sicnot

Perfil

País

Peritos europeus avaliam em 2,5 milhões de euros obras nos sinos e carrilhões de Mafra

Especialistas europeus, que em outubro visitaram o Palácio de Mafra, definiram em 2,5 milhões de euros o montante necessário para reabilitar os sinos e carrilhões daquele monumento, conclui o relatório da organização europeia do património, Europa Nostra, divulgado esta sexta-feira.

O plano de ação, hoje divulgado pela Europa Nostra e pelo Instituto do Bando Europeu de Investimento, a que a agência Lusa teve acesso, aponta para os 2,5 milhões de euros o restauro daquele património, considerado um dos sete monumentos mais ameaçados da Europa. (Arquivo)

O plano de ação, hoje divulgado pela Europa Nostra e pelo Instituto do Bando Europeu de Investimento, a que a agência Lusa teve acesso, aponta para os 2,5 milhões de euros o restauro daquele património, considerado um dos sete monumentos mais ameaçados da Europa. (Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

O plano de ação, hoje divulgado pela Europa Nostra e pelo Instituto do Bando Europeu de Investimento, a que a agência Lusa teve acesso, aponta para os 2,5 milhões de euros o restauro daquele património, considerado um dos sete monumentos mais ameaçados da Europa.

Aquelas entidades, em nota de imprensa, assumem não só "disponibilidade de financiamento", como também apontam a necessidade de uma intervenção para decorrer "a partir do final de 2015 e até meados de 2017, altura em que se celebra o 300º aniversário do início da construção do Palácio".

"Este é um investimento relativamente modesto, que pode ter um impacto real no reforço do interesse do Palácio Nacional de Mafra como um destino de referência no património cultural. Permitirá que os sinos possam ser devidamente fixados e voltem a ser usados, potenciando o seu valor. É portanto considerada uma iniciativa muito interessante e necessária ", concluiu no relatório o coordenador e consultor técnico do Instituto do Banco Europeu de Investimento, Peter Bond.

A agência Lusa aguarda esclarecimentos da Secretaria de Estado da Cultura e da Direção-Geral do Património Cultural, entidades responsáveis pela definição das fontes de financiamento para esta obra e respetivo concurso público internacional, cujo lançamento ainda não aconteceu.

Em janeiro, a tutela apontava para o primeiro semestre deste ano o lançamento do concurso.

Aquelas entidades sugerem que o financiamento seja assegurado pelos novos fundos comunitários e complementados por financiamento nacional e municipal.

O programa para o maior conjunto sineiro do mundo, composto por dois carrilhões e 119 sinos, pesando o maior 12 toneladas, "destina-se a permitir que o maior número possível de sinos possa ser reparado e voltar a ser utilizado".

De acordo com o relatório, 103 sinos dos carrilhões vão precisar de restauro, sendo que a maioria vai ter de ser transportada para as oficinas e alguns poderão ser restaurados no local.

Os peritos propõem a "afinação e reabilitação parcial" do carrilhão da torre sul, que "estará plenamente operacional", enquanto o carrilhão da torre norte será "completamente" restaurado, mas vai ser mantido como peça de museu, sem sofrer qualquer afinação, por nunca ter sido alterado.

Entre os sinos litúrgicos, dez dos onze "estão rachados e não serão restaurados, pelo que apenas um virá a tocar", e vão ser estabilizados, à semelhança dos seis sinos dos relógios, dos quais cinco "são capazes de soar".

A maioria dos sinos vão ser transportados para oficinas, mas os peritos admitem que alguns serão restaurados no local.

A intervenção vai também abranger o mecanismo dos carrilhões e do relógio, que "serão postos a funcionar", restabelecendo assim as ligações entre carrilhões e relógio, as estruturas de madeira que suportam os carrilhões e os sinos e as estruturas exteriores das torres.

Para os peritos, o maior desafio vai ser executar obras nas áreas onde os sinos mais pesados estão apoiados e onde as reparações são necessárias para a sua fixação.

Aquando da visita a Mafra, os peritos alertaram que o estado dos sinos é muito precário, uma vez que estão presos por andaimes e essas estruturas não só apresentam detioração visível, como também não são suficientes para a segurança dos sinos.
Lusa
  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "Meninas proibidas de usar saias curtas e roupa transparente" para evitar abusos em Timor
    0:50
  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43