sicnot

Perfil

País

Cinco helicópteros Kamov de combate a incêndios estão parados

Cinco helicópteros Kamov de combate a incêndios estão parados

A paragem deve-se a uma questão burocrática, que tem a ver com o processo de transferência para a empresa que ganhou o concurso publico de operação e manutenção dos aparelhos.

A Autoridade Nacional de Proteção Civil justifica a paragem com a obrigatória avaliação dos meios por parte da empresa que ganhou o concurso público de operação e manutenção dos aparelhos. 

Espera-se que a curto prazo seja possível usar dois ou três dos helicópteros, mas só a 1 de julho, no início da fase mais crítica de incêndios, se prevê que os cinco kamov estejam operacionais. 

Ainda assim, a Proteção Civil diz que o dispositivo atual foi reforçado com mais quatro helicópteros ligeiros e com mais pessoal e viaturas em maior grau de prontidão. 
  • Atacantes de Barcelona "não estão a caminho da nossa fronteira"
    7:00

    Ataque em Barcelona

    O diretor da Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária esteve esta sexta-feira no Jornal da Noite para falar sobre o duplo atentado em Espanha. Luís Neves diz que o nível de ameaça em Portugal, perante os ataques, não foi alterado porque "não se detectou que tenha existido informação que possa colocar o nosso território em perigo".