sicnot

Perfil

País

Governo português saúda conclusão de acordo de paz no Mali

O Governo português saudou hoje a conclusão do acordo de paz e reconciliação no Mali, a 01 de março, instando todas as partes do processo a aplicá-lo num contexto de paz e desenvolvimento.

© Stringer . / Reuters

Em comunicado hoje enviado à Lusa pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros, o executivo português apelou "a todas as partes envolvidas no processo para que se comprometam com a sua assinatura e implementação, construindo em conjunto um quadro de paz e desenvolvimento, com repercussões positivas para toda a região do Sahel".

No domingo, 01 de março, o Governo do Mali assinou com grupos armados do norte do país um "acordo de paz e de reconciliação", em Argel, para pôr fim à violência.

No entanto, o acordo não foi ainda assinado pela coordenação dos movimentos de Azawad, que inclui vários grupos rebeldes, como o Movimento Nacional de Libertação de Azawad (MNLA), que pediu um "prazo razoável" para consultar a população que representa.

Este acordo destina-se a concluir as negociações iniciadas em julho de 2014 em Argel, o primeiro a reunir todas as partes no conflito no norte do Mali, onde foi lançada uma intervenção internacional em 2013 iniciada por França.

O Governo português aproveitou também "a oportunidade para reiterar o seu empenho em continuar a contribuir ativamente para os esforços da comunidade internacional visando a paz e a estabilidade no Mali, designadamente através da participação de militares nacionais nas missões no terreno das Nações Unidas e da União Europeia", lê-se no documento.

"Pela sua liderança na mediação deste processo negocial", o executivo português felicitou ainda o Governo argelino, que tinha recentemente apresentado às partes em conflito um novo projeto de acordo, que apelava para a "reconstrução do país assente em bases inovadoras, no respeito da integridade territorial, tendo em conta a diversidade étnica e cultural".

As diferentes partes em conflito assinaram a 19 deste mês, sob os auspícios da Argélia e da ONU, uma declaração que previa o fim imediato "de todas as formas de violência".

Os grupos signatários foram o Movimento Nacional de Libertação de Azawad (MNLA), o Alto Conselho para a Unidade de Azawad (HCUA, sigla em francês), o Movimento Árabe do Azawad (MAA), o Movimento Árabe do Azawad-dissidente (MAA-dissidente), a Coordenação para o Povo de Azawad (CPA) e a Coordenação dos Movimentos e Frentes Patrióticas de Resistência (CM-FPR).

O Governo maliano e estes seis grupos iniciaram em meados deste mês, em Argel, a quinta ronda de negociações.

As duas partes realizaram, desde julho do ano passado, em Argel, quatro séries de negociações, as primeiras a reunir todas as partes em conflito.

Em 18 de junho de 2013, os mesmos interlocutores concluíram um acordo intermédio em Ouagadougou, no Burkina Faso.

Os grupos ligados à rede terrorista Al-Qaida e inicialmente aliados do MNLA foram excluídos das negociações. Durante mais de nove meses, estes grupos ocuparam o norte do Mali, tendo sido parcialmente repelidos da zona na sequência de uma intervenção internacional lançada em 2013 por França.

Em agosto do ano passado, começou a operação "Barkhan" contra o terrorismo na zona do Sahel.

Desde o verão passado, registou-se um recrudescimento dos ataques, nomeadamente 'jihadistas', contra as forças do Mali ou estrangeiras, mas também contra alvos civis.

A situação política no Mali é de instabilidade desde que em 2012 o país foi palco de um golpe de Estado.


Lusa
  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras