sicnot

Perfil

País

Final do debate quinzenal marcado por novo protesto no Parlamento

O final do debate quinzenal na Assembleia da República ficou marcado por novo protesto nas galerias, depois da interrupção que já tinha acontecido no início da resposta do primeiro-ministro ao líder da bancada do PS.

MANUEL DE ALMEIDA

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, tinha acabado de responder às questões colocadas pelo líder da bancada social-democrata, quando um homem se levantou na galeria, começando a gritar.

Apesar das palavras que o homem gritava não serem percetíveis, a presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, de imediato ordenou que saísse. O homem acabou por ser retirado por agentes da PSP.

Na parte inicial do debate, quando o primeiro-ministro respondia ao líder da bancada do PS, protestos de pessoas nas galerias, que exigiam a demissão de Passos Coelho, levaram à interrupção por pouco mais de um minuto os trabalhos.

Entretanto, em comunicado, a Associação de Combate à Precariedade (Precários Inflexíveis) reclamou para si a autoria do protesto, considerando ser "insustentável, num país que persegue ferozmente os seus trabalhadores mais precários, a recibos verdes, que o primeiro-ministro possa escapar incólume do facto de ter estado pelo menos cinco anos sem pagar à Segurança Social".

O debate quinzenal de hoje foi marcado pela polémica sobre a carreira contributiva do chefe do executivo da maioria PSD/CDS-PP.

Lusa
  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.