sicnot

Perfil

País

Governo português saúda conclusão de acordo de paz no Mali

O Governo português saudou hoje a conclusão do acordo de paz e reconciliação no Mali, a 01 de março, instando todas as partes do processo a aplicá-lo num contexto de paz e desenvolvimento.

© Stringer . / Reuters

Em comunicado hoje enviado à Lusa pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros, o executivo português apelou "a todas as partes envolvidas no processo para que se comprometam com a sua assinatura e implementação, construindo em conjunto um quadro de paz e desenvolvimento, com repercussões positivas para toda a região do Sahel".

No domingo, 01 de março, o Governo do Mali assinou com grupos armados do norte do país um "acordo de paz e de reconciliação", em Argel, para pôr fim à violência.

No entanto, o acordo não foi ainda assinado pela coordenação dos movimentos de Azawad, que inclui vários grupos rebeldes, como o Movimento Nacional de Libertação de Azawad (MNLA), que pediu um "prazo razoável" para consultar a população que representa.

Este acordo destina-se a concluir as negociações iniciadas em julho de 2014 em Argel, o primeiro a reunir todas as partes no conflito no norte do Mali, onde foi lançada uma intervenção internacional em 2013 iniciada por França.

O Governo português aproveitou também "a oportunidade para reiterar o seu empenho em continuar a contribuir ativamente para os esforços da comunidade internacional visando a paz e a estabilidade no Mali, designadamente através da participação de militares nacionais nas missões no terreno das Nações Unidas e da União Europeia", lê-se no documento.

"Pela sua liderança na mediação deste processo negocial", o executivo português felicitou ainda o Governo argelino, que tinha recentemente apresentado às partes em conflito um novo projeto de acordo, que apelava para a "reconstrução do país assente em bases inovadoras, no respeito da integridade territorial, tendo em conta a diversidade étnica e cultural".

As diferentes partes em conflito assinaram a 19 deste mês, sob os auspícios da Argélia e da ONU, uma declaração que previa o fim imediato "de todas as formas de violência".

Os grupos signatários foram o Movimento Nacional de Libertação de Azawad (MNLA), o Alto Conselho para a Unidade de Azawad (HCUA, sigla em francês), o Movimento Árabe do Azawad (MAA), o Movimento Árabe do Azawad-dissidente (MAA-dissidente), a Coordenação para o Povo de Azawad (CPA) e a Coordenação dos Movimentos e Frentes Patrióticas de Resistência (CM-FPR).

O Governo maliano e estes seis grupos iniciaram em meados deste mês, em Argel, a quinta ronda de negociações.

As duas partes realizaram, desde julho do ano passado, em Argel, quatro séries de negociações, as primeiras a reunir todas as partes em conflito.

Em 18 de junho de 2013, os mesmos interlocutores concluíram um acordo intermédio em Ouagadougou, no Burkina Faso.

Os grupos ligados à rede terrorista Al-Qaida e inicialmente aliados do MNLA foram excluídos das negociações. Durante mais de nove meses, estes grupos ocuparam o norte do Mali, tendo sido parcialmente repelidos da zona na sequência de uma intervenção internacional lançada em 2013 por França.

Em agosto do ano passado, começou a operação "Barkhan" contra o terrorismo na zona do Sahel.

Desde o verão passado, registou-se um recrudescimento dos ataques, nomeadamente 'jihadistas', contra as forças do Mali ou estrangeiras, mas também contra alvos civis.

A situação política no Mali é de instabilidade desde que em 2012 o país foi palco de um golpe de Estado.


Lusa
  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • Cinco unidades fabris em Tondela destruídas pelas chamas
    3:06

    País

    As contas finais dos prejuízos na zona industrial de Tondela ainda não são definitivas, mas há cinco unidades fabris que foram atingidas pelas chamas. O aterro sanitário do Planalto Beirão foi também atingido pelo fogo que atravessou Tondela, onde ardeu o equivalente a 20 anos de resíduos orgânicos.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.