sicnot

Perfil

País

Cerimónias fúnebres de Silva Lopes realizam-se quarta-feira em Lisboa

As cerimónias fúnebres do economista José da Silva Lopes vão realizar-se na quarta-feira na Basílica da Estrela, em Lisboa, e estarão a cargo do padre Vítor Melícias, disse à Lusa a filha do antigo governante.

A notícia da morte de José Silva Lopes, aos 82 anos, que foi ministro de vários governos provisórios após o 25 de Abril de 1974 e do III Governo Constitucional, foi transmitida pelo Banco de Portugal, instituição em que desempenhou as funções de governador. (Arquivo)

A notícia da morte de José Silva Lopes, aos 82 anos, que foi ministro de vários governos provisórios após o 25 de Abril de 1974 e do III Governo Constitucional, foi transmitida pelo Banco de Portugal, instituição em que desempenhou as funções de governador. (Arquivo)

SIC

Teresa Silva Lopes adiantou que ainda não é possível confirmar a hora a que a cerimónia decorrerá, mas deverá acontecer da parte da tarde.

Inicialmente, o funeral estava previsto para segunda-feira, mas a informação não se confirmou.

A filha de Silva Lopes relembrou o pedido do pai para amigos e familiares não gastem dinheiro em flores e que entreguem essa verba ao Instituto de Apoio à Criança (IAC).

Silva Lopes iniciou a sua carreira no Ministério da Economia em 1955, em 1969 integrou o conselho de administração da Caixa Geral de Depósitos e, entre 1975 e 1980, foi governador do Banco de Portugal.

Integrou os primeiros quatro governos do pós-25 de abril, foi consultor do FMI e do Banco Mundial, tendo desempenhado recentemente o cargo de presidente do Montepio Geral.

 

Lusa
  • Os momentos que marcaram o 7.º dia de Mundial
    1:08
  • "Ronaldos nascem na Rússia como cogumelos"
    1:49
  • Os momentos descontraídos dos jogadores
    1:54
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O humor russo
    1:32
  • Schulz responde a Trump: "é um especialista em estatísticas criminais"

    Mundo

    "Donald Trump é um especialista em estatísticas criminais: pagamentos a estrelas porno, contactos ilegais com russos e diretores de campanha presos". Foi assim que o deputado alemão Martin Schulz respondeu ao Presidente norte-americano, depois de este ter afirmado várias vezes que a criminalidade na Alemanha aumentou devido à imigração.

    SIC

  • "Vou pedir a alguém que dê esta notícia por mim". Jornalista emociona-se com o caso dos bebés mexicanos separados das famílias
    0:49