sicnot

Perfil

País

Um em cada três casos de tuberculose multirresistente é extremamente resistente

Um em cada três casos de tuberculose multirresistente em Portugal é extremamente resistente e há situações de quase totalmente resistentes, alertou hoje a Direção-Geral da Saúde (DGS), apontando para a necessidade de novos fármacos.

© Luke MacGregor / Reuters

Durante a apresentação pública dos dados de tuberculose relativos a 2014, a coordenadora nacional da luta contra a tuberculose, da DGS, Raquel Duarte, afirmou contudo que existem atualmente poucos casos de tuberculose multirresistente.

Na União Europeia (UE), 4,1% dos casos são multirresistentes, uma "situação grave que podemos não tratar", disse a responsável.

"Em Portugal não é um problema tão grave, pois só 0,9% dos casos foram multirresistentes. Estamos em situação privilegiada face à EU. Temos poucos multirresistentes, 30% dos multirresistentes são extremamente resistentes, mas há situações de quase totalmente resistentes e precisamos de novos fármacos", acrescentou.

A necessidade de novos fármacos e até de uma boa vacina é fundamental para lutar contra estes casos, consideram as autoridades de saúde.

O secretário de Estado Adjunto do Ministro da Saúde, Fernando Leal da Costa, deixou, a propósito, uma crítica à comunidade de investigação médica e farmacêutica, para quem a tuberculose tem sido uma das doenças mais ignoradas.

"A tuberculose não é uma ameaça do passado, é uma doença bem presente. Têm surgido estirpes cada vez mais resistentes", afirmou.

No entanto, a forma mais comum de tuberculose é tratável e se for tratada, durante o tempo preconizado, é possível atingir a cura, esclareceu Raquel Duarte.

Para alcançar este objetivo é necessário apostar mais no diagnóstico precoce -- para o que é determinante a educação da população, a melhoria de acesso aos cuidados de saúde e bons meios complementares de diagnóstico --, no tratamento e na adesão ao tratamento.

Mas o combate à tuberculose vai mais além, não chega tratar e prevenir, há uma componente social, económica e populacional, é uma doença multidisciplinar, destaca Raquel Duarte.

Olhando para esses indicadores, a responsável identifica a infeção por VIH, o desemprego e o número de médicos como os fatores de maior impacto no aumento ou diminuição dos casos de tuberculose.

Tendo por referência de base cem mil habitantes, por cada novos dez casos de VIH há um aumento de 2,5 casos de tuberculose e por cada mil novos desempregados há um novo caso de tuberculose.

Do lado positivo constata-se que o aumento de 10 médicos por cada cem mil habitantes leva à redução de cinco novos casos de tuberculose por cem mil habitantes.

Em 2014, Portugal ficou pela primeira vez abaixo dos 20 novos casos de tuberculose por cada cem mil habitantes, um valor que é preciso manter na linha descensional em direção aos 15 e, depois, aos 10 casos, considerou o diretor do programa nacional para a infeção VIH/SIDA e Tuberculose.

António Diniz sublinhou que, até ao momento, Portugal soube cumprir os objetivos a que se propôs na luta contra a tuberculose: "melhor é possível em 2012" e "tornar Portugal um país de baixa incidência de tuberculose em 2014".

Para 2015 fica o desafio de "centrar a atenção nos grandes centros urbanos" (Lisboa e Porto), onde a incidência ainda se mantém acima dos 20 casos por cem mil habitantes.









Lusa
  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59