sicnot

Perfil

País

José Sócrates vai ficar mais três meses em prisão preventiva

José Sócrates vai ficar mais três meses em prisão preventiva. O advogado do antigo primeiro ministro ainda não foi notificado pelo Tribunal Central de Instrução Criminal e lamenta ter sabido pela comunicação social, do despacho do juíz Carlos Alexandre. João Araújo já fez no entanto saber que vai recorrer da decisão.

© Hugo Correia / Reuters

José Sócrates é, nesta altura, o único arguido sob detenção, na Operação Marquês, e vai ficar mais três meses em prisão preventiva.

O advogado do antigo primeiro ministro lamenta ter sabido pela comunicação social do despacho do juís Carlos Alexandre e fez saber que vai recorrer da decisão.

Depois do motorista, é agora o amigo Carlos Santos Silva que vai sair da prisão.

A decisão tomada, também pelo juíz Carlos Alexandre, foi comunicada esta tarde pela Procuradoria Geral da República. Santos Silva passa de prisão preventiva, para obrigação de permanência na habitação, com pulseira electrónica.

O amigo de Sócrates está indiciado por branqueamento de capitais, fraude fiscal e corrupção, e estava também, detido há seis meses. Com esta alteração da medida de coação, o ex-primeiro ministro é o unico dos sete arguidos da Operação Marquês que continua detido.
  • Passos nega que resultado das autárquicas ponham em causa liderança do PSD
    7:46
  • PS e PSD trocam acusações sobre Tancos
    1:18
  • Homens vítimas de violência doméstica
    31:17
  • Marcelo mergulha na baía de Luanda
    0:45
  • Marcelo garante que relações com Angola "estão vivas"
    1:50

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou esta segunda-feira as boas relações entre Portugal e Angola. À chegada a Luanda para a posse do novo Presidente angolano João Lourenço, o chefe de Estado português aproveitou para tomar um banho de mar.

  • Défice chegou aos 2.034 milhões em agosto
    1:51

    Economia

    O défice do Estado caiu 1.900 milhões de euros até agosto, em comparação com o ano passado. A recuperação da economia ajudou a baixar o défice, com mais receitas e impostos acima do esperado. Já a despesa pública ficou praticamente inalterada e os pagamentos do Estado em atraso subiram.

  • Morreu a egípcia que chegou a pesar 500 quilos

    Mundo

    A egípcia Eman Ahmed Abd El Aty, de 37 anos, que chegou a pesar 500 quilos, morreu num hospital de Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, devido a complicações cardíacas na sequência do seu excesso de peso.