sicnot

Perfil

País

Hora muda esta madrugada

Hora muda esta madrugada

Portugal muda a hora legal para o regime de verão, na madrugada de domingo, com os relógios a adiantarem-se 60 minutos quando for 01:00, no Continente e na Madeira, e meia-noite, nos Açores.

Com a alteração, Portugal passa a ter uma hora acima do Tempo Universal Coordenado (UTC+1), regulado a partir do meridiano de Greenwich, à semelhança do Reino Unido e da Irlanda.


A hora manter-se-á assim até ao próximo dia 25 de outubro, altura em que se atrasam os relógios uma hora, de modo a entrar no horário de inverno.


Os restantes países da União Europeia regem-se pela hora centro europeia, tendo, na sua maioria, uma hora a mais que o Tempo Universal Coordenado (UTC+1), no inverno, passando a estar duas horas acima (UTC+2), no verão, ao adiantarem os relógios em 60 minutos, na próxima madrugada. 


Os outros países da Europa que não fazem parte dos "28" escolheram seguir as mesmas normas, com exceção da Arménia, Bielorrússia, Geórgia, Rússia e Islândia, que não adiantam os relógios. 


A Ucrânia efetua a mudança de hora às 03:00, com exceção de Luhansk e Donetsk. As duas cidades separatistas resolveram não mudar a hora, ficando com o mesmo horário da Rússia.


A prática de mudança de hora não reúne consenso a nível mundial, optando grande parte do Globo por não alterar os relógios em função das estações do ano.


Em África, apenas Namíbia, Marrocos e Egito alteram a hora. Na Oceânia, à semelhança do que acontece no Continente Africano, apenas Austrália, Nova Zelândia, Fiji e Samoa adiantam o relógio no verão e atrasam no inverno.


Na América do Norte e Central, praticamente todos os países procedem à alteração da hora, o que não acontece na maioria dos países do sul do continente. O Chile decidiu adotar a política dos países vizinhos e não vai alterar a hora este ano.

 No Médio Oriente, apenas Azerbaijão, Irão, Israel, Jordânia, Líbano e Síria adiantam os relógios. O território da faixa de Gaza também entra na hora de verão, segundo o sítio na internet World Time Zone, que não cita a Cisjordânia.


Na Europa, a prática de mudança de hora iniciou-se na I Guerra Mundial, com o objetivo de poupar combustível. Atualmente, prende-se essencialmente a preocupações ecológicas e sociais, de modo a fazer coincidir o horário de trabalho com as horas de luz solar.


Ainda assim, a União Europeia faz uma reavaliação desta prática de mudança de hora, de cinco em cinco anos. A próxima reavaliação deverá ser feita no próximo ano, para os cinco seguintes (2017-2021).


Em 1992, o Governo português adotou o horário da Europa Central (CET), mas a opção foi muito criticada, porque, no inverno, a noite prolongava-se pelas horas da manhã e, no verão, o dia estendia-se até depois das 22:00.


Em 1996, o Governo retomou o horário de referência do Tempo Universal Coordenado (UTC), à semelhança do Reino Unido e da Irlanda.


A mudança de hora é definida por legislação nacional e comunitária. Em Portugal é regulada pelo Observatório Astronómico de Lisboa.

Com a alteração, Portugal passa a ter uma hora acima do Tempo Universal Coordenado (UTC+1), regulado a partir do meridiano de Greenwich, à semelhança do Reino Unido e da Irlanda.

A hora manter-se-á assim até ao próximo dia 25 de outubro, altura em que se atrasam os relógios uma hora, de modo a entrar no horário de inverno.

Os restantes países da União Europeia regem-se pela hora centro europeia, tendo, na sua maioria, uma hora a mais que o Tempo Universal Coordenado (UTC+1), no inverno, passando a estar duas horas acima (UTC+2), no verão, ao adiantarem os relógios em 60 minutos, na próxima madrugada. 

Os outros países da Europa que não fazem parte dos "28" escolheram seguir as mesmas normas, com exceção da Arménia, Bielorrússia, Geórgia, Rússia e Islândia, que não adiantam os relógios. 

A Ucrânia efetua a mudança de hora às 03:00, com exceção de Luhansk e Donetsk. As duas cidades separatistas resolveram não mudar a hora, ficando com o mesmo horário da Rússia.

A prática de mudança de hora não reúne consenso a nível mundial, optando grande parte do Globo por não alterar os relógios em função das estações do ano.

Em África, apenas Namíbia, Marrocos e Egito alteram a hora. Na Oceânia, à semelhança do que acontece no Continente Africano, apenas Austrália, Nova Zelândia, Fiji e Samoa adiantam o relógio no verão e atrasam no inverno.

Na América do Norte e Central, praticamente todos os países procedem à alteração da hora, o que não acontece na maioria dos países do sul do continente. O Chile decidiu adotar a política dos países vizinhos e não vai alterar a hora este ano.

 No Médio Oriente, apenas Azerbaijão, Irão, Israel, Jordânia, Líbano e Síria adiantam os relógios. O território da faixa de Gaza também entra na hora de verão, segundo o sítio na internet World Time Zone, que não cita a Cisjordânia.

Na Europa, a prática de mudança de hora iniciou-se na I Guerra Mundial, com o objetivo de poupar combustível. Atualmente, prende-se essencialmente a preocupações ecológicas e sociais, de modo a fazer coincidir o horário de trabalho com as horas de luz solar.

Ainda assim, a União Europeia faz uma reavaliação desta prática de mudança de hora, de cinco em cinco anos. A próxima reavaliação deverá ser feita no próximo ano, para os cinco seguintes (2017-2021).

Em 1992, o Governo português adotou o horário da Europa Central (CET), mas a opção foi muito criticada, porque, no inverno, a noite prolongava-se pelas horas da manhã e, no verão, o dia estendia-se até depois das 22:00.

Em 1996, o Governo retomou o horário de referência do Tempo Universal Coordenado (UTC), à semelhança do Reino Unido e da Irlanda.

A mudança de hora é definida por legislação nacional e comunitária. Em Portugal é regulada pelo Observatório Astronómico de Lisboa.

Lusa


  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.