sicnot

Perfil

País

Muitos portugueses têm dificuldades em gerir realidade que encontram no Brasil

Muitos portugueses que emigram para o Brasil têm dificuldades em gerir a idealização e o que realmente são as condições objetivas de vida naquele país, disse a coordenadora de um estudo, cujas conclusões foram hoje apresentadas em Lisboa.

© Ricardo Moraes / Reuters

"Os portugueses têm uma representação altamente idealizada do Brasil como contexto imigratório. É uma questão que emerge com muita força", declarou à Lusa Marta Vilar Rosales, coordenadora da investigação.

Segundo a investigadora, "muitos deles têm dificuldades em gerir aquilo que é uma situação idealizada e aquilo que são as condições objetivas de vida" no Brasil.

"O objetivo deste projeto foi perceber justamente como as migrações contemporâneas são pensadas pelos migrantes no Brasil e em Portugal", referiu a antropóloga.

O projeto "Travessias do Atlântico: materialidade, movimentos contemporâneos e políticas de pertença" foi desenvolvido em três anos e envolveu seis investigadores e quatro bolsistas de investigação, nomeadamente do Instituto de Ciências Sociais (ICS/ISCTE) e do Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA).

O estudo prestou especial atenção ao Brasil (Rio de Janeiro e São Paulo) enquanto destino migratório de portugueses e Portugal (Porto e Lisboa) enquanto país recetor de imigrantes brasileiros.

 "Os portugueses consideram que a migração para o Brasil oferece muitas oportunidades a nível profissional, consideram que a economia brasileira lhes proporciona uma experiência em termos de trabalho e o desenvolvimento das suas capacidades técnicas e profissionais, que o mercado português não oferece no momento", sublinhou a antropóloga. 

Segundo a professora de Antropologia da FCSH-UNL, a integração dos portugueses é descrita como muito complexa, devido à burocracia e à dificuldade que é legalizar estes projetos migratórios.

"Aquilo que nós sentimos é que os projetos migratórios não são consolidados, não são consistentes, ou seja, são pessoas que estão a ter uma experiência migratória mas não sabem dizer se daqui a dois anos estarão ainda no Brasil, excetuando aqueles trabalhadores que vão com projetos já bem programados pelas suas empresas", afirmou ainda. 

A investigadora referiu que não há uma relação entre estes jovens portugueses e as gerações mais antigas que emigraram para o Brasil.

"Sabemos que neste período, as migrações brasileiras para Portugal diminuíram por causa da crise e as migrações portugueses aumentaram para o Brasil devido à crise também, apesar de o Brasil não ser o maior destino da emigração portuguesa no presente", indicou.

Apesar de menor, a imigração brasileira recente para Portugal adquiriu outros contornos.

"A questão da dificuldade dos brasileiros em encontrar emprego estável em Portugal foi relativizada por uma imigração muito intensa de estudantes que vêm com bolsas de estudo e não de precisam trabalhar", afirmou.

"Além disso, os imigrantes brasileiros que vêm para trabalhar encontram alguma estabilidade ao nível institucional que compensa a instabilidade no setor do emprego, além de ter uma maior qualidade de vida em Portugal em relação ao Brasil", acrescentou.

Segundo a investigadora, o objetivo é perceber "como as pessoas se sentem, se integram, se adaptam e se relacionam, comparando os contextos estudados".

A investigação acompanhou pessoas individualmente e famílias migrantes dos dois países, no terreno, durante sete meses.

O estudo contou ainda com a colaboração da Universidade de Campinas (Unicamp) e da Universidade Federal Fluminense (UFF), em São Paulo e Rio de Janeiro, respetivamente.

Lusa
  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Pyongyang cria vídeo a simular ataque a navios dos EUA
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos da América pretendem reforçar as sanções à Coreia do Norte e investir nos esforços diplomáticos. Contudo, a tensão militar persiste. Pyongyang emitiu um vídeo em que simula um ataque a navios norte-americanos.

  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.