sicnot

Perfil

País

Passos Coelho e Ferro Rodrigues em debate crispado, com dois deputados do PS pelo meio

O líder parlamentar do PS condenou hoje a forma como o primeiro-ministro se referiu ao dirigente socialista João Galamba, enquanto Passos Coelho invocou o deputado do PS Agostinho Santa para rejeitar a partidarização na administração pública.

M\303\201RIO CRUZ

Os nomes dos deputados socialistas João Galamba e Agostinho Santos (apesar de Passos Coelho não ter referido o seu nome) vieram à baila no debate quinzenal, durante as fases mais crispadas entre o primeiro-ministro e o presidente do Grupo Parlamentar do PS, Ferro Rodrigues.

Na sua última intervenção, depois de se referir ao caso da lista de contribuintes VIP, Ferro Rodrigues atacou o executivo PSD/CDS pela política de nomeações para cargos de direção na administração pública.

"Nunca se viu uma partidarização tão grande na administração pública como agora", disse - uma acusação imediatamente negada por Pedro Passos Coelho, que apontou o exemplo da nomeação do deputado socialista Agostinho Santa, após ter sido candidato ao lugar de inspetor-geral adjunto de educação.

"Não só não existe nenhuma partidarização da administração pública, como há inúmeros exemplos que o atestam. Fique o senhor deputado (Ferro Rodrigues) a saber que na sua bancada há pelo menos uma pessoa que é deputado e que, enquanto for deputado, não assumirá o lugar de direção para o qual foi selecionado e escolhido", apontou o primeiro-ministro, antes de contrapor que o anterior sistema em vigor nos anteriores governos socialistas é que "permitiam a escolha político-partidária".

Já o caso com João Galamba surgiu depois de o primeiro-ministro reagir a apartes que estavam a ser feitos pelo membro do Secretariado Nacional do PS enquanto justificava a sua tese de que o país se encontrava em trajetória de recuperação.

"Não sei quem é o deputado excitado que está sempre? Ah, é o senhor deputado Galamba, mais uma surpresa neste debate", comentou Pedro Passos Coelho, com a presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, a advertiu que "os apartes sistemáticos boicotam a intervenção do orador".

Ferro Rodrigues reagiu depois com violência a este episódio: "A deselegância política e pessoal do primeiro-ministro em relação ao deputado João Galamba não tem nenhuma espécie de aliança nesta bancada".

"O senhor primeiro-ministro tem de respeitar todos os deputados, um a um. E o deputado João Galamba é um grande deputado deste parlamento", defendeu o presidente da bancada do PS.

Lusa
  • "A vitória de Bruno de Carvalho pode ser uma vitória de Pirro"
    1:01
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    As eleições para a presidência do Sporting realizam-se no próximo sábado e os comentadores d'O Dia Seguinte avaliaram já as hipóteses de vitória dos candidatos. Rui Gomes da Silva considera que a gravação que implicava José Maria Ricciardi não vai influenciar a decisão de voto. Já Paulo Farinha Alves acredita que Bruno de Carvalho vai vencer a eleição. Contudo José Guilherme Aguiar avisa as eleições podem não trazer estabilidade ao Sporting.

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • SIC revela relatório que provava falência do GES
    2:06
  • Sócrates acusa Cavaco de conspiração
    0:57
  • Bastidores do sambódromo: um espétaculo à parte
    3:22
  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22
  • Como a maioria de Esquerda gere as votações
    2:15

    País

    A gestão entre os partidos é feita diariamente mas nem sempre PCP e Bloco de Esquerda têm votado ao lado do Governo. A SIC ouviu um politólogo, que diz que o objetivo é cada um salientar as diferenças que os separam do PS. No entanto, também há exemplos que provam que nenhum dos partidos quer pôr em causa a estabilidade política.