sicnot

Perfil

País

Sampaio da Nóvoa diz que não se considera menos político por não estar dentro de um partido

O antigo reitor da Universidade de Lisboa Sampaio da Nóvoa disse hoje, no Porto, que não é "menos político por não estar dentro de um partido".

Lusa/Arquivo

Lusa/Arquivo

FERNANDO VELUDO

Sampaio da Nóvoa foi hoje um dos participantes presentes no Palácio da Bolsa na conferência organizada pelo Instituto de Defesa Nacional, no âmbito do Ciclo de Conferências "Ter Estado" e, apesar de nunca ter falado da sua eventual candidatura a Belém, afirmou que uma coisa que sempre o incomodou muito, "nomeadamente em algumas notícias mais recentes, é o estatuto de independente".

"Não sou independente de nada. Não sou independente das causas, não sou independente das pessoas, não sou certamente independente da política. Não me considero menos político por não estar dentro de um partido", afirmou.

O antigo reitor da Universidade de Lisboa foi perentório: "eu se não sou mais do que ninguém que está num partido também não sou menos".

Para Sampaio da Nóvoa, "não há nenhuma diminuição na voz que as pessoas têm que ter do ponto de vista da sua intervenção pública, política, em todos os lugares em que estão, sejam eles quais forem".

Questionado sobre se o Presidente da República precisa de mais poderes, Sampaio da Nóvoa defendeu que não, considerando não haver necessidade para pensar nisso.

"O Presidente da República à sua maneira, da mesma maneira que os outros órgãos de soberania, tem obviamente um papel muito relevante na nossa vida política e no nosso futuro coletivo", disse.

Para além dos poderes do Presidente da República, outra questão que foi sendo abordada pelos participantes na conferência - e que inclusivamente foi uma das questões feitas pelo ministro da Defesa Nacional, José Pedro Aguiar-Branco aos intervenientes - prendeu-se com uma eventual revisão da Constituição.

Para o eurodeputado do PS Francisco Assis é claro que não há "condições nenhumas para travar esse debate sobre a revisão constitucional", considerando que esta não vai acontecer nos próximos tempos porque "as prioridades do país neste momento são outras".

Já Sampaio da Nóvoa considerou que na situação concreta em que Portugal está não se pode ser inocente porque o que "está na mesa para a revisão constitucional é para pior e não para melhor".

O antigo reitor da Universidade de Lisboa defendeu que "uma democracia e um regime mais participativo fazem sentido", apesar dos riscos que daí advêm, considerando, no entanto, que "o risco maior é não fazer nada, é justificar o que está em vez de nos abrirmos a uma nova realidade".

O deputado do PCP António Filipe disse que há uma "atitude diferente do atual Presidente da República relativamente ao governo atual e ao governo anterior".

"O maior mérito e que mais contribui para a independência do Tribunal Constitucional é o caráter não renovável do mandato. O facto de os juízes não precisarem de agradar a quem os elegeu é o aspeto mais decisivo para a independência do juízo dos juízes do Tribunal Constitucional", afirmou o deputado.

Sampaio da Nóvoa e Francisco Assis esgrimiram ainda alguns argumentos em relação à questão da participação na política.

No final, Sampaio da Nóvoa não esteve disponível para prestar declarações aos jornalistas à margem do evento.

Lusa

  • Morreu o vocalista da banda Linkin Park

    Cultura

    Um dos vocalistas da banda de metal alternativo Linkin Park, Chester Bennington, morreu, em casa, numa cidade do condado de Los Angeles, aos 41 anos. Chester Bennington ter-se-á suicidado, de acordo com a plataforma TMZ. O músico juntou-se aos Linkin Park em 1999, três anos após a formação da banda, que editou o seu álbum de estreia, "Hybrid Theory", em 2000. O disco, do qual fazem parte temas como "In the End", "Crawling" e "One Step Closer", vendeu dez milhões de cópias só nos Estados Unidos.

  • O perfil do novo herói do surf português
    3:43
  • "Temos de melhorar o sistema de prevenção e combate dos incêndios"
    18:07

    País

    O ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias, desta quinta-feira. Em análise esteve o chumbo do PCP na criação de um banco nacional de terras, a reforma da floresta em Portugal, as falhas no sistema de comunicação do SIRESP, a lei da rolha nos bombeiros, a seca no país e ainda a pesca da sardinha, que poderá vir a ser proibida durante 15 anos. 

    Entrevista SIC Notícias

  • CGTP acusa PT de ilegalidades no dia da greve
    0:46

    Economia

    A CGTP pede a intervenção do Governo na PT. Esta quinta-feira, na SIC Notícias, Arménio Carlos acusou a empresa de estar a cometer mais uma ilegalidade, ao ter requisitado trabalhadores para cumprir serviços mínimos uma semana antes do permitido por lei.

  • Altice responde a António Costa
    1:33

    Economia

    A Altice respondeu ao Governo, na sequência das críticas de António Costa, lamentando que Portugal não reconheça a importância dos investimentos que o grupo faz no país. A dona da PT inaugurou esta quinta-feira um novo call center em Vieira do Minho e, na sexta-feira, está marcada uma greve geral dos trabalhadores da PT.

  • Protesto dos enfermeiros é "ilegal"
    2:37
  • O que resta do navio de salvamento mais famoso de Portugal?
    15:26

    Aqui há História

    Os baixios da barra do Tejo já foram cemitério de centenas de embarcações. Uma delas foi o Patrão Lopes, o navio de salvamento que saía para o mar quando todos fugiam das tempestades. Foram cinco dias em agonia até naufragar no Bugio, num caso que acabou na barra do tribunal. 80 anos depois, a SIC mergulhou no Patrão Lopes porque "Aqui Há História".

  • Sismo de magnitude 6.9 na Turquia

    Mundo

    Um forte sismo com magnitude 6.9 na escala de Richter fez-se sentir esta quinta-feira a sul da cidade turca de Bodrum. A informação foi avançada pela agência norte-americana de Geologia.