sicnot

Perfil

País

Águeda desvia o rio para acabar com as cheias na cidade

A Câmara de Águeda está a desviar o rio que atravessa a cidade para acabar com as cheias.  Gil Nadais, o presidente da Câmara de Águeda, acredita ter mudado o destino dos comerciantes da Baixa, que anualmente sofrem prejuízos com as inundações, ao abrir um canal para o rio contornar a cidade.

Lusa

LUSA

Lusa

Lusa

A obra, de cerca de 1,7 milhões de euros, esteve parada devido a problemas com o empreiteiro, mas foi agora retomada e prossegue a ritmo acelerado, para não perder a comparticipação dos fundos comunitários e ficar concluída antes do próximo inverno.

"Espero que o próximo inverno seja muito mais sossegado do que o anterior. Foi muito complicado, até porque tivemos obras na ponte velha, o que dificultou imenso o escoamento da água. Espero que ele possa ser referido como o último ano de cheias em Águeda", disse à Lusa Gil Nadais.

Os caprichos da Natureza e a imprudência dos homens têm alagado anualmente a Baixa da cidade, com a água das chuvas que escorre das encostas do Caramulo a não encontrar vazão no leito natural do rio, parcialmente aterrado com pontes e acessos que foram sendo construídos.

Se as fortes chuvas coincidem com marés vivas na Barra, o mar não dá saída às enxurradas que refluem e Águeda vive momentos de pânico. A água chegou às varandas das casas de primeiro andar em 2001 e mobilizou a atenção mediática quando Manuel Alegre ficou retido na sua casa de Águeda.

O assunto passou da abertura de noticiários às notícias breves e a azáfama ministerial desvaneceu-se em estudos e projetos. Pouco se fez de então para cá, com Águeda a alagar-se ciclicamente. 

Gil Nadais, então um jovem autarca socialista, depressa percebeu que fosse qual fosse o governo era Águeda que tinha de avançar para se proteger e a autarquia avançou para um conjunto de obras hidráulicas: duas pontes para substituir taludes e um novo percurso para o rio contornar a cidade, num investimento total de 2,6 milhões de euros.

"Era urgente dar resposta a este problema e uma das intervenções é este canal, que vai possibilitar que a água flua mais facilmente durante os invernos. O conjunto compreende mais duas pontes, uma das quais já está em construção em Óis da Ribeira, para retirar os aterros que impediam o curso do rio", explica.

Com o canal artificial, que tem 22 metros de largura em cerca de 800 metros de extensão, o rio passa a ter dois percursos, com duas alternativas para escoar a água: uma é o leito normal e a outra é o canal que está a ser aberto, onde há muitos anos passava o "rio velho".

"Águeda costuma ter dois problemas, um no verão e outro no inverno. No verão temos os incêndios, de inverno as cheias. Estou convencido que com este canal e as duas pontes deixaremos de ter as cheias que tanto incomodam as pessoas aqui na baixa de Águeda. É natural que o rio venha na mesma a galgar as margens e a inundar as várzeas, mas deixará de ser um problema na área urbana, com as dimensões que tem sido", conclui.

  • Os apelos de Marcelo para a reforma do Estado
    1:36

    País

    O Presidente da República lamentou este sábado que o consenso para uma reforma do Estado seja um sonho adiado. No enceramento do congresso "Portugal no Futuro", Marcelo Rebelo de Sousa apelou a entendimentos em áreas estratégicas e defendeu que é preciso passar as palavras à ação, o quanto antes.

    Débora Henriques

  • Tragédia de Vila Nova da Rainha foi há uma semana
    7:18
  • Escutas da Operação Marquês "não podem servir de prova"
    1:36

    Operação Marquês

    As defesas de José Sócrates e de Ricardo Salgado queixam-se que as escutas do processo Marquês estão infetadas por um vírus informático. Os advogados dizem que tal como estão as escutas não podem servir de prova. No entanto, o Ministério Público diz que estão reunidas as condições para começar a contar o prazo para a abertura de instrução.

    Luís Garriapa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52