sicnot

Perfil

País

Ministério da Justiça desmente que taxa de reincidência dos pedófilos seja de 18%

A taxa de reincidência dos abusadores de menores em Portugal será de 18% e não de 80%, como avançou a ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, mais do que uma vez. O Ministério da Justiça já veio desmentir a notícia, ainda que os números revelados pelo semanário sejam de um organismo tutelado pela ministra.

A ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz. (Arquivo)

A ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz. (Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

A revelação é feita pelo Expresso deste sábado, com base nos dados da Direcção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais. 

A confirmar-se que a taxa de reincidência dos pedófilos é de 18%, o valor fica muito abaixo do invocado por Paula Teixeira da Cruz várias vezes.

Esta taxa tem sido o motivo do Governo para justificar a criação da polémica lista nacional de agressores sexuais de crianças, que deverá conter mais de 2500 nomes de abusadores condenados nos últimos 10 anos, sendo esta uma lei com efeitos retroativos.
  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras