sicnot

Perfil

País

Programa eleitoral do PS aprovado por maioria

Cerca de mil delegados à Convenção Nacional do PS, no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, aprovaram este sábado o programa eleitoral para as Legislativas de setembro/outubro, apesar de um voto contra e sete abstenções.

MIGUEL A. LOPES / Lusa

O membro da comissão nacional Maria do Rosário Gama, presidente da associação Aposentados, Reformados e Pensionistas (APRe!), empunhou o único cartão verde, quando o presidente do partido, Carlos César, perguntou quem rejeitava o documento. A militante já tinha expressado na véspera a sua intranquilidade face às mexidas na Taxa Social Única para a Segurança Social dos trabalhadores.

O secretário-geral do PS, António Costa, começou a sua intervenção final, logo em seguida, agradecendo o voto contra de Rosário Gama, pois "o PS não é um partido de pensamento único".

O documento passou a prever que, no caso da redução da TSU dos trabalhadores, que será reversível a partir de 2019, o Orçamento do Estado compensará eventuais quebras financeiras no sistema de Segurança Social e, no caso dos empregadores, que a descida gradual estará sempre condicionada à existência de receitas compensatórias por parte de novas fontes de financiamento do sistema. 

O programa eleitoral do PS manteve a maioria das medidas já defendidas no âmbito do cenário macroeconómico - um documento que foi coordenado pelo doutorado de Harvard e quadro superior do Banco de Portugal, Mário Centeno.

Além da questão da Segurança Social, o programa eleitoral do PS prevê a eliminação da sobretaxa de IRS em 2017, ano em que também se pretende repor a totalidade do corte salarial aplicado desde 2011 aos trabalhadores do setor público.

O PS conserva ainda a promessa vinda da anterior direção de António José Seguro de reduzir o IVA da restauração para a taxa intermédia de 13 por cento e, com estas medidas de estímulo, prevê défices sempre abaixo de três por cento a partir de 2016, atingindo os 0,9 por cento em 2019.
Com Lusa
  • PS acredita que redução da TSU vai aumentar o emprego
    1:46

    Economia

    Os economistas que prepararam o programa do PS voltaram a fazer contas. Estimam agora que a redução dos descontos para a Segurança Social vai injectar 1900 milhões de euros na economia.Explicam que os trabalhadores ficam com mais dinheiro para gastar e que isso reanima a produção e cria emprego. Com menos desempregados a cargo, a segurança social passa a ter menos despesa com subsídios.

  • Álvaro Beleza diz que teve de "serenar ânimos" por causa da redução da TSU
    1:02

    Economia

    A redução da TSU dos trabalhadores, prevista no programa eleitoral do PS, está a provocar divergências dentro do partido. Álvaro Beleza reconhece que já teve de serenar ânimos e sugere que a medida seja votada de forma isolada. Beleza diz também que é António Costa que tem a responsabilidade de unir o partido em torno deste assunto. Também Eurico Dias reconhece que a medida tem de ser explicada com muita pedagogia.

  • Os negócios menos claros do filho de Pinto da Costa
    1:55
  • BCE autoriza CGD a avançar com recapitalização

    Caso CGD

    A Caixa Geral de Depósitos informou esta sexta-feira que vai prosseguir com as operações da primeira fase do aumento de capital, depois de ter obtido autorização para isso junto do Banco Central Europeu (BCE) e do Banco de Portugal.

  • Condutores apanhados a mais de 200 em corridas ilegais na Ponte Vasco da Gama
    1:25
  • A história da guerra em Alepo
    7:43
  • Reino Unido em alerta máximo de terrorismo

    Mundo

    O Reino Unido elevou o alerta de terrorismo para o nível máximo depois das declarações, esta quinta-feira, do chefe das secretas britânicas. O diretor do MI6 está preocupado com eventuais ataques contra o Reino Unido e outros aliados.

  • Uma "cidade fantasma" na Letónia
    3:10
  • O anúncio de natal que está a emocionar o mundo
    1:47