sicnot

Perfil

País

Provas da Meia Maratona de Lisboa condicionam trânsito

As provas desportivas da 25.ª Meia Maratona de Lisboa, que se realizam no próximo fim de semana, vão condicionar o trânsito em algumas zonas da capital e do concelho de Oeiras, a partir deste sábado.

(Lusa/Arquivo)

Em comunicado, a Polícia de Segurança Pública (PSP) informa que, entre as 23:00 de sábado e as 17:00 de domingo, vai cortar a circulação na Avenida da Índia, entre os viadutos metálicos de Alcântara e os de Pedrouços, junto à Fundação Champalimaud, com o desvio de trânsito a ser feito para a Avenida Brasília.

A partir das 09:30 de sábado realiza-se a "Corrida Vitalis" (7.000 metros), com concentração e partida junto ao Estádio Nacional - Praça da Maratona (Oeiras), seguindo em direção à Cruz Quebrada, Avenida da Índia e à meta instalada na Praça do Império (Belém).

Duas horas mais tarde começa o "Passeio Avós e Netos" (4.000 metros), com concentração junto ao Museu da Eletricidade, o qual decorrerá ao longo da Avenida Brasília até ao viaduto de Alcântara, regressando os participantes novamente ao Museu da Eletricidade.

Da parte da tarde, haverá a concentração junto ao Museu da Eletricidade para a "Prova Mini Campeões" (1.500 metros), com início previsto para as 16:00, seguindo depois até próximo da Cordoaria Nacional e regresso ao local de partida.

No domingo, com início às 10:30, realizam-se a 25.ª Meia Maratona Internacional de Lisboa e a Mini Maratona, com partidas, em simultâneo, desde a Ponte 25 de Abril. Entre as 10:15 e as 10:30 têm início em Algés/Dafundo -- Avenida da Marginal, as provas para deficientes motores em cadeira de rodas. 

Segundo a polícia, das 08:00 às 15:00, a circulação estará cortada junto à Estação da CP de Algés, com o encerramento da Avenida Marginal até ao Alto da Boa Viagem.

Às 09:00 será encerrada a Praça do Império (Belém) e a Ponte 25 de Abril nos dois sentidos, com previsível abertura após as 13:00.

Pelas 09:15, a polícia vai cortar o trânsito na ligação da Autoestrada A5 à Ponte 25 de Abril, no IP7 (Eixo Norte/Sul) na última saída para Monsanto e no acesso à ponte a partir da Avenida de Ceuta.

Às 09:40 serão vedados os acessos à Avenida 24 de Julho e a circulação na zona do Cais do Sodré.

"Os elétricos, bem como o trânsito em geral, deixarão de passar defronte dos Jerónimos a partir das 09:00 (domingo). Os elétricos invertem junto aos Pastéis de Belém, no retorno à Praça do Comércio, ficando inoperacionais em direção a Algés", informa a polícia.

A 25.ª Meia Maratona de Lisboa, organizada pelo Maratona Clube de Portugal, conta este ano com a presença de cerca de 35.000 participantes.

Lusa
  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.