sicnot

Perfil

País

Telecomunicações lideram queixas à Deco há mais de uma década

A Deco recebeu quase 550 mil queixas de consumidores no ano passado, mais 9,5% do que em 2013, e o setor das telecomunicações voltou a liderar as reclamações pelo 12.º ano consecutivo.

Dos 549.209 contactos à Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor feitos no ano passado, que resultaram em quase 19 mil processos de mediação e incluíram mais de 3.500 denúncias, os setores mais reclamados pelos consumidores foram, além das telecomunicações, a compra e venda, os serviços de interesse geral, banca e seguros.

A grande novidade, disse ironicamente Ana Tapadinhas, da Deco, é a posição das telecomunicações na lista de queixas, que há mais de uma década são o setor mais reclamado, registando em 2014 quase 60 mil reclamações, a maioria devido a dupla faturação, práticas agressivas ou enganosas dos comerciais, publicidade enganosa e a fidelização.

No ano passado, e ao contrário de 2013, o segundo setor mais reclamado foi o da compra e venda (28 mil queixas), em especial por causa das vendas 'online', à distância e porta a porta, quando no ano anterior tinha sido o setor dos serviços de interesse geral, que agora passou para terceiro lugar.

Nos serviços de interesse geral, num total de quase 27 mil queixas, os mais reclamados foram os associados ao fornecimento de energia, a mudança de comercializador de energia, nomeadamente prazos para a mudança, dupla faturação e práticas enganosas e fraude nos contadores.

A banca foi motivo de 26 mil queixas, das quais 2.753 de clientes do BES lesados, tendo a Deco interposto duas ações judiciais, para exigir que os consumidores sejam indemnizados das perdas. 

As estatísticas da Deco foram divulgadas nas vésperas do Dia Mundial dos Direitos do Consumidor, que se celebra a 15 de março.

Lusa

  • Deco alerta para abusos nas telecomunicações
    2:15

    País

    A Deco alerta para abusos das empresas de telecomunicações e já entregou no Ministério da Economia o pedido de alterações das leis. Só no ano passado esta entidade recebeu 5 mil pedidos de ajuda nesta área.

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.