sicnot

Perfil

País

Pescador desaparecido no rio Lima

Um pescador galego dado hoje como desaparecido está a ser procurado no rio Lima, na zona de Parada Monte, em Ponte da Barca, por autoridades policiais do Alto Minho e da Galiza, disse hoje Lusa fonte da GNR.

SIC

De acordo com a fonte do Comando Territorial da GNR de Viana do Castelo o alerta foi dado às 10:19 pelo filho do homem, "após ter tentado contactar o pai através do telemóvel" mas sem sucesso.

"Trata-se de um reformado da Guardia Civil espanhola que saiu para pescar terça-feira à noite. Hoje de manhã, estranhando a ausência do pai, o filho ligou para o telemóvel, que toca, mas ninguém atende", explicou aquela fonte, adiantando que as autoridades policiais galegas vão recorrer à georreferenciação através daquele equipamento, para tentar encontrar o pescador.

Segundo a GNR de Viana do Castelo, a congénere galega solicitou colaboração nas buscas, tendo sido mobilizado para o local o Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS) da GNR, o Núcleo de Proteção Ambiental daquela força policial, e cães de busca e salvamento.

No local encontram-se ainda a participar nas operações, que decorrem em ambas as margens do rio Lima, seis homens dos Bombeiros Voluntários de Ponte da Barca, apoiados por um bote e uma viatura.



Lusa
  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.