sicnot

Perfil

País

Jerónimo critica indefinição do PS e compara o partido a um "caranguejo moído"

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, criticou hoje a indefinição do PS em delinear uma política alternativa e considerou que o partido "nem é carne nem é peixe", parecendo "um caranguejo moído".

ANT\303\223NIO JOS\303\211

"Neste quadro de objetivos claros por parte da direita e deste PS que nem é carne nem é peixe, que mais parece um caranguejo moído em termos de definição de uma política alternativa, nós queremos dizer 'aqui está a CDU'. Há razões para estarmos confiantes", afirmou Jerónimo de Sousa, referindo-se às próximas legislativas.

O secretário-geral do PCP falava durante um almoço-convívio com militantes em Castelo Branco.

Lembrando que as eleições legislativas são já em setembro ou outubro deste ano, o líder dos comunistas referiu que "esta batalha exige muito de cada um".

Num discurso já de pré-campanha, Jerónimo de Sousa referiu, que decorridos três anos da aplicação do "pacto de agressão", o país está hoje mais endividado, mais empobrecido, com mais desemprego e com mais emigração.

"Esta será a síntese das sínteses que derrubará qualquer propaganda que afirma que o nosso país está no bom caminho e que está a dar a volta", adiantou.

O secretário-geral do PCP explicou que esta ideia da libertação da "troika" (Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu e Comissão Europeia) é uma "mistificação" e referiu que, se é verdade que se foram embora, deixaram cá a sua política.

"A União Europeia e o Fundo Monetário Internacional deram já em janeiro as suas recomendações, que o Governo, naturalmente, toma imediatamente como as suas orientações. Dizem que estão a dar a volta, mas estão a discutir o chamado programa de reformas que, no essencial, vem desmentir esta teoria", disse.

Jerónimo de Sousa acrescentou que aquilo que está proposto são mais cortes na educação, na saúde e na proteção social, o aumento da carga fiscal para os trabalhadores e micro e pequenos empresários e a redução da carga fiscal para os grandes grupos económicos.

"O PCP propõe uma política alternativa. Já não podemos dizer o mesmo do PS, que tem um drama: está prisioneiro da sua assinatura do pacto de agressão, da política dos PEC [Programa de Estabilidade e Crescimento], da sua identificação com as políticas da União Europeia", afirmou.

Apesar deste "aprisionamento e condicionamento" do PS, referiu Jerónimo de Sousa, os socialistas sabem o que querem.

   "Mas, continuando amarrado à política da União Europeu, o PS não pode querer sol na eira e chuva no nabal, não pode afirmar-se como uma política de esquerda, de rutura e de mudança, porque está comprometido com esta política e por isso, anda numa indefinição. Nós temos uma proposta de rutura com esta política", declarou.

   O comunista reiterou ainda que há círculos de decisão que estão interessados na secundarização das eleições legislativas: "Esta deriva subestimando a batalha principal e prioritária que são as legislativas serve fundamentalmente a direita"

Contudo, o secretário-geral do PCP sublinhou que os portugueses percebem que se está a poucos meses das eleições legislativas e que as presidenciais são daqui a quase um ano.  

"São as legislativas que podem determinar muito da evolução da vida nacional nos próximos anos. É uma batalha em que, tendo em conta a situação do país, os portugueses percebem que é aqui que devemos centrar o nosso esforço", adiantou.


Lusa

  • Jerónimo não percebe "nervosismo" em torno das presidenciais
    1:03

    País

    O Secretário-Geral do PCP lembra que ainda há eleições legislativas antes das presidenciais, razão pela qual não percebe todo o nervosismo em volta dos potenciais candidatos. Jerónimo de Sousa garante, que quando for a altura certa, o PCP vai apontar a Belém alguém capaz de cumprir a constituição da república portuguesa.

  • Jerónimo acusa Passos de querer tornar Portugal uma "Singapura da Europa"
    1:18

    País

    Jerónimo de Sousa acusou esta sexta-feira o primeiro-ministro de querer transformar Portugal numa Singapura da Europa, a propósito das declarações de Passos Coelho sobre os custos do trabalho. Num encontro com dirigentes sindicais de Lisboa, o secretário-geral do PCP disse ainda que o Governo esconde um programa de cortes porque é ano de eleições.

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.