sicnot

Perfil

País

Hora muda esta madrugada

Hora muda esta madrugada

Portugal muda a hora legal para o regime de verão, na madrugada de domingo, com os relógios a adiantarem-se 60 minutos quando for 01:00, no Continente e na Madeira, e meia-noite, nos Açores.

Com a alteração, Portugal passa a ter uma hora acima do Tempo Universal Coordenado (UTC+1), regulado a partir do meridiano de Greenwich, à semelhança do Reino Unido e da Irlanda.


A hora manter-se-á assim até ao próximo dia 25 de outubro, altura em que se atrasam os relógios uma hora, de modo a entrar no horário de inverno.


Os restantes países da União Europeia regem-se pela hora centro europeia, tendo, na sua maioria, uma hora a mais que o Tempo Universal Coordenado (UTC+1), no inverno, passando a estar duas horas acima (UTC+2), no verão, ao adiantarem os relógios em 60 minutos, na próxima madrugada. 


Os outros países da Europa que não fazem parte dos "28" escolheram seguir as mesmas normas, com exceção da Arménia, Bielorrússia, Geórgia, Rússia e Islândia, que não adiantam os relógios. 


A Ucrânia efetua a mudança de hora às 03:00, com exceção de Luhansk e Donetsk. As duas cidades separatistas resolveram não mudar a hora, ficando com o mesmo horário da Rússia.


A prática de mudança de hora não reúne consenso a nível mundial, optando grande parte do Globo por não alterar os relógios em função das estações do ano.


Em África, apenas Namíbia, Marrocos e Egito alteram a hora. Na Oceânia, à semelhança do que acontece no Continente Africano, apenas Austrália, Nova Zelândia, Fiji e Samoa adiantam o relógio no verão e atrasam no inverno.


Na América do Norte e Central, praticamente todos os países procedem à alteração da hora, o que não acontece na maioria dos países do sul do continente. O Chile decidiu adotar a política dos países vizinhos e não vai alterar a hora este ano.

 No Médio Oriente, apenas Azerbaijão, Irão, Israel, Jordânia, Líbano e Síria adiantam os relógios. O território da faixa de Gaza também entra na hora de verão, segundo o sítio na internet World Time Zone, que não cita a Cisjordânia.


Na Europa, a prática de mudança de hora iniciou-se na I Guerra Mundial, com o objetivo de poupar combustível. Atualmente, prende-se essencialmente a preocupações ecológicas e sociais, de modo a fazer coincidir o horário de trabalho com as horas de luz solar.


Ainda assim, a União Europeia faz uma reavaliação desta prática de mudança de hora, de cinco em cinco anos. A próxima reavaliação deverá ser feita no próximo ano, para os cinco seguintes (2017-2021).


Em 1992, o Governo português adotou o horário da Europa Central (CET), mas a opção foi muito criticada, porque, no inverno, a noite prolongava-se pelas horas da manhã e, no verão, o dia estendia-se até depois das 22:00.


Em 1996, o Governo retomou o horário de referência do Tempo Universal Coordenado (UTC), à semelhança do Reino Unido e da Irlanda.


A mudança de hora é definida por legislação nacional e comunitária. Em Portugal é regulada pelo Observatório Astronómico de Lisboa.

Com a alteração, Portugal passa a ter uma hora acima do Tempo Universal Coordenado (UTC+1), regulado a partir do meridiano de Greenwich, à semelhança do Reino Unido e da Irlanda.

A hora manter-se-á assim até ao próximo dia 25 de outubro, altura em que se atrasam os relógios uma hora, de modo a entrar no horário de inverno.

Os restantes países da União Europeia regem-se pela hora centro europeia, tendo, na sua maioria, uma hora a mais que o Tempo Universal Coordenado (UTC+1), no inverno, passando a estar duas horas acima (UTC+2), no verão, ao adiantarem os relógios em 60 minutos, na próxima madrugada. 

Os outros países da Europa que não fazem parte dos "28" escolheram seguir as mesmas normas, com exceção da Arménia, Bielorrússia, Geórgia, Rússia e Islândia, que não adiantam os relógios. 

A Ucrânia efetua a mudança de hora às 03:00, com exceção de Luhansk e Donetsk. As duas cidades separatistas resolveram não mudar a hora, ficando com o mesmo horário da Rússia.

A prática de mudança de hora não reúne consenso a nível mundial, optando grande parte do Globo por não alterar os relógios em função das estações do ano.

Em África, apenas Namíbia, Marrocos e Egito alteram a hora. Na Oceânia, à semelhança do que acontece no Continente Africano, apenas Austrália, Nova Zelândia, Fiji e Samoa adiantam o relógio no verão e atrasam no inverno.

Na América do Norte e Central, praticamente todos os países procedem à alteração da hora, o que não acontece na maioria dos países do sul do continente. O Chile decidiu adotar a política dos países vizinhos e não vai alterar a hora este ano.

 No Médio Oriente, apenas Azerbaijão, Irão, Israel, Jordânia, Líbano e Síria adiantam os relógios. O território da faixa de Gaza também entra na hora de verão, segundo o sítio na internet World Time Zone, que não cita a Cisjordânia.

Na Europa, a prática de mudança de hora iniciou-se na I Guerra Mundial, com o objetivo de poupar combustível. Atualmente, prende-se essencialmente a preocupações ecológicas e sociais, de modo a fazer coincidir o horário de trabalho com as horas de luz solar.

Ainda assim, a União Europeia faz uma reavaliação desta prática de mudança de hora, de cinco em cinco anos. A próxima reavaliação deverá ser feita no próximo ano, para os cinco seguintes (2017-2021).

Em 1992, o Governo português adotou o horário da Europa Central (CET), mas a opção foi muito criticada, porque, no inverno, a noite prolongava-se pelas horas da manhã e, no verão, o dia estendia-se até depois das 22:00.

Em 1996, o Governo retomou o horário de referência do Tempo Universal Coordenado (UTC), à semelhança do Reino Unido e da Irlanda.

A mudança de hora é definida por legislação nacional e comunitária. Em Portugal é regulada pelo Observatório Astronómico de Lisboa.

Lusa


  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20