sicnot

Perfil

País

Ministra da Agricultura lamenta perda de "profundo apaixonado pela terra"

A ministra das Agricultura e do Mar, Assunção Cristas, lamentou hoje a morte de Sevinate Pinto, recordando que o setor agrícola perdeu "um profundo apaixonado pela terra".

Assunção Cistas (Lusa)

Assunção Cistas (Lusa)

LUSA

"É uma grande perda para todos nós, para o setor agrícola e para o setor agroalimentar, que muito devem ao dinamismo, ao empenho e à lucidez (de Sevinate Pinto), quer enquanto ministro, quer como consultor e como um profundo apaixonado pela terra", afirmou hoje a governante, em declarações telefónicas à Lusa.


Assunção Cristas disse ainda que se sente "muito grata por todos os ensinamentos" que recebeu do antigo ministro da Agricultura do Governo de Durão Barroso.


"Quem me deu a minha primeira lição de agricultura e de política agrícola foi o engenheiro Sevinate Pinto mal soube das minhas funções e foi sempre, durante estes anos, uma presença muito amiga e muito constante. Pessoalmente, sinto muito esta perda", lamentou a ministra.


Natural de Ferreira do Alentejo, no distrito de Beja, Armando José Cordeiro Sevinate Pinto morreu esta noite num hospital de Lisboa, aos 69 anos de idade.


Licenciado em Engenharia Agrónoma pelo Instituto Superior de Agronomia, Sevinate Pinto foi ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas do XV Governo Constitucional PSD/CDS-PP, dirigido por Durão Barroso, entre 06 de abril de 2002 a 17 de julho de 2004.


Lusa
  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15