sicnot

Perfil

País

Portugal vestido de branco pelas vítimas da imigração forçada

Várias organizações católicas apelaram hoje aos portugueses para que se vistam de branco para chamar à atenção para a situação das vítimas da imigração forçada, muitas das quais morrem a tentar chegar à Europa.

© Mathieu Belanger / Reuters

As organizações "apelam a todos os portugueses para que, no próximo domingo, 26 de abril, coloquem nas suas janelas um pano branco ou usem uma peça de roupa branca e se unam, em oração ou num minuto de silêncio, aos milhares de pessoas solidárias com todos os que buscam uma vida melhor e partem diariamente das suas terras na procura legítima de melhores condições de vida", adiantam em comunicado.

A campanha "somostodospessoas" junta a Agência Ecclesia, Cáritas Portuguesa, Conferência dos Institutos Religiosos de Portugal (CIRP), Comissão Nacional Justiça e Paz, Comissão Nacional Justiça, Paz e Ecologia dos Religiosos, Departamento Nacional da Pastoral Juvenil, Fundação Ajuda à Igreja que Sofre, Obra Católica Portuguesa de Migrações, Rádio Renascença, Serviço Jesuíta aos Refugiados e Sociedade de São Vicente de Paulo.

Trata-se, segundo a organização, de "um gesto simples" que pretende ser "uma manifestação de indignação" e de "inconformismo com uma cultura do descartável".

As organizações lembram que este ano mais de 1.500 pessoas morreram no Mar Mediterrâneo, um número 50 vezes superior ao de 2014 e que os acontecimentos dos últimos dias, nomeadamente a morte de mais de 700 pessoas trancadas no porão de um navio "obrigam a não ficar calados, sob pena de sermos cúmplices de um verdadeiro massacre que deveria envergonhar o mundo, particularmente os que têm responsabilidades políticas".

Para estas organizações trata-se de "pessoas como nós que se vêm obrigadas a fugir do seu país porque vivem situações que ferem gravemente a sua dignidade e colocam em risco a sua sobrevivência e das suas famílias".

Considerando que a União Europeia "pode e deve fazer mais por cada uma destas pessoas", as organizações da Igreja Católica pedem medidas que "ultrapassem a excessiva preocupação securitária e de controlo de fronteiras" e "que se pensem alternativas de maior humanização".

Os líderes da União Europeia reúnem-se hoje, em Bruxelas, numa cimeira extraordinária que tem como objetivo "prevenir que mais pessoas morram no mar" Mediterrâneo, onde no passado fim-de-semana várias centenas de imigrantes perderam a vida num naufrágio.

Segundo as Nações Unidas, mais de 170.000 migrantes atravessaram o Mediterrâneo em 2014, 3.000 dos quais morreram no mar.

Só este ano já terão morrido na travessia do Mediterrâneo 1.700 pessoas.


Lusa

  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.