e, sinceramente, estou muito dececionada, mais uma vez, com a justiça portuguesa", afirmou a mãe de Carla Santos.


Lusa
  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52