sicnot

Perfil

País

Custos energéticos preocupam parceiros sociais

Os parceiros sociais foram hoje unânimes em destacar o preço da energia como uma das principais preocupações para as empresas e famílias portuguesas, considerando fundamental baixar os custos para melhorar a competitividade. 

As tarifas de eletricidade no mercado regulado devem subir em média 3,3% para os consumidores domésticos.

As tarifas de eletricidade no mercado regulado devem subir em média 3,3% para os consumidores domésticos.

© Michael Dalder / Reuters

Este foi um dos temas em cima da mesa na reunião que juntou hoje confederações patronais e sindicais com o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho, antes da reunião do Conselho Europeu que vai decorrer na próxima quinta e sexta-feira.

Para o líder da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), António Saraiva, a união energética com Espanha e França "é um factor determinante" para a economia e competitividade das empresas e é fundamental que seja concretizada até 2020.

"Não devemos discutir se a energia é cara ou barata, mas se é competitiva e a portuguesa não é", disse, comparando os custos com outros parceiros comerciais como os Estados Unidos.

O presidente da Confederação de Comércio e Serviços de Portugal (CCP), João Vieira Lopes, saiu da reunião com "algumas pistas positivas" quanto à interconexão, que disse ser "essencial para baixar os custos" mas não se mostrou inteiramente confiante. 

"Já tem havido alguns compromissos de França sem concretização", argumentou.

Também a presidente da UGT, Lucinda Dâmaso, considerou "fundamental que a União Europeia comece a pensar num melhor equilíbrio dos custos energéticos para as empresas e famílias" pois "só assim Portugal pode ser mais competitivo". 

Já para o dirigente da CGTP, Arménio Carlos, o que está em causa nas interligações energéticas "é perceber para que serve e a quem vai beneficiar". 

"A interligação com Espanha e França, se for com o objetivo de dar ganhos aos accionistas é mau, mas se for para baixar o preço da electricidade é positivo", afirmou o sindicalista, acrescentando que não lhe parece que esteja a ser seguido esse caminho, e sim "o da proteção dos grandes lobbies".

Os governos de Portugal, Espanha e França assinaram uma declaração na qual se comprometem a trabalhar em conjunto para que a Península Ibérica deixe de ser uma "ilha" do ponto de vista energético, com uma meta de 10% de interconexões até 2020.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00

    Reportagem Especial

    Todos os anos, o Estado gasta centenas de milhões de euros para financiar os meios de combate aos incêndios. A reportagem especial da SIC denuncia falta de rigor e clareza em muitos dos negócios.

  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.