sicnot

Perfil

País

Estudantes de Coimbra contra um Governo que os deixa de "mãos atadas"

Os estudantes apresentaram-se hoje de mãos atadas à frente do edifício da Associação Académica de Coimbra (AAC), que estava coberto de panos negros, num protesto contra os cortes no Ensino Superior, que assinala o Dia Nacional do Estudante.

Lusa

"Mais financiamento e mais ação social", pediu o presidente da AAC, Bruno Matias, recordando os estudantes que já abandonaram o ensino superior e aqueles que não entram por falta de apoios.

A manifestação, que contou com cerca de 400 estudantes do ensino universitário e politécnico de Coimbra, começou com uma concentração no Largo Dom Dinis, às 12:00, em que os estudantes envergaram faixas, onde se lia "só faltas tu", numa referência àqueles que tiveram de desistir de formação superior.

A cantar "Grândola Vila Morena", com uma letra alterada que pedia um "ensino financiado", os estudantes desceram as Escadas Monumentais, intercalando também músicas de um "cancioneiro novo", criado para a ocasião, com palavras de ordem, como "ação social não existe em Portugal", "para os bancos vão milhões, para o ensino só tostões" ou "mais um empurrão e o Governo vai ao chão".

No final do protesto, em frente à Associação Académica de Coimbra, Bruno Matias criticou o Governo por afirmar que tem os cofres cheios.

"Então se há cofres cheios, porque é que há estudantes com dificuldades? Porque é que há estudantes sem bolsa? Porque é que se corta nas universidades?", questionou.

A manifestação fez ainda referência à emigração de jovens portugueses, contando com um momento musical protagonizado pela secção de Fado, que interpretou o "Cantar de Emigração", de Adriano Correia de Oliveira, música de 1971, que dizia que "este parte, aquele parte e todos, todos se vão".

No protesto, esteve ainda uma imagem em cartão do ministro da Educação, Nuno Crato, para se lembrar a recusa do Governo de visitar Coimbra e observar as dificuldades e problemas sentidos pelos estudantes, explanou Bruno Matias.

Após essa recusa, a AAC rejeitou um convite posterior para um almoço hoje com o primeiro-ministro, Passos Coelho, em Braga, com representantes de várias associações académicas nacionais.

"É com orgulho que recusamos o almoço", frisou o presidente da AAC, referindo, numa alusão à presença da maioria das associações de estudantes no almoço com o primeiro-ministro, que a associação que lidera "nunca vai ficar sozinha, enquanto tiver os 30 mil estudantes de Coimbra a lutarem juntos".

Sobre futuras ações de protesto, Bruno Matias afirmou que a AAC irá "à rua, sempre que for necessário".

Marco Eliseu, em representação dos estudantes do ensino politécnico de Coimbra, sublinhou que o movimento associativo tem de ter uma "voz reivindicativa", pedindo "mais ações e mais união".







Lusa
  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.