sicnot

Perfil

País

Jerónimo critica indefinição do PS e compara o partido a um "caranguejo moído"

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, criticou hoje a indefinição do PS em delinear uma política alternativa e considerou que o partido "nem é carne nem é peixe", parecendo "um caranguejo moído".

ANT\303\223NIO JOS\303\211

"Neste quadro de objetivos claros por parte da direita e deste PS que nem é carne nem é peixe, que mais parece um caranguejo moído em termos de definição de uma política alternativa, nós queremos dizer 'aqui está a CDU'. Há razões para estarmos confiantes", afirmou Jerónimo de Sousa, referindo-se às próximas legislativas.

O secretário-geral do PCP falava durante um almoço-convívio com militantes em Castelo Branco.

Lembrando que as eleições legislativas são já em setembro ou outubro deste ano, o líder dos comunistas referiu que "esta batalha exige muito de cada um".

Num discurso já de pré-campanha, Jerónimo de Sousa referiu, que decorridos três anos da aplicação do "pacto de agressão", o país está hoje mais endividado, mais empobrecido, com mais desemprego e com mais emigração.

"Esta será a síntese das sínteses que derrubará qualquer propaganda que afirma que o nosso país está no bom caminho e que está a dar a volta", adiantou.

O secretário-geral do PCP explicou que esta ideia da libertação da "troika" (Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu e Comissão Europeia) é uma "mistificação" e referiu que, se é verdade que se foram embora, deixaram cá a sua política.

"A União Europeia e o Fundo Monetário Internacional deram já em janeiro as suas recomendações, que o Governo, naturalmente, toma imediatamente como as suas orientações. Dizem que estão a dar a volta, mas estão a discutir o chamado programa de reformas que, no essencial, vem desmentir esta teoria", disse.

Jerónimo de Sousa acrescentou que aquilo que está proposto são mais cortes na educação, na saúde e na proteção social, o aumento da carga fiscal para os trabalhadores e micro e pequenos empresários e a redução da carga fiscal para os grandes grupos económicos.

"O PCP propõe uma política alternativa. Já não podemos dizer o mesmo do PS, que tem um drama: está prisioneiro da sua assinatura do pacto de agressão, da política dos PEC [Programa de Estabilidade e Crescimento], da sua identificação com as políticas da União Europeia", afirmou.

Apesar deste "aprisionamento e condicionamento" do PS, referiu Jerónimo de Sousa, os socialistas sabem o que querem.

   "Mas, continuando amarrado à política da União Europeu, o PS não pode querer sol na eira e chuva no nabal, não pode afirmar-se como uma política de esquerda, de rutura e de mudança, porque está comprometido com esta política e por isso, anda numa indefinição. Nós temos uma proposta de rutura com esta política", declarou.

   O comunista reiterou ainda que há círculos de decisão que estão interessados na secundarização das eleições legislativas: "Esta deriva subestimando a batalha principal e prioritária que são as legislativas serve fundamentalmente a direita"

Contudo, o secretário-geral do PCP sublinhou que os portugueses percebem que se está a poucos meses das eleições legislativas e que as presidenciais são daqui a quase um ano.  

"São as legislativas que podem determinar muito da evolução da vida nacional nos próximos anos. É uma batalha em que, tendo em conta a situação do país, os portugueses percebem que é aqui que devemos centrar o nosso esforço", adiantou.


Lusa

  • Jerónimo não percebe "nervosismo" em torno das presidenciais
    1:03

    País

    O Secretário-Geral do PCP lembra que ainda há eleições legislativas antes das presidenciais, razão pela qual não percebe todo o nervosismo em volta dos potenciais candidatos. Jerónimo de Sousa garante, que quando for a altura certa, o PCP vai apontar a Belém alguém capaz de cumprir a constituição da república portuguesa.

  • Jerónimo acusa Passos de querer tornar Portugal uma "Singapura da Europa"
    1:18

    País

    Jerónimo de Sousa acusou esta sexta-feira o primeiro-ministro de querer transformar Portugal numa Singapura da Europa, a propósito das declarações de Passos Coelho sobre os custos do trabalho. Num encontro com dirigentes sindicais de Lisboa, o secretário-geral do PCP disse ainda que o Governo esconde um programa de cortes porque é ano de eleições.

  • Maratona da democracia em Barcelona
    1:18

    New Articles

    Na Catalunha, milhares de pessoas alimentam o braço de ferro com Madrid. Em Barcelona decorre a maratona pela democracia decorre na Praça da Universidade. A iniciativa repete-se noutros 300 municípios da região.

  • Primeiro-ministro admite que retatório sobre Tancos possa ser "fabricado"
    2:06

    País

    O primeiro-ministro garante que o relatório divulgado pelo expresso sobre o desaparecimento de armas em Tancos não é de nenhum organismo oficial e admite até que possa ser fabricado. Costa critica ainda o líder do PSD por comentado uma notícia que não confirmou. As Forças Armadas também negaram a existência de qualquer relatório sobre Tancos que o Expresso reafirma existir e ser verdadeiro.

  • Primeiro-ministro admite que retatório sobre Tancos possa ser "fabricado"
    2:06

    País

    O primeiro-ministro garante que o relatório divulgado pelo expresso sobre o desaparecimento de armas em Tancos não é de nenhum organismo oficial e admite até que possa ser fabricado. Costa critica ainda o líder do PSD por comentado uma notícia que não confirmou. As Forças Armadas também negaram a existência de qualquer relatório sobre Tancos que o Expresso reafirma existir e ser verdadeiro.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Irão lança míssil de médio alcance
    1:13

    Mundo

    Três dias depois do discurso hostil de Donald Trump nas Nações Unidas, o Irão testou um novo míssil de médio alcance que atingiu uma altura de dois mil quilómetros. Teerão diz que o teste não viola o acordo nuclear.

  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.