sicnot

Perfil

País

Moradores das ilhas da Ria Formosa protestam de barco contra demolições

Os moradores das ilhas barreira da Ria Formosa realizam hoje uma marcha lenta de barco entre Faro e Olhão, no segundo protesto numa semana em defesa dessa zona húmida algarvia e contra as demolições de habitações.

Moradores da Ria Formosa protestam, em frente à Assembleia da República, contra as demolições de casas nas ilhas-barreira.

Moradores da Ria Formosa protestam, em frente à Assembleia da República, contra as demolições de casas nas ilhas-barreira.

Lusa

Convocado pelas Associações de Moradores dos núcleos habitacionais da Culatra, Hangares e Farol, o protesto tem início marcado para as 10:00, no cais das Portas do Mar, em Faro, seguirá pela Ria Formosa até aos cais das três zonas residenciais e terminará em Olhão, onde está prevista uma concentração contra as demolições de cerca de 800 habitações decidida pelo Ministério do Ambiente.

As Associações da Culatra, Hangares e Farol criticam a atuação do Ministério do Ambiente, "que em vez de dar prioridade a obras necessárias e urgentes para valorização da Ria Formosa e das populações locais, como o desassoreamento de canais, dragagem das barras e travar a poluição, opta pela destruição dos núcleos históricos consolidados".

Já no último sábado, as três associações de moradores contestara a intervenção que está a ser realizada pelo Ministério do Ambiente e pela Pólis para "renaturalização" da Ria Formosa, que prevê a demolição de habitações consideradas ilegais nas ilhas barreira.

O protesto contou com mais de uma centena de veículos, que concluíram uma marcha na praia de Faro, zona onde também estão previstas mais de uma centena de demolições de casas que não são consideradas primeira residência, mas que as associações asseguram deixar famílias sem alternativas para morar.











Lusa
  • Um pedido de desculpas aos portugueses e um ultimato ao Governo
    3:21
  • Vouzela tenta regressar à normalidade, 8 pessoas morreram no concelho
    2:28

    País

    No concelho de Vouzela, a população começa a voltar à normalidade. Aos poucos a luz e a água estão a voltar e as pessoas começam a ganhar forças para reconstruir aquilo que lhes foi tirado pelos fogos. No entanto, as feridas demoram a sarar e não será fácil esquecer que 80 a 90 por cento deste concelho foi destruído pelos incêndios e oito pessoas morreram.

  • Material de guerra de Tancos encontrado, faltam munições
    1:40
  • "Se os bombeiros não chegam, os vizinhos vão ficar sem casa"
    1:03
  • Madrid admite suspender autonomia da Catalunha
    1:51
  • Alemanha já tem uma versão de Donald Trump... em cera
    1:08