sicnot

Perfil

País

Morreu a mulher queimada em 90% do corpo numa explosão em Paredes de Coura

A mulher de 50 anos que sofreu queimaduras "em cerca de 90% do corpo" na sequência de uma explosão numa habitação em Paredes de Coura, morreu no domingo, ao final da tarde, no hospital de São João, no Porto.

A explosão ocorreu cerca das 11:20 de sexta-feira passada numa habitação na freguesia de Agualonga, naquele concelho do distrito de Viana do Castelo, e terá tido origem "numa fuga de gás na canalização da habitação".

A mulher foi transportada pelo helicóptero do Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) para o hospital de S. João, no Porto.

A filha, de 24 anos, "com cerca de 20% do corpo queimado" foi transportada por uma ambulância de Suporte Imediato de Vida (SIV) para o mesmo hospital mas acabaria por ser transferida para o hospital da Prelada.

De acordo com fonte daquela unidade hospitalar a jovem encontra-se "estável" e com "prognóstico favorável".

"Está a ser retirada a assistência de ventilação mecânica. Apresenta queimaduras nos pés e na face mas não são consideradas extensas", adiantou.

A explosão provocou ainda ferimentos ligeiros num homem, com cerca de 50 anos, e num rapaz de 16 anos, marido e filho da mulher que morreu no domingo.

Um dos feridos ligeiros foi transportado para a unidade hospitalar de Viana do Castelo e o outro para o hospital de Ponte de Lima.

Uma equipa da Polícia Judiciária [PJ] esteve no local a investigar as causas da explosão.

Ao local compareceram sete viaturas e 15 homens dos bombeiros de Paredes de Coura, a Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) de Viana do Castelo, uma ambulância SIV de Ponte de Lima, sapadores florestais e a GNR.

Lusa
  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Míssil lançado do Iémen intercetado perto de Meca

    Mundo

    Um míssil balístico lançado pelos rebeldes xiitas do Iémen foi intercetado, quinta-feira à noite, perto de Meca, na Arábia Saudita, a um mês da peregrinação muçulmana anual do hajj, anunciou a coligação árabe que intervém no Iémen.