sicnot

Perfil

País

Portugal vestido de branco pelas vítimas da imigração forçada

Várias organizações católicas apelaram hoje aos portugueses para que se vistam de branco para chamar à atenção para a situação das vítimas da imigração forçada, muitas das quais morrem a tentar chegar à Europa.

© Mathieu Belanger / Reuters

As organizações "apelam a todos os portugueses para que, no próximo domingo, 26 de abril, coloquem nas suas janelas um pano branco ou usem uma peça de roupa branca e se unam, em oração ou num minuto de silêncio, aos milhares de pessoas solidárias com todos os que buscam uma vida melhor e partem diariamente das suas terras na procura legítima de melhores condições de vida", adiantam em comunicado.

A campanha "somostodospessoas" junta a Agência Ecclesia, Cáritas Portuguesa, Conferência dos Institutos Religiosos de Portugal (CIRP), Comissão Nacional Justiça e Paz, Comissão Nacional Justiça, Paz e Ecologia dos Religiosos, Departamento Nacional da Pastoral Juvenil, Fundação Ajuda à Igreja que Sofre, Obra Católica Portuguesa de Migrações, Rádio Renascença, Serviço Jesuíta aos Refugiados e Sociedade de São Vicente de Paulo.

Trata-se, segundo a organização, de "um gesto simples" que pretende ser "uma manifestação de indignação" e de "inconformismo com uma cultura do descartável".

As organizações lembram que este ano mais de 1.500 pessoas morreram no Mar Mediterrâneo, um número 50 vezes superior ao de 2014 e que os acontecimentos dos últimos dias, nomeadamente a morte de mais de 700 pessoas trancadas no porão de um navio "obrigam a não ficar calados, sob pena de sermos cúmplices de um verdadeiro massacre que deveria envergonhar o mundo, particularmente os que têm responsabilidades políticas".

Para estas organizações trata-se de "pessoas como nós que se vêm obrigadas a fugir do seu país porque vivem situações que ferem gravemente a sua dignidade e colocam em risco a sua sobrevivência e das suas famílias".

Considerando que a União Europeia "pode e deve fazer mais por cada uma destas pessoas", as organizações da Igreja Católica pedem medidas que "ultrapassem a excessiva preocupação securitária e de controlo de fronteiras" e "que se pensem alternativas de maior humanização".

Os líderes da União Europeia reúnem-se hoje, em Bruxelas, numa cimeira extraordinária que tem como objetivo "prevenir que mais pessoas morram no mar" Mediterrâneo, onde no passado fim-de-semana várias centenas de imigrantes perderam a vida num naufrágio.

Segundo as Nações Unidas, mais de 170.000 migrantes atravessaram o Mediterrâneo em 2014, 3.000 dos quais morreram no mar.

Só este ano já terão morrido na travessia do Mediterrâneo 1.700 pessoas.


Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.