sicnot

Perfil

País

Advogado de arguidos da operação "Fazenda Branca" espera a não decretação de prisão preventiva

Advogado de arguidos da operação "Fazenda Branca" espera a não decretação de prisão preventiva

As nove pessoas detidas esta quarta-feira, no âmbito da operação Fazenda Branca, estão no Tribunal de Instrução Criminal do Porto para serem ouvidas na primeira instância. Em causa, estão vários crimes fiscais e um alegado esquema que terá permitido a fuga ao pagamento de IVA e IRC, que pode ter lesado o Estado em dezenas de milhões de euros. Entre os arguidos, está o proprietário da Feira dos Tecidos, o gerente e o contabilista, suspeitos de branqueamento de capitais, associação criminosa e fraude fiscal. O advogado que representa quatro dos nove arguidos deste processo diz que que não há fundamento para os crimes de branqueamento de capitais e associacão criminosa, bem como perigo de fuga. Pedro Marinho Falcão espera, por isso, que não seja decretada a prisão preventiva aos arguidos.

  • O percurso dos rendimentos de Ronaldo
    3:43

    Football Leaks

    O Ministério das Finanças espanhol abriu uma investigação a Cristiano Ronaldo, por eventuais irregularides na declaração dos rendimentos da publicidade. A Gestifute, empresa do agente do avançado do Real Madrid, garante que Ronaldo tem os impostos em dia. A investigação aos documentos extraídos da plataforma informática Football Leaks, liderada pela revista alemã Der Spiegel, e da qual faz parte o jornal Expresso, conseguiu traçar o percurso dos rendimentos do melhor jogador do mundo.

  • Fábio Coentrão investigado por suspeita de delitos fiscais
    3:37

    Football Leaks

    O Ministério Público de Madrid acusou o defesa português Ricardo Carvalho de evasão fiscal e está a investigar Fábio Coentrão por eventuais delitos fiscais. Além dos dois portugueses a justiça acusou ainda o espanhol Xabi Alonso, o argentino Ángel Di María e investiga o colombiano Falcão. As investigações surgem depois da revelação do caso Football Leaks, investigada pelo Expresso e pelo consórcio europeu de jornalistas que tiveram acesso a milhões de documentos.