sicnot

Perfil

País

"Há fortes indícios criminais" nas listas VIP, diz Costa

"Há fortes indícios criminais" nas listas VIP, diz Costa

O secretário-geral do PS acusa o Governo de insensibilidade fiscal com as famílias, como se estas não fossem "VIP". À margem da comemoração do dia da árvore em terras de bouro, António Costa confirmou que o partido vai enviar para o Ministério Público as atas das audições aos responsáveis da Autoridade Tributária.

  •  "Se dizem que aprovei, onde está a prova?"
    3:43

    Economia

    O Partido Socialista quer o Ministério Público a investigar a alegada lista de contribuintes VIP da Autoridade Tributária. O anúncio encerrou a audição desta noite ao secretário de Estado dos Assuntos Fiscais no Parlamento. Uma audição que estava marcada para as 16h30, mas que acabou por começar perto 20h00. Paulo Núncio afirmou ser "visceralmente" contra a existência de uma lista de contribuintes específicos e garantiu que não há provas que o envolvam neste caso simplesmente porque não aprovou, não deu instruções e nem sequer tinha conhecimento desta questão.

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.