sicnot

Perfil

País

Jean Todt compara mortalidade nas estradas à sida ou ao cancro

O presidente da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), Jean Todt, nomeado hoje representante especial para a segurança rodoviária, comparou a mortalidade nas estradas a uma pandemia como a sida ou o cancro.

Arquivo SIC

"A mortalidade rodoviária é uma grande pandemia, como a malária, a tiberculose, a sida ou o cancro", disse o antigo patrão da Ferrari depois de ter sido nomeado para representante em Paris por Ban Ki-Moon, secretário-geral das Nações Unidas.

Para Todt a falta de segurança rodoviária "é muitas vezes ignorada", apesar dos acidentes nas estradas "serem o primeiro fator de mortalidade para os jovens entre os 15 e os 29 anos", razão pela qual considera que se trata de "um flagelo planetário" e a necessidade de dar a mesma atenção que é dada à sida, à tuberculose ou ao ébola".

Reconhecendo que não foi encontrada uma cura milagrosa para estas doenças, Todt entende que em termos da segurança rodoviária há muita coisa a fazer, nomeadamente "a nível da educação, da prevenção, do controlo, da melhoria da rede rodoviária e do estado dos veículos em circulação". 

"Em França, desde os anos 70 até hoje, há três vezes mais veículos em circulação, mais quatro a cinco vezes em número de vítimas", disse Todt, como de resto, demonstraram as estatísticas de acidentes em França em 2014, as quais registaram 3.388 pessoas mortas nas estradas, mais 120 do que em 2013.

No entanto, Todt lembrou que a situação "é ainda mais dramática em muitas partes do mundo", referindo que 90 por cento dos 1,3 milhões de mortes e as 50 milhões de feridos anuais nas estradas, dos quais 25 por cento são peões, "são cidadãos de países em desenvolvimento", apesar desses países representarem "apenas metade da frota mundial".

"Em muitos países não se tira a carta de condução, compra-se, e são usadas viaturas sem condições para circular", acusou o patrão da FIA, sublinhando que "500 crianças perdem a vida todos os dias nas estradas".

Para ajudar na sua missão como representante da ONU para a segurança rodoviária, Jean Todt encontrou parceiros no desporto automóvel, como são os campeões do mundo de Fórmula 1, como o piloto inglês Lewis Hamilton ou o alemão Sebastian Vettel ou mesmo o nove vezes campeão mundial de ralis, o francês Sébastien Loeb, além do tenista espanhol Rafel Nadal ou o golfista norte-americano Bubba Watson.

O objetivo de Todt é "reduzir em cinquenta por cento o número de mortes nas estradas até ao ano 2030", objetivo esse que considera "difícil, mas possível".









Lusa
  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Opinião

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • Fuga de Vale de Judeus em junho de 1975 no Perdidos e Achados
    0:36

    Perdidos e Achados

    Prisão Vale de Judeus, final de tarde de domingo, dia 29 de junho de 1975. O plano da fuga terá sido desenhado por uma vintena de homens. Serrada a presiana metálica era preciso passar, para fora do edifício, as cabeceiras dos beliches onde os presos dormiam. Ao longo de cerca de uma hora 89 detidos, agentes da PIDE/DGS, a Polícia Internacional e de Defesa do Estado português extinta depois da revolução de 1974, fogem do estabelecimento prisional.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Pj ainda não fez detenções relacionadas com atropelamento de adepto italiano
    1:52

    Desporto

    As autoridades policiais confirmaram à SIC que o atropelamento que fez este sábado uma vítima mortal, junto ao Estádio da Luz, não terá sido acidental. A Policia Judiciária já saberá quem foi o autor do atropelamento. O homem faria parte do grupo de adeptos do Benfica, que se envolveram em confrontos com adeptos do Sporting.