sicnot

Perfil

País

Quatro distritos sob aviso amarelo devido ao calor

Os distritos de Évora, Setúbal, Beja e Portalegre estão hoje sob aviso amarelo devido ao aumento da temperatura máxima, com persistência de valores elevados, de acordo com a informação disponibilizada pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Jon Nazca / Reuters

As temperaturas, segundo a previsão do IPMA, podem chegar hoje aos 38 graus Celsius em Beja, 36 em Évora, 35 em Portalegre e Castelo Branco, 34 em Santarém, 32 em Lisboa, Bragança e Vila Real.

Devido ao aumento da temperatura máxima o IPMA colocou sob aviso amarelo os distritos mais a sul de Portugal continental, uma medida que irá vigorar entre as 9:00 de quarta-feira e as 18:00 de quinta-feira.

A partir das 00:00 de hoje e até às 06:00 de sexta-feira o distrito de Faro irá estar sob aviso amarelo devido à agitação marítima, com a previsão de ondas de sueste na costa sueste com dois metros.

Para hoje, o IPMA prevê céu pouco nublado ou limpo, apresentando períodos de maior nebulosidade no litoral a norte do Cabo Raso até ao fim da manhã. A partir da tarde, aumento de nebulosidade nas regiões Norte e Centro, em especial no interior, com possibilidade de ocorrência de aguaceiros e trovoada.

O vento fraco tende a soprar moderado de leste no Algarve, e de noroeste durante a tarde no litoral oeste a sul do Cabo Mondego.

Em declarações à agência Lusa, o meteorologista Ricardo Tavares, explicou que, hoje a temperatura máxima irá subir em especial no interior do Alentejo, com máximas acima dos 35 graus.

Porto e Viana do Castelo vão oscilar entre os 10 e os 24 de máxima, enquanto em Braga estão previstos 31, 30 em Viseu, 29 em Coimbra, 24 em Leiria, e a sul de Portugal continental 31 em Faro e 27 em Sagres.


Lusa


  • Catalunha vs Espanha
    29:35

    Grande Reportagem SIC

    2017 ficará como o ano da Catalunha e de como a região espanhola foi falada em todo o mundo, por causa do grito de independência que não aconteceu. O jornalista Henrique Cymerman esteve na Catalunha e foi um dos poucos repórteres do mundo que conseguiu chegar ao esconderijo do presidente demissionário do Governo catalão, Carles Puigdemont, em Bruxelas.