sicnot

Perfil

País

Medina diz que Governo deixa ferida aberta a sangrar no tecido social

O dirigente socialista e novo presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, acusou hoje o Governo de ter deixado no tecido social português "uma ferida aberta, a sangrar", com o crescimento do desemprego e da emigração.

Fernando Medina defendeu que o país "está pior" do que quando iniciou há quatro o Programa de Assistência Económica e Financeiro (PAEF). (Arquivo)

Fernando Medina defendeu que o país "está pior" do que quando iniciou há quatro o Programa de Assistência Económica e Financeiro (PAEF). (Arquivo)

MIGUEL A. LOPES / Lusa

Fernando Medina, também membro do Secretariado Nacional do PS, falava antes da intervenção final do líder socialista, António Costa, durante uma sessão com militantes e simpatizantes da Federação da Área Urbana de Lisboa FAUL) em que defendeu que o país "está pior" do que quando iniciou há quatro o Programa de Assistência Económica e Financeiro (PAEF).

"Temos mais dívida e mais desemprego e temos um país que perdeu capacidade de crescimento. Destruímos e perdemos capacidade produtiva, mas, ainda pior, no tecido social abriu-se uma ferida que ainda está aberta e a sangrar, com o desemprego e a emigração", sustentou o dirigente socialista.

No discurso, que antecedeu o do presidente novo Câmara de Lisboa, o líder da FAUL do PS, Marcos Perestrello, apelou à maioria absoluta dos socialistas nas próximas eleições legislativas, "para que a decisão do futuro Governo não fique nas mãos do Presidente da República", Cavaco Silva.

"Por várias vezes, o Presidente da República já demonstrou que pretende a continuidade desta política de direita", defendeu Marcos Perestrello, também vice-presidente do Grupo Parlamentar do PS.

Perante militantes e simpatizantes da sua federação, Marcos Perestrello considerou que António Costa "tem feito um esfoço decisivo" desde que venceu as eleições primárias socialistas "em nome da unidade do partido, dos militantes e simpatizantes para que juntos travem nas próximas eleições a batalha em nome da mudança que o país precisa".

"Essa unidade, pela qual António Costa tem batalhado, tem de ser correspondida por todos, independentemente da posição de cada um", disse, antes de elogiar "a responsabilidade" inerente ao processo de transição na presidência da Câmara Municipal de Lisboa.

Sentado na primeira fila, o recém-empossado presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, recebeu uma prolongada salva de palmas dos militantes e simpatizantes socialistas logo na abertura da sessão, depois de o seu nome ter sido mencionado na primeira intervenção da noite, a cargo do líder da concelhia do PS/Lisboa, Duarte Cordeiro.

"Esta foi uma semana emotiva, com o secretário-geral, António Costa, a tomar uma decisão importante, colocando o país em primeiro lugar, rumo à mudança que Portugal precisa", declarou Duarte Cordeiro, numa referência à decisão de Costa de renunciar ao seu mandato de presidente da Câmara de Lisboa.

Falando antes do líder da JS/Lisboa, Diogo Leão, e da presidente das Mulheres Socialistas da Área Urbana de Lisboa, Susana Amador, Duarte Cordeiro apelou à mobilização dos militantes e simpatizantes do PS, alegando que abril "é o mês de arranque para a vitória nas próximas eleições legislativas".
Lusa
  • Confirmados dois novos casos de legionella

    Legionella

    Dois novos casos de legionella foram esta quarta-feira confirmados. A informação foi avançada em comunicado pela Direção-Geral da Saúde. Tratam-se de duas pessoas com mais de 80 anos, internadas no Hospital São Francisco Xavier e no Egas Moniz, ambas em situação clínica estável.

  • Quem é o novo Presidente do Zimbabué?
    2:15

    Mundo

    Emmerson Mnangagwa é o sucessor de Robert Mugabe que regressou esta quarta-feira da África do Sul, onde estava refugiado. No primeiro discurso, o Presidente do Zimbabué falou de uma nova democracia no país. Mnangagwa, conhecido como crocodilo, é suspeito de atrocidades na guerra civil pós-independência. 

  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50