sicnot

Perfil

País

Costa fala em "brilhante carreira" de Silva Lopes ao serviço de Portugal

O secretário-geral socialista, António Costa, e o PS lamentaram esta quinta-feira a morte do antigo ministro e governador do Banco de Portugal José Silva Lopes, destacando a sua "brilhante carreira" ao serviço do desenvolvimento económico nacional.

A notícia da morte de José Silva Lopes, aos 82 anos, que foi ministro de vários governos provisórios após o 25 de Abril de 1974 e do III Governo Constitucional, foi transmitida pelo Banco de Portugal, instituição em que desempenhou as funções de governador. (Arquivo)

A notícia da morte de José Silva Lopes, aos 82 anos, que foi ministro de vários governos provisórios após o 25 de Abril de 1974 e do III Governo Constitucional, foi transmitida pelo Banco de Portugal, instituição em que desempenhou as funções de governador. (Arquivo)

SIC

A notícia da morte de José Silva Lopes, aos 82 anos, que foi ministro de vários governos provisórios após o 25 de Abril de 1974 e do III Governo Constitucional, foi transmitida pelo Banco de Portugal, instituição em que desempenhou as funções de governador. 

Num comunicado enviado à agência Lusa, o PS e o seu secretário-geral, António Costa, manifestaram "o seu profundo pesar" pela notícia da morte de Silva Lopes. 

"O doutor Silva Lopes serviu o país de forma dedicada e relevante, quer como membro de vários governos provisórios e do III Governo Constitucional, quer como governador do Banco de Portugal, mostrando-se sempre um defensor do crescimento e desenvolvimento económico e social de Portugal. Valores a que sempre se mostrou fiel em toda a sua brilhante carreira como economista", considerou António Costa.

Para o secretário-geral do PS, o desaparecimento do economista José Silva Lopes "constitui uma grande perda para todos os que se reveem naqueles valores e princípios". 

"À sua família e aos seus amigos, o PS e o seu secretário-geral apresentam as suas sentidas condolências", acrescenta a mesma nota.
Lusa
  • Lei existe há quatro anos mas não tem regulamentação
    2:03
  • Dijsselbloem mostra algum arrependimento mas recusa demitir-se
    2:40

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas escusa-se a comentar essa possibilidade. Para já, o holandês não se demite do cargo. Esta quinta-feira ouviu as críticas dos eurodeputados no Parlamento Europeu.

  • Há cada vez menos portugueses

    País

    A população em Portugal diminuiu no ano passado, pelo oitavo ano consecutivo, já que o número de mortes continua a ser superior ao de nascimentos, revelam dados hoje divulgados pelo INE.

  • Dois em cada três portugueses vivem vidas sedentárias

    País

    Com menos de hora e meia de exercício semanal, mais de dois terços dos portugueses vivem vidas sedentárias. E a maioria desvaloriza a importância da atividade física, segundo um inquérito divulgado esta quinta-feira pela Fundação Portuguesa de Cardiologia.

  • Primeira dama chinesa defende avanços na igualdade

    Mundo

    A primeira dama chinesa, Peng Liyuan, defendeu os avanços da China em matéria de igualdade dos géneros. Uma rara entrevista, difundida numa altura em que feministas chinesas asseguram serem controladas pela polícia face às suas campanhas.