sicnot

Perfil

País

Repetição parcial do julgamento Conforlimpa em Vila Franca de Xira

A repetição parcial do caso Conforlimpa, no qual o ex-presidente da empresa Armando Cardoso foi condenado a mais de 11 anos de prisão, arranca hoje em Vila Franca de Xira, após a Relação de Lisboa anular parte do julgamento.

SIC

"O julgamento foi anulado a partir da fase em que o coletivo de juízes procedeu à alteração não substancial dos factos. Perante isso, requeri a inquirição de novas testemunhas e a produção de mais prova, mas tal foi recusado pelo tribunal de primeira instância", explicou à agência Lusa João Martins Leitão, advogado de um dos arguidos, em fevereiro.

Segundo o advogado, a Relação entende, contudo, que o arguido José Peixinho -- contabilista na empresa de serviços de limpeza e conservação de edifícios - tinha o direito de apresentar essas testemunhas, para se defender mediante as alterações produzidas pelo tribunal.

O processo regressou ao tribunal de primeira instância para que o julgamento seja retomado nessa fase, o que implica a produção de um novo acórdão.

A 02 de maio de 2014, o coletivo de juízes, presidido por Sílvia Costa, condenou o ex-presidente Armando Cardoso a 11 anos e dois meses de prisão por associação criminosa e fraude fiscal qualificada superior a 42 milhões de euros.

Pelo mesmo tipo de crimes, o economista Germinal Rodrigo e o contabilista José Peixinho foram condenados a sete anos de prisão, enquanto Andreia Cardoso, filha de Armando Cardoso, foi condenada a cinco anos de prisão, com pena suspensa na sua execução por igual período.

Armando Cardoso, Germinal Rodrigo e José Peixinho, à data dos factos, funcionários da Conforlimpa Tejo, e seis pessoas coletivas (sociedades) foram ainda condenados a pagar os mais de 42 milhões de euros reclamados pelo Estado.

Para o coletivo de juízes "ficou provado a generalidade dos factos constantes da acusação" do Ministério Público (MP).

O MP sustenta que os arguidos "desenvolveram um esquema fraudulento, labiríntico e sofisticado, com base na criação de empresas fictícias, as quais montavam múltiplas operações comerciais com faturação forjada, para contabilização de custos inexistentes e consequente dedução indevida de IVA (Imposto sobre o Valor Acrescentado)".

Deste modo, acrescenta, no período entre 2004 e 2012, os envolvidos obtiveram ganhos ilegais nos valores do IVA, prejudicando o Estado em cerca de 42,352 milhões de euros.

O início da sessão está agendado para as 09:30 no edifício do Depósito Público do Ministério da Justiça - junto à Estrada Nacional 10 -, local onde se realizou o primeiro julgamento.


Lusa

  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Mais de 50 detidos pela GNR em 12 horas

    País

    A GNR fez 51 detenções entre as 20:00 de sábado e as 08:00 de hoje, 39 das quais por condução sob efeito do álcool ou sem carta, e três por violência doméstica, segundo um comunicado hoje divulgado.

  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".

  • Monumentos de 7 mil cidades às escuras por 1 hora
    2:51