sicnot

Perfil

País

Passos abre debate quinzenal com questões de relevância política, económica e social

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, abre na quarta-feira o debate quinzenal na Assembleia da República, tendo o Governo indicado como tema "questões de relevância política, económica e social".

A dívida foi criada entre 1999 e 2004, altura em que começou a trabalhar por contra de outrem, no grupo Fomentinvest, mas ao mesmo tempo trabalhava a recibos verdes para algumas empresas, incluindo a Tecnoforma. (Arquivo)

A dívida foi criada entre 1999 e 2004, altura em que começou a trabalhar por contra de outrem, no grupo Fomentinvest, mas ao mesmo tempo trabalhava a recibos verdes para algumas empresas, incluindo a Tecnoforma. (Arquivo)

Thanassis Stavrakis / AP

A polémica sobre a carreira contributiva do primeiro-ministro deverá ser um dos temas centrais do debate, já que vários partidos da oposição manifestaram a intenção de questionar novamente Passos Coelho sobre o tema no parlamento.

A hipótese do próprio primeiro-ministro aproveitar para prestar mais esclarecimentos também já foi avançada pelo PSD, que defende que Passos Coelho deve dar explicações sobre a sua relação com a Segurança Social "no momento certo e onde for entendido", nomeadamente no debate quinzenal no parlamento.

A 28 de fevereiro, o jornal Público noticiou que Pedro Passos Coelho esteve cinco anos sem pagar contribuições à Segurança Social, entre 1999 e 2004, o que o primeiro-ministro justificou com o desconhecimento dessa obrigação legal, declarando que pagou em fevereiro deste ano o montante em dívida, apesar de prescrito. Os partidos da oposição questionaram-no entretanto sobre esse assunto mas, mesmo depois de receberem as respostas do primeiro-ministro, consideram que permanecem questões por esclarecer. 

A 3 de março, no encerramento das jornadas parlamentares do PSD, no Porto, Passos Coelho admitiu também a entrega de declarações "fora de prazo" no passado, ressalvando que nada deve ao fisco, e afirmou que não é "um cidadão perfeito", mas que nunca usou o lugar de primeiro-ministro "para enriquecer". 

O presidente do PSD alegou que querem expor a sua vida fiscal, o que associou ao "desespero que se começa a instalar em certas áreas políticas". Entretanto, disse ao semanário Sol que teve "atrasos na entrega das declarações e nos pagamentos" ao fisco, "umas vezes por distração, outras por falta de dinheiro".

O último debate quinzenal com o primeiro-ministro na Assembleia da República aconteceu a 19 de fevereiro, na altura aberto pelo PSD, e ficou marcado pela discussão sobre a posição de Portugal em relação à situação na Grécia.

O primeiro-ministro defendeu então que a dignidade de Portugal e dos portugueses nunca esteve em causa durante o processo de ajustamento, apesar de fazer um "balanço crítico do funcionamento institucional da 'troika'", numa resposta a declarações do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

Já o PS acusou a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, de "pôr em causa a dignidade" dos portugueses na sua visita à Alemanha e de ter sido instrumentalizada contra a Grécia, com o primeiro-ministro a repudiar estas afirmações.


LUSA
  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.