sicnot

Perfil

País

Eixo Atlântico pede construção de 15 quilómetros de estrada de Bragança a Espanha

 O secretário-geral do Eixo Atlântico apelou hoje à construção dos 15 quilómetros de estrada do lado português entre Bragança e Puebla de Sanábria, sublinhando que o investimento é inferior ao que poderão custar três quilómetros de TGV.

Depois de uma reunião com os presidentes das câmaras de Braga, Bragança, Porto e Viana do Castelo, o secretário-geral da eurorregião, Xoan Vázquez Mao, lembrou que se trata de "uma estrada de 30 quilómetros, dos quais 15 são construídos por Espanha".

"Simplesmente, o Governo tem de investir no custo de uma estrada de 15 quilómetros. Só o ter de pronunciar isto é quase miserável. Uma estrada de 15 quilómetros para que o nordeste transmontano tenha acesso ao TGV. O custo que pode ter é menor do que podem custar três quilómetros de TGV", afirmou aos jornalistas.

Em outubro, a comissão executiva do Eixo Atlântico decidiu diligenciar junto dos governos português e espanhol para que avancem com a construção da estrada de Bragança a Puebla de Sanábria, travada há anos pelos impactos no Parque Natural de Montesinho.

O presidente da Câmara Municipal de Bragança, Hernâni Dias, realçou hoje que o valor da obra está estimado entre 25 e 30 milhões de euros e que pretende "captar os fluxos turísticos da zona espanhola".

"Entendemos que estando Bragança no centro daquilo que é a Europa e tendo em conta esta eurorregião, logicamente que esta ligação faz todo o sentido e nós reivindicá-la-emos até ao limite", disse o autarca.

A ligação com cerca de 30 quilómetros já esteve prevista no Plano Rodoviário Nacional, mas foi excluída depois de vários "chumbos" devido aos impactos ambientais na área protegida do Parque Natural de Montesinho.

Os dirigentes da associação ibérica Eixo Atlântico, que junta 38 cidades do Norte de Portugal e da Galiza, em Espanha, defenderam que esta ligação da fronteira ganhou uma nova importância numa altura em que se perspetiva a construção de uma estação do TGV espanhol, em Puebla de Sanábria, a 30 quilómetros de Bragança.


Lusa
  • Governo quer reduzir gastos com papel na função pública
    1:08

    Economia

    O Governo proibiu a livre utilização das impressoras pelos funcionários públicos. O ministro das Finanças quer assim reduzir em 20% a despesa em consumo de papel e, ao mesmo tempo, minimizar a perigosidades dos resíduos produzidos com as impressoras, no Estado.