sicnot

Perfil

País

Ministério da Justiça vai pagar 16 milhões de euros de oficiosas

A Ordem dos Advogados (OA) recebeu esta quarta-feira a garantia de que, durante o mês de junho, serão pagos cerca de 16 milhões de euros relativos a pedidos de pagamento de defesas oficiosas, segundo a página daquela entidade, na internet.

A ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz. (Arquivo)

A ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz. (Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

O Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça (IGFEJ) comunicou à bastonária da OA que estão a ser iniciados os procedimentos para o processamento dos pedidos de pagamento, confirmados nos meses de fevereiro, março e abril de 2015, no montante global de cerca de 16 milhões de euros.

"Estão a ser envidados todos os esforços para que os pagamentos ocorram o mais breve possível, no decurso do corrente mês de junho", lê-se na carta do IGFEJ, presidido por Albertina Pedroso, de acordo com os excertos citados pela OA, na sua página na internet.

O IGFEJ assumiu ainda o compromisso de comunicar à OA a data da realização das transferências bancárias, logo que os pedidos de pagamento sejam processados.

Na mensagem da bastonária, Elina Fraga refere que a Ordem continuará a acompanhar, "com empenho e atenção", estes pagamentos, assim como a monitorizar as alterações recentemente introduzidas na plataforma, com vista a uma validação mais célere dos pedidos de honorários dos advogados, pelas secretarias judiciais.

Hoje de manhã, o Ministério da Justiça (MJ) reconheceu um atraso no pagamento das defesas oficiosas, mas esclareceu que o valor total ronda os 15,2 milhões de euros e que desconhece dívidas relativas a 2008, como hoje foi noticiado na imprensa. 

O jornal Diário de Notícias revelou, na sua edição de hoje, que os advogados ameaçam processar o Estado português por uma dívida de 20 milhões e 706 mil euros, que dizem estar em atraso, e que é relativa a defesas oficiosas e serviços jurídicos dirigidos aos mais carenciados e suportados pelo erário público. 

No esclarecimento, o MJ explicou que o atraso se deve a um retardamento no despacho do secretário de Estado do Orçamento.

"A situação que motivou a existência dos não pagamentos, até ao momento, decorreu de não termos tido despacho atempado do secretário de Estado do Orçamento. De facto, a informação pedindo o reforço da verba foi enviada para a Secretaria de Estado da Justiça a 13 de abril, despachada pelo secretário de Estado da Justiça a 17 de abril, tendo sido carregada na plataforma da Direção Geral do Orçamento a 20 de abril; e sido despachada pelo secretário de Estado do Orçamento a 28 de maio", revela a nota enviada à agência Lusa.Na mesma resposta, o Ministério explicou ainda que os pedidos confirmados em fevereiro "deveriam ser pagos até final de março e assim sucessivamente", esclarecendo que, segundo a Lei dos Compromissos, se pode dizer que o IGFEJ "não tem pagamentos em atraso há mais de 90 dias", uma vez que os pedidos confirmados em janeiro "já foram pagos".

De acordo com a nota, em falta estão os pagamentos de fevereiro, março e abril, no valor de cerca de cinco milhões de euros cada. Os pedidos confirmados em maio de 2015, que deverão ser pagos até 30 de junho, são, segundo a mesma informação, de 3,9 milhões de euros.

Lusa
  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57
  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31