sicnot

Perfil

País

Hora muda esta madrugada

Hora muda esta madrugada

Portugal muda a hora legal para o regime de verão, na madrugada de domingo, com os relógios a adiantarem-se 60 minutos quando for 01:00, no Continente e na Madeira, e meia-noite, nos Açores.

Com a alteração, Portugal passa a ter uma hora acima do Tempo Universal Coordenado (UTC+1), regulado a partir do meridiano de Greenwich, à semelhança do Reino Unido e da Irlanda.


A hora manter-se-á assim até ao próximo dia 25 de outubro, altura em que se atrasam os relógios uma hora, de modo a entrar no horário de inverno.


Os restantes países da União Europeia regem-se pela hora centro europeia, tendo, na sua maioria, uma hora a mais que o Tempo Universal Coordenado (UTC+1), no inverno, passando a estar duas horas acima (UTC+2), no verão, ao adiantarem os relógios em 60 minutos, na próxima madrugada. 


Os outros países da Europa que não fazem parte dos "28" escolheram seguir as mesmas normas, com exceção da Arménia, Bielorrússia, Geórgia, Rússia e Islândia, que não adiantam os relógios. 


A Ucrânia efetua a mudança de hora às 03:00, com exceção de Luhansk e Donetsk. As duas cidades separatistas resolveram não mudar a hora, ficando com o mesmo horário da Rússia.


A prática de mudança de hora não reúne consenso a nível mundial, optando grande parte do Globo por não alterar os relógios em função das estações do ano.


Em África, apenas Namíbia, Marrocos e Egito alteram a hora. Na Oceânia, à semelhança do que acontece no Continente Africano, apenas Austrália, Nova Zelândia, Fiji e Samoa adiantam o relógio no verão e atrasam no inverno.


Na América do Norte e Central, praticamente todos os países procedem à alteração da hora, o que não acontece na maioria dos países do sul do continente. O Chile decidiu adotar a política dos países vizinhos e não vai alterar a hora este ano.

 No Médio Oriente, apenas Azerbaijão, Irão, Israel, Jordânia, Líbano e Síria adiantam os relógios. O território da faixa de Gaza também entra na hora de verão, segundo o sítio na internet World Time Zone, que não cita a Cisjordânia.


Na Europa, a prática de mudança de hora iniciou-se na I Guerra Mundial, com o objetivo de poupar combustível. Atualmente, prende-se essencialmente a preocupações ecológicas e sociais, de modo a fazer coincidir o horário de trabalho com as horas de luz solar.


Ainda assim, a União Europeia faz uma reavaliação desta prática de mudança de hora, de cinco em cinco anos. A próxima reavaliação deverá ser feita no próximo ano, para os cinco seguintes (2017-2021).


Em 1992, o Governo português adotou o horário da Europa Central (CET), mas a opção foi muito criticada, porque, no inverno, a noite prolongava-se pelas horas da manhã e, no verão, o dia estendia-se até depois das 22:00.


Em 1996, o Governo retomou o horário de referência do Tempo Universal Coordenado (UTC), à semelhança do Reino Unido e da Irlanda.


A mudança de hora é definida por legislação nacional e comunitária. Em Portugal é regulada pelo Observatório Astronómico de Lisboa.

Com a alteração, Portugal passa a ter uma hora acima do Tempo Universal Coordenado (UTC+1), regulado a partir do meridiano de Greenwich, à semelhança do Reino Unido e da Irlanda.

A hora manter-se-á assim até ao próximo dia 25 de outubro, altura em que se atrasam os relógios uma hora, de modo a entrar no horário de inverno.

Os restantes países da União Europeia regem-se pela hora centro europeia, tendo, na sua maioria, uma hora a mais que o Tempo Universal Coordenado (UTC+1), no inverno, passando a estar duas horas acima (UTC+2), no verão, ao adiantarem os relógios em 60 minutos, na próxima madrugada. 

Os outros países da Europa que não fazem parte dos "28" escolheram seguir as mesmas normas, com exceção da Arménia, Bielorrússia, Geórgia, Rússia e Islândia, que não adiantam os relógios. 

A Ucrânia efetua a mudança de hora às 03:00, com exceção de Luhansk e Donetsk. As duas cidades separatistas resolveram não mudar a hora, ficando com o mesmo horário da Rússia.

A prática de mudança de hora não reúne consenso a nível mundial, optando grande parte do Globo por não alterar os relógios em função das estações do ano.

Em África, apenas Namíbia, Marrocos e Egito alteram a hora. Na Oceânia, à semelhança do que acontece no Continente Africano, apenas Austrália, Nova Zelândia, Fiji e Samoa adiantam o relógio no verão e atrasam no inverno.

Na América do Norte e Central, praticamente todos os países procedem à alteração da hora, o que não acontece na maioria dos países do sul do continente. O Chile decidiu adotar a política dos países vizinhos e não vai alterar a hora este ano.

 No Médio Oriente, apenas Azerbaijão, Irão, Israel, Jordânia, Líbano e Síria adiantam os relógios. O território da faixa de Gaza também entra na hora de verão, segundo o sítio na internet World Time Zone, que não cita a Cisjordânia.

Na Europa, a prática de mudança de hora iniciou-se na I Guerra Mundial, com o objetivo de poupar combustível. Atualmente, prende-se essencialmente a preocupações ecológicas e sociais, de modo a fazer coincidir o horário de trabalho com as horas de luz solar.

Ainda assim, a União Europeia faz uma reavaliação desta prática de mudança de hora, de cinco em cinco anos. A próxima reavaliação deverá ser feita no próximo ano, para os cinco seguintes (2017-2021).

Em 1992, o Governo português adotou o horário da Europa Central (CET), mas a opção foi muito criticada, porque, no inverno, a noite prolongava-se pelas horas da manhã e, no verão, o dia estendia-se até depois das 22:00.

Em 1996, o Governo retomou o horário de referência do Tempo Universal Coordenado (UTC), à semelhança do Reino Unido e da Irlanda.

A mudança de hora é definida por legislação nacional e comunitária. Em Portugal é regulada pelo Observatório Astronómico de Lisboa.

Lusa


  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.