sicnot

Perfil

País

Portugal em 88º lugar no Índice da Felicidade 2015

Portugal está classificado na 88ª posição de um conjunto de 158 países avaliados no Índice da Felicidade 2015, que coloca a Suíça, a Islândia e a Dinamarca no pódio das nações mais felizes este ano.

© Luke MacGregor / Reuters

Apresentado pelos economistas Jeffrey Sachs, da Universidade de Columbia, Richard Layard, da London School of Economics e John Helliwell, da Universidade da Columbia Britânica, o World Happiness Report foi publicado pela primeira vez em 2012, e divulga um conjunto de indicadores que, dizem os autores, permitem aferir da felicidade das nações.

Recorrendo a parâmetros definidos pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) para definir o 'bem-estar subjetivo' de cada pessoa, o relatório deste ano usa inquéritos feitos aos cidadãos de cada um dos 158 países analisados, para além de outros indicadores.

De acordo com o ranking, os cinco países com maior índice de felicidade são a Suíça, Islândia, Dinamarca, Noruega e Canadá, com Portugal a aparecer na 88ª posição.

Entre os lusófonos, o destaque vai para o Brasil, que encabeça o grupo, na 16ª posição, ao passo que o próximo lusófono é Portugal (88º lugar) e Moçambique, na 94ª posição.

Angola, na 137ª posição, termina a lista de países lusófonos citados no documento.


Lusa
  • "Hoje vi chover lume"
    3:57
  • A Minha Outra Pátria
    29:53
  • Milhares de clientes da CGD vão pagar quase 5€/ mês por comissões de conta
    1:24

    Economia

    Milhares de clientes da Caixa Geral de Depósitos (CGD), que até aqui estavam isentos de qualquer pagamento, vão começar a pagar quase 5 euros por mês por comissões de conta. A medida abrange também reformados e pensionistas e entra em vigor já em setembro. Ainda assim, os clientes com mais de 65 anos e uma pensão inferior a 835 euros por mês continuam isentos.

  • O apelo da adolescente arrependida de ir lutar pelo Daesh

    Daesh

    Uma adolescente alemã que desapareceu da casa dos pais, no estado da Saxónia, esteve entre os vários militantes do Daesh detidos este fim de semana na cidade iraquiana de Mossul. Arrependida do rumo que deu à sua vida, deixou um apelo emocionado em que expressa, repetidamente, a vontade de "fugir" e voltar para casa.

    SIC