sicnot

Perfil

País

Seguradora Axa vai avançar com despedimento de 67 trabalhadores

A companhia de seguros Axa Portugal avançou com um despedimento coletivo de 67 pessoas, estando neste momento a decorrer reuniões em vários pontos do país para ser comunicada a decisão da seguradora, disse esta terça-feira fonte sindical.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Atividade Seguradora (STAE), Carlos Marques, afirmou que a Axa Portugal tomou esta decisão devido ao "encerramento de balcões, supressão de postos de trabalho únicos e uma avaliação de desempenho negativa" de vários funcionários. (Arquivo)

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Atividade Seguradora (STAE), Carlos Marques, afirmou que a Axa Portugal tomou esta decisão devido ao "encerramento de balcões, supressão de postos de trabalho únicos e uma avaliação de desempenho negativa" de vários funcionários. (Arquivo)

© Mick Tsikas / Reuters

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Atividade Seguradora (STAE), Carlos Marques, afirmou que a Axa Portugal tomou esta decisão devido ao "encerramento de balcões, supressão de postos de trabalho únicos e uma avaliação de desempenho negativa" de vários funcionários.

Segundo o líder sindical, "estão a decorrer neste momento várias reuniões coletivas em que está a ser proposto aos trabalhadores abrangidos pelo despedimento coletivo um documento para assinar", sendo que Carlos Marques está a aconselhar os funcionários a não assinarem e a pedirem apoio jurídico ao STAE.

Para Carlos Marques, esta é "uma situação muito rara nos seguros e com contornos muito inusitados", uma vez que, a acontecer o despedimento coletivo, será o primeiro no setor. 

"Houve já, ao longo dos anos, várias situações de ameaça de despedimento coletivo mas nunca se chegaram a concretizar, havendo sempre uma solução pacífica para ambos", adiantou.

Em tom de lamentação, o líder sindical disse que "não é admissível esta forma de atuar, sendo que, no setor, existe uma certa paz social".
Lusa
  • Guterres condena onda de violência em Myanmar
    0:43

    Mundo

    António Guterres condenou a onda de violência e discriminação contra os rohingya em Myanmar, na abertura da assembleia-geral das Nações Unidas. O secretário-geral da ONU pediu ainda às autoridades do país para acabarem com as operações militares e protegerem a comunidade ameaçada.

  • Furacão Maria deixa rasto de destruição na ilha Dominica
    1:52
  • Peritos mundiais debatem doenças neurodegenerativas em Lisboa
    3:04
  • "O Benfica é atacado e não há ninguém que fale e que dê a cara?"
    6:05
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    Depois do artigo publicado no blog "Geração Benfica", Rui Gomes da Silva reiterou esta segunda-feira, em O Dia Seguinte da SIC Notícias, algumas das críticas à estrutura do clube. O antigo vice-presidente do Benfica defendeu Luís Filipe Vieira, Rui Vitória e Nuno Gomes. E acusou novamente Rui Costa de passividade e os vice-presidentes de não darem a cara. 

  • Governo aconselha pais a fazerem queixa de manuais em mau estado
    2:31
  • Acha que este padre sabe dançar?
    2:22