sicnot

Perfil

País

Ministra da Agricultura lamenta perda de "profundo apaixonado pela terra"

A ministra das Agricultura e do Mar, Assunção Cristas, lamentou hoje a morte de Sevinate Pinto, recordando que o setor agrícola perdeu "um profundo apaixonado pela terra".

Assunção Cistas (Lusa)

Assunção Cistas (Lusa)

LUSA

"É uma grande perda para todos nós, para o setor agrícola e para o setor agroalimentar, que muito devem ao dinamismo, ao empenho e à lucidez (de Sevinate Pinto), quer enquanto ministro, quer como consultor e como um profundo apaixonado pela terra", afirmou hoje a governante, em declarações telefónicas à Lusa.


Assunção Cristas disse ainda que se sente "muito grata por todos os ensinamentos" que recebeu do antigo ministro da Agricultura do Governo de Durão Barroso.


"Quem me deu a minha primeira lição de agricultura e de política agrícola foi o engenheiro Sevinate Pinto mal soube das minhas funções e foi sempre, durante estes anos, uma presença muito amiga e muito constante. Pessoalmente, sinto muito esta perda", lamentou a ministra.


Natural de Ferreira do Alentejo, no distrito de Beja, Armando José Cordeiro Sevinate Pinto morreu esta noite num hospital de Lisboa, aos 69 anos de idade.


Licenciado em Engenharia Agrónoma pelo Instituto Superior de Agronomia, Sevinate Pinto foi ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas do XV Governo Constitucional PSD/CDS-PP, dirigido por Durão Barroso, entre 06 de abril de 2002 a 17 de julho de 2004.


Lusa
  • Obras no Miradouro de São de Pedro de Alcântara não foram a concurso
    2:50

    País

    As obras no Miradouro de São Pedro de Alcântara, em Lisboa, arrancaram esta segunda-feira. A intervenção foi adjudicada à construtora Teixeira Duarte sem concurso público. A autarquia justifica esta decisão com o caráter urgente da obra, argumento que não consta do relatório do Laboratório Nacional de Engenheria Civil, a que a SIC teve acesso.

  • Rajadas de vento em Moscovo atingem os 110 km/hora
    0:57

    Mundo

    A passagem de uma tempestade por Moscovo fez pelo menos 11 mortos e mais de 50 feridos. Os ventos fortes, que chegaram aos 110 km/hora, destruíram carros e telhados e provocaram atrasos nos transportes. Na região de Stavropol, mais de 60 mil pessoas foram retiradas de casa por perigo de cheias.