sicnot

Perfil

País

Comissão Europeia atribui bolsas a nove investigadores portugueses

A Comissão Europeia anunciou hoje a atribuição de 372 bolsas de investigação científica, no valor total de 713 milhões de euros, entre as quais nove a investigadores em Portugal. 

© Stefan Wermuth / Reuters

As bolsas, que podem ascender até 2,75 milhões de euros cada uma, são atribuídas no âmbito do Horizonte 2020, programa de investigação e inovação da União Europeia (EU), sendo beneficiados investigadores de 38 nacionalidades.

De acordo com a lista hoje publicada, são atribuídas bolsas a nove investigadores principais a trabalhar em Portugal: João Barata, Bruno Santos e José Fernandes, do Instituto de Medicina Molecular; Vítor Cardoso, do Instituto Superior Técnico; Helena Machado e Margarida Ribeiro, do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra; Isabel Ferreira, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa; Luís Mora, da Fundação Calouste Gulbenkian; Cristina Pereira, do Instituto de Tecnologia Química e Biológica da Universidade Nova de Lisboa.

"Com estes projetos, estamos a fazer da Europa o laboratório do mundo. Os nossos investigadores mais extraordinários e criativos beneficiam de financiamento da UE e, por sua vez, a Europa beneficia todos os dias do seu investimento no conhecimento e nas pessoas", disse Carlos Moedas, Comissário para a Investigação, Inovação e Ciência, citado no comunicado de imprensa que deu conta da atribuição destas bolsas.

Lusa
  • Trabalharia horas extra sem ser pago? E feriados?  
    1:25
  • UE dá "luz verde" para início das negociações do Brexit

    Brexit

    Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram esta segunda-feira a autorização para o início das negociações do Brexit, indicando formalmente o final de junho para início do processo de saída do Reino Unido, que se prolongará por dois anos.

  • Donald Trump em Israel
    2:14
  • Regras secretas do Facebook permitem divulgação de imagens violentas

    Mundo

    A política interna da empresa Facebook defende que nem todos os vídeos violentos publicados na rede social devem ser apagados porque "não quer censurar ou punir pessoas em perigo". A revelação é feita pelo jornal britânico The Guardian após uma investigação em que conseguiu ter acesso ao manual interno.