sicnot

Perfil

País

Advogado de arguidos da operação "Fazenda Branca" espera a não decretação de prisão preventiva

Advogado de arguidos da operação "Fazenda Branca" espera a não decretação de prisão preventiva

As nove pessoas detidas esta quarta-feira, no âmbito da operação Fazenda Branca, estão no Tribunal de Instrução Criminal do Porto para serem ouvidas na primeira instância. Em causa, estão vários crimes fiscais e um alegado esquema que terá permitido a fuga ao pagamento de IVA e IRC, que pode ter lesado o Estado em dezenas de milhões de euros. Entre os arguidos, está o proprietário da Feira dos Tecidos, o gerente e o contabilista, suspeitos de branqueamento de capitais, associação criminosa e fraude fiscal. O advogado que representa quatro dos nove arguidos deste processo diz que que não há fundamento para os crimes de branqueamento de capitais e associacão criminosa, bem como perigo de fuga. Pedro Marinho Falcão espera, por isso, que não seja decretada a prisão preventiva aos arguidos.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.