sicnot

Perfil

País

Movimento anti-portagens critica rejeição de petição para fim do pagamento na A22

O Movimento Algarve Sem Portagens criticou esta quarta-feira a maioria parlamentar PSD/CDS-PP e o PS por terem rejeitado uma petição que visava a suspensão das portagens na Via do Infante (A22) e foi assinada por cerca de 6500 pessoas.

Esta atitude demonstra, segundo o movimento, um "claro desprezo" dos deputados da maioria e do maior partido da oposição "não apenas por estes algarvios, mas por todos os que de uma forma ou outra têm erguido a voz contra as portagens na Via do Infante". (Arquivo)

Esta atitude demonstra, segundo o movimento, um "claro desprezo" dos deputados da maioria e do maior partido da oposição "não apenas por estes algarvios, mas por todos os que de uma forma ou outra têm erguido a voz contra as portagens na Via do Infante". (Arquivo)

Lusa

Numa conferência de imprensa realizada hoje, em Faro, o Movimento criticou os deputados destas três forças partidárias eleitos pelo círculo de Faro por, no parlamento, votarem contra as iniciativas que pedem a suspensão do pagamento na antiga Autoestrada Sem Custos para o Utilizador (SCUT) do Algarve (A22) e, na região, fazerem declarações contra as portagens.

O Movimento lamentou que, a 01 de abril, a comissão de Economia e Obras Públicas da Assembleia da República tivesse "rejeitado liminarmente" a petição "subscrita por mais de 6.500" pessoas no espaço de um mês e considerou que o número de subscritores é "bastante demonstrativo do descontentamento dos algarvios em relação a este crime que continua a ser cometido contra a região".

Mário Cunha, do Movimento Algarve Sem Portagens, considerou que "os deputados que integram aquela comissão tiveram oportunidade de mostrar qual a sua verdadeira posição sobre as portagens na Via do Infante", mas os parlamentares do PSD, o CDS e o PS acabaram por votar "pelo indeferimento liminar da petição, levando assim ao seu arquivamento".

Esta atitude demonstra, segundo o movimento, um "claro desprezo" dos deputados da maioria e do maior partido da oposição "não apenas por estes algarvios, mas por todos os que de uma forma ou outra têm erguido a voz contra as portagens na Via do Infante".

O argumento invocado pelo PSD, CDS-PP e PS para rejeitarem a petição foi o de a suspensão de portagens na A22 já ter sido anteriormente apreciada e rejeitada pela mesma comissão parlamentar, referiu ainda o dirigente do movimento. 

"Não obstante ser verdade que as portagens na Via do Infante já foram tema de uma petição promovida em junho de 2013, cerca de sete meses depois da introdução das portagens naquela via [a 08 de dezembro de 2011], há que esclarecer que a petição apresentada por este movimento tinha como base já não as previsões pessimistas dos nefastos efeitos na vida e economia do Algarve com a introdução das portagens, mas a realidade vivida diariamente na região e que bem demonstra os custos das portagens na Via do Infante", frisou.

Estes custos são "muito superiores aos custos que resultavam da suposta gratuitidade da utilização da Via" e "colocam em causa o já enfraquecido tecido empresarial da região" do Algarve, "destruindo postos de trabalho e afastando para outras regiões muitos negócios", criticou ainda o movimento. 

"E isto sem esquecer os gravíssimos custos sociais que resultam de um desvio de trânsito para a famigerada Estrada da Morte - a Estrada Nacional 125 - que não sendo, como nunca foi nem nunca será, uma alternativa à Via do Infante, tem custado demasiadas vidas à região algarvia", acrescentou.
Lusa
  • 10 Minutos com Eurico Reis
    11:20

    10 Minutos

    Há quatro meses que Portugal é um dos poucos países europeus onde é possível recorrer à gestação de substituição. E há já um casal que teve luz verde para começar os tratamentos. Para um balanço, foi nosso convidado Eurico Reis, juiz desembargador e presidente do Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida, a entidade que autoriza os processos de gestação de substituição.

    Entrevista completa

  • Parlamento discute utilização de animais no circo
    2:01
  • Seis meses depois da tragédia de Pedrógão Grande
    5:55

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assinalou-se este domingo meio ano desde que o país ficou em choque com o rasto de morte e destruição causado pelos incêndios florestais na região centro. A tragédia de Pedrogão Grande foi há precisamente seis meses. Enquanto segue a reconstrução no tempo possível e com o Natal à porta, a vida prossegue, mas não voltará a ser mesma.

  • A inédita entrevista do príncipe Harry a Barack Obama
    0:47

    Mundo

    Foi divulgado um vídeo pouco habitual em que aparece o príncipe Harry a entrevistar Barack Obama para um programa de rádio. A conversa foi gravada em setembro, durante um evento desportivo para militares com deficiência, e será transmitida na íntegra no dia 27 de dezembro.