sicnot

Perfil

País

Sampaio da Nóvoa diz que não se considera menos político por não estar dentro de um partido

O antigo reitor da Universidade de Lisboa Sampaio da Nóvoa disse hoje, no Porto, que não é "menos político por não estar dentro de um partido".

Lusa/Arquivo

Lusa/Arquivo

FERNANDO VELUDO

Sampaio da Nóvoa foi hoje um dos participantes presentes no Palácio da Bolsa na conferência organizada pelo Instituto de Defesa Nacional, no âmbito do Ciclo de Conferências "Ter Estado" e, apesar de nunca ter falado da sua eventual candidatura a Belém, afirmou que uma coisa que sempre o incomodou muito, "nomeadamente em algumas notícias mais recentes, é o estatuto de independente".

"Não sou independente de nada. Não sou independente das causas, não sou independente das pessoas, não sou certamente independente da política. Não me considero menos político por não estar dentro de um partido", afirmou.

O antigo reitor da Universidade de Lisboa foi perentório: "eu se não sou mais do que ninguém que está num partido também não sou menos".

Para Sampaio da Nóvoa, "não há nenhuma diminuição na voz que as pessoas têm que ter do ponto de vista da sua intervenção pública, política, em todos os lugares em que estão, sejam eles quais forem".

Questionado sobre se o Presidente da República precisa de mais poderes, Sampaio da Nóvoa defendeu que não, considerando não haver necessidade para pensar nisso.

"O Presidente da República à sua maneira, da mesma maneira que os outros órgãos de soberania, tem obviamente um papel muito relevante na nossa vida política e no nosso futuro coletivo", disse.

Para além dos poderes do Presidente da República, outra questão que foi sendo abordada pelos participantes na conferência - e que inclusivamente foi uma das questões feitas pelo ministro da Defesa Nacional, José Pedro Aguiar-Branco aos intervenientes - prendeu-se com uma eventual revisão da Constituição.

Para o eurodeputado do PS Francisco Assis é claro que não há "condições nenhumas para travar esse debate sobre a revisão constitucional", considerando que esta não vai acontecer nos próximos tempos porque "as prioridades do país neste momento são outras".

Já Sampaio da Nóvoa considerou que na situação concreta em que Portugal está não se pode ser inocente porque o que "está na mesa para a revisão constitucional é para pior e não para melhor".

O antigo reitor da Universidade de Lisboa defendeu que "uma democracia e um regime mais participativo fazem sentido", apesar dos riscos que daí advêm, considerando, no entanto, que "o risco maior é não fazer nada, é justificar o que está em vez de nos abrirmos a uma nova realidade".

O deputado do PCP António Filipe disse que há uma "atitude diferente do atual Presidente da República relativamente ao governo atual e ao governo anterior".

"O maior mérito e que mais contribui para a independência do Tribunal Constitucional é o caráter não renovável do mandato. O facto de os juízes não precisarem de agradar a quem os elegeu é o aspeto mais decisivo para a independência do juízo dos juízes do Tribunal Constitucional", afirmou o deputado.

Sampaio da Nóvoa e Francisco Assis esgrimiram ainda alguns argumentos em relação à questão da participação na política.

No final, Sampaio da Nóvoa não esteve disponível para prestar declarações aos jornalistas à margem do evento.

Lusa

  • "Estamos vivos"
    11:41

    Reportagem Especial

    Os incêndios de 15 de outubro provocaram sete milhões de euros de prejuízos em empresas da região Norte. Castelo de Paiva foi o concelho mais atingido, o fogo destruiu várias casas e empresas que davam trabalho a cerca de 200 pessoas. Um mês depois do incêndio, a Reportagem Especial da SIC foi ver o que está a ser feito para ajudar a população.

  • Administrador recebia 420 mil € por ano quando aldeamento passava dificuldades
    4:39

    Operação Marquês

    A Caixa Geral de Depósitos tentou cortar para metade o salário do presidente do Conselho de Administração de Vale do Lobo, mas não conseguiu. Diogo Gaspar Ferreira ganhava 420 mil euros por ano, quando o empreendimento estava enterrado em dívidas. A Autoridade Tributária estima também que o arguido da Operação Marquês não tenha declarado 400 mil euros pagos pelo aldeamento.

  • Estudante português desaparecido no mar Báltico

    País

    Um jovem português de 21 anos desapareceu na segunda-feira, dia 13 de novembro, enquanto fazia uma viagem de cruzeiro entre a cidade finlandesa de Helsínquia e a capital da Suécia, Estocolmo. As autoridades locais fizeram buscas na madrugada em que Diogo Penalva caiu ao mar Báltico, por volta das duas da manhã.

  • Notas e moedas têm os dias contados?
    6:27
  • Político oferece 1,3 milhões por decapitação de atriz

    Mundo

    Deepika Padukone é uma das personagens principais do filme que retrata a relação entre uma rainha hindu e um governante muçulmano. O filme enfureceu um político do Governo indiano, que ofereceu 1,3 milhões de euros como recompensa a quem decapitasse a atriz. A polícia já destacou agentes para proteger a atriz, bem como a sua família.

  • Paris inaugura primeiro restaurante naturista

    Mundo

    Para entrar, é preciso retirar a roupa e apenas as mulheres podem permanecer calçadas. O primeiro restaurante naturista de Paris abriu em novembro para responder a uma necessidade em França, principal destino do mundo para os praticantes de nudismo.

  • Peru faz aparição especial na Casa Branca
    1:10

    Mundo

    Os norte-americanos estão a preparar-se para o tradicional Dia de Ação de Graças, assinalado na próxima quinta-feira. O tradicional peru fez esta terça-feira uma aparição especial na sala de conferências de imprensa, na Casa Branca, em Washington. O peru é o prato tradicional no Dia de Ação de Graças, uma data de louvor a Deus, que remonta ao século XVII e que é celebrada na quarta quinta-feira de novembro, sobretudo nos Estados Unidos da América e no Canadá.

  • Sara Sampaio brilha em Xangai
    1:50