sicnot

Perfil

País

Governo português saúda conclusão de acordo de paz no Mali

O Governo português saudou hoje a conclusão do acordo de paz e reconciliação no Mali, a 01 de março, instando todas as partes do processo a aplicá-lo num contexto de paz e desenvolvimento.

© Stringer . / Reuters

Em comunicado hoje enviado à Lusa pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros, o executivo português apelou "a todas as partes envolvidas no processo para que se comprometam com a sua assinatura e implementação, construindo em conjunto um quadro de paz e desenvolvimento, com repercussões positivas para toda a região do Sahel".

No domingo, 01 de março, o Governo do Mali assinou com grupos armados do norte do país um "acordo de paz e de reconciliação", em Argel, para pôr fim à violência.

No entanto, o acordo não foi ainda assinado pela coordenação dos movimentos de Azawad, que inclui vários grupos rebeldes, como o Movimento Nacional de Libertação de Azawad (MNLA), que pediu um "prazo razoável" para consultar a população que representa.

Este acordo destina-se a concluir as negociações iniciadas em julho de 2014 em Argel, o primeiro a reunir todas as partes no conflito no norte do Mali, onde foi lançada uma intervenção internacional em 2013 iniciada por França.

O Governo português aproveitou também "a oportunidade para reiterar o seu empenho em continuar a contribuir ativamente para os esforços da comunidade internacional visando a paz e a estabilidade no Mali, designadamente através da participação de militares nacionais nas missões no terreno das Nações Unidas e da União Europeia", lê-se no documento.

"Pela sua liderança na mediação deste processo negocial", o executivo português felicitou ainda o Governo argelino, que tinha recentemente apresentado às partes em conflito um novo projeto de acordo, que apelava para a "reconstrução do país assente em bases inovadoras, no respeito da integridade territorial, tendo em conta a diversidade étnica e cultural".

As diferentes partes em conflito assinaram a 19 deste mês, sob os auspícios da Argélia e da ONU, uma declaração que previa o fim imediato "de todas as formas de violência".

Os grupos signatários foram o Movimento Nacional de Libertação de Azawad (MNLA), o Alto Conselho para a Unidade de Azawad (HCUA, sigla em francês), o Movimento Árabe do Azawad (MAA), o Movimento Árabe do Azawad-dissidente (MAA-dissidente), a Coordenação para o Povo de Azawad (CPA) e a Coordenação dos Movimentos e Frentes Patrióticas de Resistência (CM-FPR).

O Governo maliano e estes seis grupos iniciaram em meados deste mês, em Argel, a quinta ronda de negociações.

As duas partes realizaram, desde julho do ano passado, em Argel, quatro séries de negociações, as primeiras a reunir todas as partes em conflito.

Em 18 de junho de 2013, os mesmos interlocutores concluíram um acordo intermédio em Ouagadougou, no Burkina Faso.

Os grupos ligados à rede terrorista Al-Qaida e inicialmente aliados do MNLA foram excluídos das negociações. Durante mais de nove meses, estes grupos ocuparam o norte do Mali, tendo sido parcialmente repelidos da zona na sequência de uma intervenção internacional lançada em 2013 por França.

Em agosto do ano passado, começou a operação "Barkhan" contra o terrorismo na zona do Sahel.

Desde o verão passado, registou-se um recrudescimento dos ataques, nomeadamente 'jihadistas', contra as forças do Mali ou estrangeiras, mas também contra alvos civis.

A situação política no Mali é de instabilidade desde que em 2012 o país foi palco de um golpe de Estado.


Lusa
  • Banco de Portugal melhora previsões de crescimento económico

    Economia

    O PIB vai crescer 1,8% em 2017 e regressar ao nível de 2008, de acordo com a previsão revista em alta do Banco de Portugal (BdP). No próximo ano, o desemprego deverá cair gradualmente e ficará abaixo dos 8% em 2019. Quanto às exportações, prevê que cresçam 6% em 2017.

    Em atualização

  • PIB pode crescer 2% este ano
    0:45

    Economia

    O Governo vai rever em alta a previsão de crescimento da economia. A confirmação foi feita esta manhã pelo ministro das Finanças, em Londres. Mário Centeno diz que, afinal, a economia pode crescer cerca de 2%, este ano.

  • A rã que brilha no escuro
    2:08
  • Indonésio encontrado dentro de cobra pitão

    Mundo

    Akbar Salubiro, de 25 anos, esteve perto de 24 horas desaparecido na remota ilha indonésia de Sulawesi. Acabou por ser encontrado um dia depois, no jardim da própria casa, dentro de uma pitão de 7 metros.

  • Abertura da lagoa de Santo André atrai surfistas e bodyboarders
    4:15