sicnot

Perfil

País

Sampaio considera Objetivos do Milénio "extraordinário indutor do desenvolvimento"

O ex-Presidente da República Jorge Sampaio considerou hoje que os 'Objetivos do Milénio' foram um "extraordinário indutor do desenvolvimento" nos últimos 15 anos, mas no futuro a agenda só será bem-sucedida se "assentar numa parceria reforçada".

© Rafael Marchante / Reuters

"Qualquer que seja o texto final da agenda para o pós 2015, esta só será bem-sucedida se assentar numa parceria reforçada com base num compromisso firme entre todos os países, organizações e agentes quanto aos objetivos a alcançar, os prazos e os recursos a disponibilizar", disse Jorge Sampaio na conferência "Pós 2015: o mundo que queremos", organizada pela revista Courrier Internacional, em Lisboa.

O ex-Presidente da República afirmou também não ter "qualquer dúvida de que a agenda dos ODM [Objetivos de Desenvolvimento do Milénio], pela sua visão forte e simples, foi um extraordinário indutor do desenvolvimento nos últimos 15 anos".

Para o antigo chefe de Estado, "nunca houve uma tão forte mobilização e conjunção internacional de esforços" ou uma "monotorização tão rigorosa dos processos realizados", nunca os resultados foram obtidos "tão consistentemente" e de uma "forma tão sistemática e continuada" como nos últimos 15 anos.

Quanto à agenda 2015/2030, Jorge Sampaio defendeu que os países devem prosseguir "firmemente os objetivo que ainda não foram alcançados", bem como consolidar e reforçar os objetivos já conseguidos.

O antigo chefe de Estado apresentou ainda o desenvolvimento económico, a sustentabilidade ambiental e a inclusão social como as linhas mestras que qualquer sociedade deve adotar nos próximos 15 anos.

Durante a sua intervenção na primeira conferência que assinala os dez anos da publicação em português, o também antigo enviado do secretário-geral das Nações Unidas para a luta contra a tuberculose aproveitou para lembrar que antes de existirem os ODM "as grandes instituições financeiras internacionais, quer fosse o Banco Mundial ou o FMI [Fundo Monetário Internacional], até desincentivavam as políticas públicas em geral, como condição do seu apoio", tanto nos países desenvolvidos como nos países em desenvolvimento.










Lusa
  • Jovem que morreu numa estância de esqui em Espanha sofreu um aneurisma
    1:26
  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • "Isto é uma mentira e tem carimbo de Estado"
    2:12

    Opinião

    O preço das botijas de gás em Portugal duplicou nos últimos 15 anos. José Gomes Ferreira esteve no Jornal da Noite, da SIC, onde explicou este aumento, lembrando que a classe política prometeu que se houvesse mais empresas a operar no mercado, os preços desciam. Contudo, José Gomes Ferreira diz que "isto é uma mentira e tem carimbo de Estado". O Diretor-Adjunto de Informação SIC explicou que como o mercado é livre, os operadores vendem aos preços mais altos que podem, deste modo os preços não variam muito entre uns e outros.

    José Gomes Ferreira